Mostrar mensagens com a etiqueta vida e morte. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta vida e morte. Mostrar todas as mensagens

2017/02/26

A minha tia Alcina foi a sepultar hoje

A minha tia Alcina, irmã do meu pai Daniel, foi a sepultar hoje, 26 de fevereiro de 2017. Esteve em câmara ardente na Capela de S. Salvador, no Casal-Ribafeita-Viseu. Tinha 91 anos feitos há pouco tempo, comemorados com todo o entusiasmo e festa. Deu-se o caso de que fazia anos precisamente no dia do aniversário da locomotiva da CP onde viajou e confraternizou com cobertura televisiva e tudo. Como se pode ver abaixo.
Paz à sua alma, minha tia. O seu irmão, meu pai, pressenti-o bastante comovido ontem e hoje quando estive com ele ao telefone.
Tive, neste funesto ensejo, ocasião de falar, pela primeira vez, com a Teresa Lourenço, a minha prima Teresa (Teresinha como a trata carinhosamente o meu pai), filha da minha tia, Ficou combinado que havemos de nos encontrar mais vezes. Já não é sem tempo, digo eu, que tenho andado muito afastado da minha família, a que ficou pela nossa terra, Viseu, primos principalmente. Vim para Leiria em 1966 e por cá fui criando raízes próprias... Já vai em 4 netos.
Adeus tia...





A minha prima, Teresa Lourenço. No Facebook Teresa Amores.

"A família de uma idosa que celebra este sábado 91 anos escolheu comemorar o dia a bordo da locomotiva a vapor que circula no Douro, que tem a mesma idade. E assim a viagem do comboio histórico entre a Régua e o Tua virou uma festa." - in SicNotícias 27.08.2016 22h12.


Placa identifica da locomotiva da linha do Tua. 


 O meu primo Tozé Lourenço.

Link do vídeo



2016/01/19

António de Almeida Santos e a velha máxima de Lacordaire: "entre o forte e o fraco, é a liberdade que oprime e a lei que liberta".




António de Almeida Santos (15-2-1926 – 18-1-2016)


Morreu um grande estadista, um escritor de causas concretas,  defensor de "Uma Nova Ordem Mundial", «simultaneamente política, económica e, por extensão social, fiscal e militar.» Na sua obra teve sempre presente a velha máxima de ´Lacordaire`: "entre o forte e o fraco, é a liberdade que oprime e a lei que liberta".
Tive oportunidade de viver ao seu lado momentos de luta política aquando da sua candidatura à Presidência da República e com ele ter trocado algumas palavras a propósito dos nossos nomes. 
Que um dia o seu pensamento e a sua forma de viver possam ser melhor compreendidos por alguns dos seus detratores...

2014/04/18

Gabriel Garcia Marquez



2012/10/21

Estou farto de Passos Coelho, de Seguro, de Portas - já em Agosto passado dizia MANUEL ANTÓNIO PINA

Coisas sólidas e verdadeiras - JN

Coisas sólidas e verdadeiras

Publicado em 2012-08-01

O leitor que, à semelhança do de O'Neill, me pede a crónica que já traz engatilhada perdoar-me-á que, por uma vez, me deite no divã: estou farto de política! Eu sei que tudo é política, que, como diz Szymborska, "mesmo caminhando contra o vento/ dás passos políticos/ sobre solo político". Mas estou farto de Passos Coelho, de Seguro, de Portas, de todos eles, da 'troika', do défice, da crise, de editoriais, de analistas!
Por isso, decidi hoje falar de algo realmente importante: nasceram três melros na trepadeira do muro do meu quintal. Já suspeitávamos que alguma coisa estivesse para acontecer pois os gatos ficavam horas na marquise olhando lá para fora, atentos à inusitada actividade junto do muro e fugindo em correria para o interior da casa sempre que o melro macho, sentindo as crias ameaçadas, descia sobre eles em voo picado.
Agora os nossos novos vizinhos já voam. Fico a vê-los ir e vir, procurando laboriosamente comida, os olhos negros e brilhantes pesquisando o vasto mundo do quintal ou, se calha de sentirem que os observamos, fitando-nos com curiosidade, a cabeça ligeiramente de lado, como se se perguntassem: "E estes, quem serão?"
Em breve nos abandonarão e procurarão outro território para a sua jovem e vibrante existência. E eu tenho uma certeza: não, nem tudo é política; a política é só uma ínfima parte, a menos sólida e menos veemente, daquilo a que chamamos impropriamente vida.

+

em tempo:
Manuel António Pina, onde quer que o seu brilhante espírito possa estar, decerto que me vai perdoar por ter acrescentado a foto à sua composição; ainda pensei em incluir também um gato, pensando que esta pretensa ligação esotérica, tivesse o significado que eu lhe quereria dar. Talvez não seja oportuno, havemos de voltar a escrever-nos...
@as-nunes

2012/10/19

Ainda não é o fim nem o princípio do Mundo...


Morreu Manuel António Pina

Jornalista, escritor, vencedor do Prémio Camões em 2011, Manuel António Pina morreu esta tarde no Porto, aos 68 anos. (in Antena 1)


Estarei ainda muito perto da luz?

Estarei ainda muito perto da luz?
Poderei esquecer
estes rostos, estas vozes,
e ficar diante do meu rosto?

Às vezes, como num sonho,
vejo formas como um rosto
e pergunto: «De quem é este rosto?»
E ainda: «Quem pergunta isto?»

E: «E com quem fala?»
Estarei ainda longe de Ti,
quem quer que sejas ou eu seja?
Cresce a noite à minha volta,

terei palavras para falar-Te?
 E compreenderás Tu este,
não sei qual de nós, que procura
a Tua face entre as sombras?

Quando eu me calar
sabei que estarei diante de uma coisa imensa.
E que esta é a minha voz,
o que no fundo de isto se escuta.

Manuel António Pina
1943-2012
in NENHUM SÍTIO (ou pp 105 TODAS AS PALAVRAS /poesia reunida}
-
Ainda não é o fim nem o princípio do Mundo...
um dos seus grandes livros de poesia

-
Andava eu de carro, no centro de Leiria, quando, inesperadamente, ouvi a notícia da morte de Manuel António Pina.
Chego a casa, em cima da minha secretária de trabalho, por acaso/coincidências premonitórias? tinha dois livros:
Os Herdeiros do Vento - Antologia Apócrifa: Joaquim Pessoa
Como Se Desenha Uma Casa - Manuel António Pina

@as-nunes

2010/11/01

A úlima morada


Cemitério de Sto. António do Carrascal - Leiria, hoje
Ainda que só amanhã é que seja o Dia («oficial») dos Fiéis Defuntos
In extremis, ao findar do dia de hoje, 1 de Novembro de 2010

A última morada



Chamam-lhe a última morada...


Lugar mórbido,
Lugar sinistro...


Flores e velas, para quê?
Para quem?
Por uma recordação?
Por pó?
Por nada?


Porquê a última morada?


O que é eterno,
Subiu à Eternidade.


O que é da terra,
Morreu, já não existe.


De quem a última morada?
De quem?
Se aqui já não há nada!

1/11/2007
Zaida Paiva Nunes
in "Talvez" - ed. Folheto 2008

-
Mesmo assim, lá fomos, eu e a Zaida, cumprir o ritual de deixar flores na campa do meu sogro, que morreu e foi enterrado em 1994...
Em tempo, nós, também, fizémos questão de lhe prestar uma homenagem que julgamos merecida, escrevendo o livro "José Teles de Almeida Paiva - 1917-1994 - Uma Vida, Uma Época, Uma Cidade", Ed. Folheto - Leiria.
Posted by Picasa

2010/02/10

ADEUS, LILI...


Nem de propósito.
Na véspera da morte
da Lili,
companheira de muito tempo,
floresce esta bela camélia
de seu nome D. Herzília de Magalhães,
no mesmo jardim em que
a nossa amiga balsâmea
Jaz enfim...
Lágrimas nossas...


Adeus Lili...

Um mês antes...
ainda a nossa gata
gozava
no seu deambular
pelo telhado
pelo relvado
pelo jardim
...


Aqui ficará para sempre
a sua presença
o seu miar feliz
Tudo o que nasce
é para morrer
Porque terá de ser assim?


Porque sim...
Posted by Picasa

2008/05/17

DEIXEM-NOS VIVER!...

São quase 6 horas da tarde. Lá fora o Largo da Sé, soa a vozes de jovens recém-licenciados. Afeérriaas para todos os gostos consoante o Curso, achei um piadão ao dos de "Educação Física"! O dia tem estado bonito, a convidar a andar a pé, pela cidade, pelo campo, a observar as árvores dos jardins e dos arruamentos e praças de Leiria. A sentir o vento que passa! E as flores e plantas silvestres? Um espectáculo que é uma dor de alma desperdiçar, tantas são as voltas que temos que dar aos papéis e às contas.
Apetecia-me fazer aqui um reparo ao Snr. Ministro das Finanças: O snr. já reparou na quantidade de TOC´s e outros profissionais que, neste fim-de-semana, estarão a trabalhar? A fazer o quê? A preparar as contas para apurar o mais correctamente possível os impostos sobre o rendimento que as pessoas e as empresas terão que pagar com referência às suas actividades profissionais e empresariais durante o ano de 2007. Pensássemos todos nós bem, seria necessária tanta papelada, tanta burocracia, tanta lei e Decreto-lei e Portarias e regulamentos e Decretos regulamentares e ofícios circulares a explicar como é que uma alínea dum artigo duma lei qualquer deve ser aplicada? Claro que não. O nosso país está a ficar empanturrado de tecnocratas, uns até por gosto, outros porque a isso são obrigados pela força das circunstâncias da teia da vida.
Quanto tempo da nossa vida desperdiçada com trabalhos fúteis, desnecessários, improdutivos!...
Houvesse vontade política e a tributação do rendimento seria muito mais facilitada. É que nem os Simplex vêm simplificar grande coisa. Para quê tanta informação? Para brincarmos ao cruzamento das bases de dados umas com as outras? E o cidadão que é apanhado no meio desse fogo cruzado, se não completamente cego, pelo menos muito míope, a quem lhe cativam a conta bancária por meia dízia de cêntimos, a quem lhe penhoram tudo o que tiver em seu nome, à mínima distracção?
Reorganizemos a vida em sociedade! DEIXEM-NOS VIVER!

Posted by Picasa

2007/04/13

É assim a Vida!

Morreu o Zé Manel

Vamos hoje, nós os familiares, amigos e colegas de trabalho, acompanhar o Zé Manel à sua última morada.
O Zé Manel tinha 57 anos de idade e trabalhava comigo há 16 anos. Um amigo que dificilmente se vai esquecer. Já se estava à espera deste desfecho...há uns meses. Acompanhámos o definhar inexorável da sua vida, sempre na secreta esperança (que nós sabíamos que também era a dele...) de que pudesse ocorrer um milagre, durante 6 meses... contados quase ao minuto...principalmente pela família.

Como em tantos e tantos casos, segundo MANDA a Natureza, Deus!
Nestas alturas a nossa memória como que se aviva. E recordamos! Recordamos muitas passagens das nossas vidas entrelaçadas pelas circunstâncias de cada momento.
Como andámos os dois na tropa, no tempo da Guerra Colonial em Moçambique, fins dos anos 60, tínhamos frequentes conversas sobre o que então passámos, especialmente ele. Parece que o estou a ver a calcorrear com o seu pelotão(**), debaixo de qualquer tempo, sob o olhar felino do adversário (aqueles que nos diziam na recruta e na especialidade, que era o IN(*) ), aqueles trilhos e picadas ao longo do caminho de ferro do Zambeze, a fazer a segurança daquela linha de comunicação e comércio, vital para os objectivos militares dos altos comandos, que ligava a cidade da Beira à Barragem de Cabora Bassa. A sede que, no decorrer das operações militares, lançados à sua sorte durante semanas, no mato, os obrigava a beber água nas piores circunstâncias imaginárias. Bem que levavam uns comprimidos para "tratar" a água mas nós bem sabemos a protecção que essa precaução lhes proporcionava. Os ataques de paludismo que teve de suportar, as mazelas que essa espécie de malária nos deixou no sitema hepático. Digo-o com experiência própria. Não integrei grupos operacionais de combate , mas sofri na pele os efeitos do clima, particularmente o paludismo. E não só eu, também a Zaida(3).

O Zé Manel morreu em consequência duma grave e irreversível doença do seu sistema hepático!
O José Manuel Solipa era um dos que faziam parte de Associações de ex-Combatentes, que têm continuado a luta pela defesa de alguns reconhecimentos do Estado pelas condições difíceis que vivemos em defesa da Pátria Portuguesa, aquela que Camões e Fernando Pessoa tão magistralmente cantaram e louvaram. Mas que também, como nós, os vivos (ainda!...), recriminamos pela falta de solidariedade para com aqueles que deram os anos áureos da sua juventude, quantas vezes a própria vida, em sua defesa!
Que, no mínimo, em honra dessas vidas sacrificadas, se olhe pelas condições de vida dos sobreviventes, uma grande percentagem a sentir problemas de saúde. E que cada vez somos menos, como podemos constatar todos os dias. Nem quero acreditar que seja esse o objectivo ao se adiar, sine-dia, várias questões reivindicadas pelas Associações de Ex-Combatentes.

Já agora, uma reivindicação básica: que se conte, para efeitos de aposentação e reforma (o Zé foi dos milhares e milhares que contribuiram financeiramente para o sistema de segurança social, sem qualquer retorno...) a bonificação do tempo de serviço militar prestado em zonas de intervenção a 100%. Aquelas em que morríamos em combate. E ficávamos feridos e estropiados! E não foram tão poucos como isso!
Muito mais(2) haveria para dizer da vida e do meu relacionamento com o Zé Manel!...

O resto ficará para outra altura...

Descansa em Paz, Zé Manel!...

-

(**) Foi Alferes miliciano
(*) IN - inimigo
(2) O Solipa foi jogador de alto gabarito no Sport Clube Leiria e Marrazes (1965 a 1969?)

(3) Pois é. Também esteve em Nampula, enquanto prestei parte do meu serviço militar. Apesar de tudo, fui um privilegiado, que era da Administração Militar.