Mostrar mensagens com a etiqueta acácio de paiva. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta acácio de paiva. Mostrar todas as mensagens

2017/02/21

Como se fosse o eco de um poema: S.L. e BENFICA em tempos de Félix Bermudes... e de Acácio de Paiva.

Ainda na sequência dos ´posts` anteriores, a propósito de buscas na internet sobre Acácio de Paiva, eis que me deparei com este artigo delicioso sobre o glorioso BENFICA (temos que convir, sejamos ou não adeptos do SLB). Originalmente está publicado no blogue "O Indefectível" no link 
e foi escrito pelo meu primo, por afinidade que seja, Afonso de Melo, bisneto de ACÁCIO de PAIVA, por ser filho da neta Constância Paiva. Convém que se acrescente que veio parar àquele blogue por via de "O Benfica".
Estando seguro que o meu primo não se vai zangar com esta minha liberdade, aqui republico esse artigo histórico e brilhantemente evocador da origem de entusiasmo e de paixão do SLBenfica. Para que conste neste blogue dum viseense/portuense, tão leiriense como os que o são e Benfiquista desde sempre. E que tudo tem feito para que o nome do "Altíssimo Lírico e o Maior Humorista da Poesia Portuguesa", ACÁCIO de PAIVA, se mantenha vivo. Como bem merece.
---
Os jogos entre Benfica e Sporting voltaram a estar na moda. Talvez por razões menores que o tempo reduzirá à sua verdadeira dimensão. E se alguém julga que estes são dias conturbados, regressemos aos primórdios para comprar realidades incomparáveis.
antiga Marcolino Bragança

Os jogos entre Benfica e Sporting parecem estar de novo na moda.
Moda por moda, deixemos as modinhas mal ajeitadas dos bate-bocas de mau gosto e vamos dar uma volta a tempos que lá vão. E como vão...
O livro de Júlio Araújo, «Meio-século de Futebol (1888-1938)», é um grande repositório da realidade da primeira  década do Século XX. Também nos socorremos dele para ir tentando ficar com uma ideia clara de génese desta rivalidade que marcou até nos dias de hoje a vida do País. Nada como ir beber água fresca da mais pura das fontes.
Orgulhoso das suas instalações e da sua sede, com lugar num edifício que era propriedade da sua família, ali ao Lumiar, José Holtreman Roquete sonhava agora com um grande team de Futebol. O descontentamento dos jogadores da primeira categoria do Sport Lisboa entreabria-lhe uma porta que não tardou em abrir às escâncaras. De uma assentada, traz para o Sporting oito deles: José da Cruz Viegas, Emílio de Carvalho, Albano dos Santos, António Couto, António Rosa Rodrigues, Cândido Rosa Rodrigues, Daniel Queirós dso Santos e Henrique Costa.
Um autêntico terramoto! Deixem lá estas brincadeiras de Jesus para lá e de Jesus para cá. Isto sim: foi tremendo! Tonitruante!!!
Parecia o fim da linha para o Sport Lisboa, até porque a sangria não ficava por aqui. Manuel Mora, o guarda-redes, partiu para a Argentina (um destes dias trataremos aqui a história interessante desta figura, se tudo se encaminhar para tal); Fortunato Levy para Cabo Verde; outros optaram por seguir a sua carreira no Ginásio Clube Português, no Grupo Sport Benfica, no Cruz Quebrada, no Académico de Lisboa, no Nacional, etc.
Deserção? Dessedência? Traição?
Quem souber que responda. Mas com franqueza!

antiga Marcolino Bragança

A voz de Marcolino Bragança
Ao longo dos anos, este episódio da vida dos dois clubes foi visto por diversos prismas. Um deles, o mais curioso, assumido por Cândido Rosa Rodrigues, declarando que não se poderia falar em dissidência ou de traição até porque não existia rivalidade entre Sport Lisboa e Sporting, e apenas entre Sport Lisboa e Internacional, o velho CIF.
Temeu-se, assim pela vida do Sport Lisboa.
Ah! Como diria Mark Twain: «As notícias sobre essa morte foram manifestamente exageradas».
Terminada a época do Futebol, entrava-se na época dos desportos de Verão. Os protagonistas eram os mesmos. Isto é: jogador de Futebol que se prezasse, chegando o calor, dedicava-se a desportos sem botas, fosse ele a Natação, a Vela, o Ciclismo ou o Automobilismo.
E o sol parece ter auxiliado o olvido e cicatrizado feridas.
Era tempo para que se abrissem no azul claro do céu novos horizontes rubros. Vozes se levantaram; peitos encheram-se de esperanças; o mundo estava aí para os que usavam a gadanha da coragem.
Um belo dia, Marcolino Bragança, um dos melhores jogadores das segundas categorias do clube, ainda jovem estudante do 4.º ano do Liceu, lançou a ideia, tão óbvia que parecia pecado ninguém ter feito eco dela até aí:
- Ouçam lá, e por que é que não passamos o segundo team a primeiro?
Era bem visto, sim senhor. Não houve quem se pusesse. Pelo contrário.
Fez-se o apelo geral. Juntou-se a linha dura dos resistentes: pouco menos de 30 rapazes empenhados em continuar com o clube.
Houve até quem regressasse: gente que tinha ido para o Cruz Qubrada, o Sport Benfica, o Académico de Lisboa...
Os do Sporting não voltaram.
Félix Bermudes e Cosme Damião tomam as rédeas do clube que ressurgia. Todos se dispuseram ao pagamento da quota de dois tostões por mês. Félix Bermudes, escritor bem conhecido pelos seus poemas, peças de teatro e operetas - como foi o caso da famosa «O Timpanas», curiosamente grande amigo e tertuliano do bisavô deste que se assina, Acácio de Paiva -, um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Autores à qual presidiu durante 32 anos, num gesto magnânimo, ofereceu cinco mil réis para um boa nova.
Aqui sim, o Benfica, que ainda não era completamente Benfica, começava a ver medrar as suas raízes populares. Bem ao contrário do Sporting.
O tempo passou.
Houve lutas duras, combates violentos, jogos menos amigáveis do que outros e até uma final da Taça de Portugal em que os adeptos do Sporting fizeram parte da falange encarnada que bateu o FC Porto no Estádio Nacional.
Benfica-Sporting ou Sporting-Benfica: leiam como quiserem - é como se fosse o eco de um poema...
antiga 1907 - segunda equipa Benfica

De cima para baixo. Da esquerda para a direita. Defesa e guarda-redes: Henrique Teixeira, João Persónio e José Neto; Avançados: Félix Bermudes (capitão), Eduardo Corga, Leopoldo Mocho, António Meireles e Carlos França; Médios: Luís Vieira, Cosme Damião e Marcolino Bragança."

Afonso de Melo, in O Benfica


O Perú dos Olivais - Acácio de Paiva (1863-1944)

Recentemente recebi um e-mail duma professora a pedir-me colaboração para encontrar a letra da fábula escrita pelo Lídimo Poeta Leiriense, ACÁCIO de PAIVA, com o título "O Perú dos Olivais".
Esta Fábula está incluída no seu livro "Fábulas e Historietas", 1ª Edição em 1929 e impresso na Tip. ENP, à Rua do Diário de Notícias, 78, em Lisboa. Esta foi a única edição até há pouco mais de 3 anos.
A seguir se divulgam, um vídeo e a letra:


A letra, segundo vem no livro "Falando de Acácio de Paiva", ed. 2013, Junta de Freguesia de Leiria, autor António Almeida Santos Nunes:
---
Partilha do link 

2017/02/18

Rememorando Acácio de Paiva - organização da Biblioteca Municipal de Leiria -11 fevereiro de 2017


Começou-se no Largo da Sé, em Leiria, em frente à casa onde nasceu Acácio de Paiva, a conhecida "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva".
David Telles disse poemas de Acácio de Paiva.
Na fotografia do meio podem ver-se: Constância e Filomena Paiva (netas de Acácio de Paiva) e de óculos escuros a Zaida Paiva Nunes (sobrinha neta).
Só um lamento da minha parte: a sra. bibliotecária esqueceu-se do livro que eu escrevi sobre Acácio de Paiva. Pura e simplesmente. E só se falou dele porque a minha prima, Filomena Paiva (Marques da Cruz), chamou a atenção para essa falha. Lamento a desatenção. Ao menos referi-lo...
O livro é este:
Editado com o apoio da então Junta de Freguesia de Leiria, de que era Presidente a Dra. Laura Esperança. Foi em 2013. A reportagem possível sobre a apresentação desse livro pode ser vista seguindo este link.
O livro é de distribuição gratuita. 
-
A reportagem fotográfica deste evento pode ser admirada aqui
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1300836956622059.1073742082.183312168374549&type=3


Uma das fotos da reportagem, na Biblioteca Municipal de Leiria, junto ao mostruário dos livros e documentos que se referiam a Acácio de Paiva. Quase todos.........
Podem-se ver, na parte direita da foto, as netas de Acácio de Paiva: Constância e Filomena Paiva.

2016/12/28

Adelaide Félix a falar de Acácio de Paiva, ´insigne poeta leiriense`. Em 1944

Sempre que me ocorrer e tiver disponibilidade temporal e anímica para isso, aqui vou deixando as minhas notas e Apontamentos do que vou observando e/ou fazendo. 
Que possa servir para quem aqui vier espiolhar...
---

Acácio de Paiva lembrado por Adelaide Félix

-
Notas aquando da recolha de informação sobre
Acácio de Paiva, ´insigne poeta leiriense`.
- António AS Nunes para “Falando de Acácio de Paiva”, ed. Junta de Freguesia de Leiria, 2013.


Composto e impresso na Pap. Veneza. Lisboa. 1944. De 23x18 cm. Com 41 pags. Brochado. Ilustrado pelo Dr. Leonel Cardoso.
Este livro tem 41 páginas .
Nele é publicada uma conferência da autora, pronunciada na noite  de 20 de Março de 1944, na Casa do Distrito de Leiria, e ilustrado por Leonel Cardoso.
Com esta conferência a Dra. Adelaide Félix pretendeu realçar a atividade literária dos escritores que, na sua opinião, mais se teriam, até à data, revelado, ilustrando as terras e as gentes desta área geográfica de portugal:  o Distrito de Leiria.

Adelaide Félix (Santarém 1896 - Lisboa 1971) licenciou-se em Filologia Germânica pela Universidade de Lisboa e estagiou na Alemanha, país que visitava regularmente.
Publica o seu primeiro romance "Hora de instinto" em 1919 a que se segue, em 1921, uma colectânea de contos "Miragens Torvas".
Foi Teófilo Braga, seu mestre de Literatura, quem a incentivou a seguir a vida literária, tendo-lhe prefaciado um ensaio - "Shakespeare e o Othelo".
Exerceu funções docentes no Liceu D. Filipa de Lencastre, em Lisboa e foi também professora no Liceu de Leiria, tal como a própria afirma no "Roteiro de viagens feitas no mar tormentoso das letras por gentes de Leiria e seu termo", conferência que pronunciou na noite de 22.03.1944, na Casa do Distrito de Leiria, em Lisboa.
… "É ainda de Rodrigues Lobo, o liceu onde orgulhosamente eu servi..."


Esta foto foi tirada no decorrer da sessão de encerramento do festival dos jogos florais do Outono de 1965.
É de toda a justiça assinalar que o “Príncipe dos poetas” se chamava José Ribeiro de Sousa, de Maceira Lis (Florão de Louros de Prata).
Uma particularidade interessante deste festival: cada concelho da Região de Turismo de Leiria, teve a representação em palco de uma jovem escolhida a preceito. A representante do concelho de Leiria, foi Zaida Manuela Teles e Paiva, por sinal sobrinha-neta de Acácio de Paiva.

Adelaide Félix foi a presidente do Júri deste certame literário. A dado passo do seu discurso, disse:
(…) ”; e alegram-me, finalmente, a alma, porque cumprindo a sua tarefa, todos os componentes dum júri literário acabam por encontrar, nas produções apresentadas, alguma hora alta, alguma tarde de vento e de sol, que na lida da vida, já bateu à porta de todos nós.”
Não sendo natural de Leiria, aqui viveu vários e interventivos anos, muito contribuindo para a dignificação e divulgação das gentes e das obras literárias de muitos leirienses de alto mérito literário.  Por isso mesmo aqui fica o meu reparo por o seu nome não constar do “Dicionário dos Autores do Distrito de Leiria”, ed. Magno – Leiria – 2004.

-
Voltando mais atrás. Adelaide Félix disse, no seu discurso de 1944, que originou a publicação acima referida,  a propósito de Acácio de Paiva:

“… e não é um mareante, nem dois, nem três, que compõem hoje a tripulação da barca.
Nos cestos das gáveas, ao leme, no tombadilho, trepando aos mastros, ou no comando da nau, vejo gente, da melhor, entre a marinhagem que navega no mar tormentoso das letras contemporâneas.
E entre ela vai esse perdulário de rimas opulentas e do modelo de poesia alegre que é o leiriense Acácio de Paiva. Não cuida, nunca cuidou do seu renome.
Não busca vender livros – pois nem sequer se dá à tarefa de coligir milhares de versos esparsos… .
Dizer «Acácio de Paiva» é o mesmo que dizer insonciance, ou portuguesmente: «… Quanto a glória… tanto se me dá… como se me deu!...»

Ϩ
Notas de António AS Nunes em consulta na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira
Em 2012/3.


2016/12/17

Rita Ferro em Leiria. A propósito.


Conto estar presente. Tenho-me deliciado com uma tertúlia radiofónica (Antena Um) em que também participam Inês Pedrosa e Patrícia Reis. Além do mais, escrevi um livro em 2013, "Falando de Acácio de Paiva", e nele faço referência (7.7 do índice) à ligação muito próxima que havia entre António Ferro (avô de Rita Ferro) e Acácio de Paiva. Mais um motivo interessante para estar presente.
-
Se assim acontecer prometo que acabarei este ´post` com uma reportagem à minha maneira de ´blogger`...
(17-12-2016- 14h15)  (Ver mais sobre Rita Ferro neste blogue)
----
https://www.facebook.com/rita.ferro.142?ref=ts&fref=ts  (FB de Rita Ferro)

---
A reportagem prometida.
Pode ser que ainda tenha acesso a alguma fotografia em que eu próprio apareça. Só para memória futura.






Estive presente. Correu lindamente. Gostei muito do convívio, das conversas havidas entre os moderadores e Rita Ferro. Na parte final tive oportunidade de falar sobre Acácio de Paiva e da sua ligação a António Ferro. Dando predominância ao célebre júri do concurso "Antero Quental" em que a obra "Mensagem", que acabou por lançar Fernando Pessoa, foi classificada em 2º lugar. A sua publicação posterior só foi conseguida graças à insistência de António Ferro. E assim terá sido lançada a carreira literária de Pessoa. Encantado pela forma como Rita Ferro se apresentou, igual a si própria, tal como já a julgava conhecer, dos livros, da TV e da Rádio.
---
Entretanto, fui ao blogue de Rita Ferro e eis que me deparei com este ´post`:


Levei uma lição. Nas pausas, um efebo loiro tocava trombone na sala bem composta. Havia doces de tonalidades expressionistas sobre a mesa. O público era culto e obrigou-me a esgrimir política. Serviram duas vezes chá, enquanto se conversava. Fui apresentada por um director de olhos azuis turquesa e interpelada por um escritor suave, tão suave. Assinei uns 20 livros. Recebi inumeráveis declarações de apreço. Trouxe um livro sobre Acácio de Paiva, poeta leiriense e jurado da Mensagem. A Vereadora ofereceu-me um ramo de rosas de um tom Victoria Secret. E, por fim, a maior das comoções: António Ferro, um homem por amar, vai ter uma edição em braille na Biblioteca Municipal.

Obrigada, Leiria, vou reamigar toda a gente

2016/07/01

Soneto de Acácio de Paiva aos amigos de "A Parceria", Ernesto Rodrigues, Felix Bermudes e João Bastos


Aos amigos que vierem do Facebook.
A propósito das últimas notícias, via TVI, acerca do 1º Hino Oficial do S.L.Benfica.

Prometo mais informação...

---
p 116 do livro "Falando de Acácio de Paiva"
Ed. Junta de Freguesia de Leiria, 2013
António Almeida Santos Nunes

---
Ernesto Rodrigues, Felix Bermudes e João Bastos

Apanham amanhã um bom almoço
E eu não somente aprovo a bela ideia
Mas se alguém propuser jantar e ceia
O alvitre aceitarei com alvoroço.

Não fosse eu um bom almoço
Que os sustentava a molho de lampreia,
A peito de faisão, mesmo a geleia,
Enfim, ao que quisessem, fino ou grosso!

E não era pagar com grande usura
As finezas que devo à troupe amiga
Nestes tempos que correm, de amargura.

O riso, já se vê, não se mastiga;
Mas devo-lhes pançadas com fartura
E sempre engano a pobre da barriga...

Acácio de Paiva
1921 - 1ª publicação no "Século Cómico"
de que o autor era Diretor.
-
in Facebook:


(Biografia) Félix Bermudes - Benfiquista dos 7 oficios
Impôs-se desde muito cedo, ao lado de Cosme Damião, primeiro como atleta e, mais tarde, como dirigente.
Foi fundador [nº5] do S.L.Benfica e seu Presidente [1916-17; 1930-31; 1945], atleta do clube em futebol, remo, esgrima e ciclismo e campeão nacional de tiro (representou o país nos Jogos Olímpicos de 1920 e 1924); foi da sua autoria a sugestão para a bem conhecida divisa do SLB, "E Pluribus Unum", foi autor da letra do primeiro Hino do Benfica "Avante, Avante p'lo Benfica", de imediato censurado pelo governo. Fez parte das listas da oposição nas eleições de 1949, ao lado de Norton de Matos...

Gosto
Comentar
3 comentários
Comentários
Jose Manuel Leal Pires Obrigado por esta descrição que ouvi também na TVI.
Vou partilhar.

António Nunes Na p 116 do livro "Falando de Acácio de Paiva", de minha autoria, refiro e reproduzo uma fotografia onde estão os elementos da "A Parceria" e o próprio Acácio de Paiva. Acácio de Paiva escreveu um soneto a este triunvirato: Pode-se ler esse soneto no blogue http:\\dispersamente.blogspot.com . O livro está a ser distribuído gratuitamente: nunes.geral@gmail.com ou tm.

DISPERSAMENTE.BLOGSPOT.COM|DE AS-NUNES

2016/05/22

Dia de Leiria: 22 de Maio, sim ou não?

in Diário de Leiria de 16 de Maio pp:
...
Aproxima-se o dia em que se comemora o Dia do Município de Leiria, que ficou estabelecido que seria a 22 de Maio. A justificação desta data tem emperrado com a data em que D. João III elevou Leiria à categoria de cidade, que foi no dia 13 de Junho de 1545, conforme sua carta dessa data expedida de Évora. Estas duas datas acabaram por ficar intimamente ligadas.
Na verdade:
1- A Diocese de Leiria-Fátima, que tem por padroeiros Nossa Senhora de Fátima e Santo Agostinho, foi criada, a pedido do rei D. João III, pelo Papa Paulo III, com a bula "Pro excellenti", de 22 de Maio de 1545, então como Diocese de Leiria.
Extinta por motivos políticos em 4 de Setembro de 1882, foi restaurada pelo Papa Bento XV com a Bula "Quo vehementius", de 17 de Janeiro de 1918.
Por decreto da Congregação dos Bispos, de 13 de Maio de 1984, confirmado pela bula pontifícia "Que pietate", com a mesma data, foi dado à Diocese o título de Leiria-Fátima.
2- Leia-se o seguinte excerto do parecer efetuado pelo Professor Doutor Saul António Gomes, emitido em 20 de Agosto de 2002, a pedido do Executivo da Junta de Freguesia de Leiria:
"...
Permanece em aberto, efectivamente, o facto histórico de grande relevância que é a elevação oficial de Leiria ao estatudo de cidade, pelo rei D. João III, como se referiu, em 13 de Junho de 1545. Curiosamente, um dia festivo na vida religiosa, cultural e histórica portuguesa por ser, muito justamente, o dia de Santo António de Lisboa. Santo que tinha na Leiria dos nossos avós grande apreço e era popularmente comemorado na cidade e arredores.
..."

Ou seja, o Dia de Leiria, bem podia ser o 13 de Junho e não 22 de Maio, como acabou por ficar."
...
António Nunes

Na II parte da crónica:




Em qualquer caso, o 22 de Maio pode ser uma boa oportunidade para dar realce a personalidades cuja vida e obra contribuíram decisivamente para o seu bom nome e visibilidade.
Acácio de Paiva é, incontestavelmente, uma dessas personagens cuja memória urge manter viva.
A casa onde Acácio de Paiva  nasceu em 14.4.1863 é um ex-libris inquestionável desta cidade, talvez, a par com o Castelo de Leiria, um dos sítios mais fotografados pelos turistas de todo o mundo que demandam estas terras extremenhas.
Passando pelo Largo da Sé repare-se na placa alusiva, que foi descerrada no dia 14 de Dezembro de 1963, conforme consta dum “Auto do Descerramento das Lápides Comemorativas da Homenagem ao Poeta ACÁCIO DE PAIVA”, cujo original se  encontra  no Arquivo Distrital de Leiria.
Detalhes pormenorizados sobre as origens deste prédio podem ser obtidos pela leitura do livro “Falando de Acácio de Paiva”, ed. Da Junta de Freguesia de Leiria, 2013. É de realçar o aspecto singular do prédio em si e da sua frontaria em azulejos “Viúva Lamego” presumivelmente pintados pelo pintor Pereira Cão, que viveu entre 1841 e 1921.
As figurações alusivas a Galeno (para sempre e popularmente ligadas a Sócrates) e a Hipócrates, que ladeiam a entrada da antiga farmácia, transmitiram ao prédio uma visibilidade ímpar na cidade de Leiria. É de relevar a sua notórea ligação ao enredo do grande romance de Eça de Queiroz, «O Crime do Padre Amaro», pois que era no seu rés-do-chão que estava instalada a «botica do Carlos», um centro de reunião e cavaqueira da sociedade Leiriense.
O “Carlos boticário” referido neste romance é comumente aceite que se inspirou na figura de José de Paiva Cardoso, pai de Acácio de Paiva.
Rematando esta crónica com uma particular saudação a Leiria nada mais apropriado que transcrever um soneto de Acácio de Paiva, um dos seus mais diletos filhos:

LEIRIA
I
A minha terra... Basta ser a tua
Para que mais nenhuma assim me agrade,
Na parte velha, a nossa mocidade
(A cegueira dos anos...) continua.

Ora me demorei vendo uma rua;
Talvez a mais antiga da cidade...
Conserva-te menina: ingenuidade,
Comedimento, a não ver Sol nem Lua.

Há bairros novos, casas de cimento,
Reparos brancos em ruínas, feira
mudada, restaurantes, movimento,

Outras línguas - política, suponho.
Recolhamos, afável companheira,
À capelinha rósea do meu sonho!

Até à próxima,

António Almeida Santos Nunes


2016/04/17

Acácio de Paiva e a comemoração, no Centro Escolar da Barreira, dos 153 anos do seu nascimento.


Foi com muita satisfação e entusiasmo que participei nesta excelente iniciativa do Centro Escolar da Barreira.

A ideia de adotar como patrono da Escola a figura ímpar do grande poeta, jornalista, dramaturgo, ACÁCIO de PAIVA, é de apoiar com todo o empenho por todos quantos sintam que a sua obra literária pode servir de elo de ligação das novas gerações à Poesia e à Literatura em geral.



















 David Teles a dizer "Cartas do Peru do Olival" de Acácio de Paiva.



 As netas de Acácio de Paiva, Filomena Paiva e Constança Paiva ao lado duma professora do CEB





























14 de Abril de 2016.
(Texto original no Facebook do Centro Escolar da Barreira - Leiria)
Assinalam-se, hoje, 153 anos do nascimento do Poeta Leiriense Acácio de Paiva. 

Neste contexto, o Centro Escolar da Barreira convidou a virem à escola familiares do autor: Constança Paiva e Filomena Paiva, netas do autor e António Nunes, sobrinho-neto por afinidade. Esteve, também, David Telles que declamou poesia do autor:
António Nunes falou sobre a obra de Acácio de Paiva e contextualizou o livro que ele próprio escreveu, intitulado: "Falando de Acácio de Paiva."
As netas falaram do avô, do legado que deixou, da casa do Olival e das recordações que tinham.
Trouxeram diferentes obras que falam de Acácio de Paiva: livros, fotografias, caricaturas, materiais publicados no jornal "O século" e até uma cópia de um manuscrito. 
Tudo serviu para enriquecer o conhecimento dos alunos que frequentam esta escola.
No final, ofereceram à escola cópias de alguns trabalhos do autor.
Tocou não só os alunos como também as professoras.