Mostrar mensagens com a etiqueta tertúlias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta tertúlias. Mostrar todas as mensagens

2017/02/22

Tertúlia Artes e Letras na AAL - Leiria


No passado sábado, 18 de fevereiro de 2017, teve lugar nas instalações da Associação de Artes e Letras de Leiria, uma sessão de lançamento duma nova Tertúlia em Leiria.
Da iniciativa de Mário Marques da Cruz e com o apoio dum grupo de amigos, entre os quais me incluo, realizou-se uma reunião/tertúlia com o seguinte formato:
- Apresentação a cargo de Mário Marques da Cruz;
- Distribuição de folhas diversas para se auscultar da constituição da equipa de coordenação, dum grupo de jograis e dos contactos dos aderentes à ideia;
- Preleção sobre literatura infantil a cargo dos convidados Prof. Cristina Nobre e Paulo Kellerman (escritores); 
- Mário Marques da Cruz apresentou os propósitos destas Tertúlias: 1) Poesia por quem quiser e trouxer fotocópias para distribuir pelos presentes; 2) Apresentação de Livros (pelo autor, pelo editor...); 3) Debates e Comunicações (história, literatura,música, pintura, sociologia...);
- Leitura de poemas.
- Música de guitarra por Bea Sá Vieira (guitarra clássica) e Paulo Costa (guitarra, poema cantado e por si musicado);

Cerca das 18h30 deu-se por encerrada a sessão, ficando a coordenação inicial a cargo de Mário M da Cruz e José Brites.
-
O autor deste blogue tirou algumas fotos e gravou 3 vídeos ligeiros. Algumas destas fotos foram utilizadas no vídeo acima.


2016/11/07

Pedro Jordão: apresentação do seu livro «Textos cínicos de amargura variável" - 5 Novembro de 2016

AQVS- Movimento : Pedro Jordão: apresentação do seu livro «Textos cínicos de amargura variável" - 5 Novembro de 2016

***
***
O blogue acima, aqui "linkado", não deverá ter vida duradoura. Foi criado com a intenção de servir de plataforma de estudo e reflexão sobre os princípios e métodos científicos a usar tendo em vista um movimento que ficou em coma logo à nascença. E parece que não dá mostras de ser capaz de vingar.
A ver vamos...
Assim sendo, aqui deixo as fotos que eu tirei no decorrer do lançamento do livro do meu caro amigo e companheiro tertuliano dos "Serões Literários das Cortes", Pedro Jordão.
Conheço o Pedro Jordão desde há dois anos, talvez. Já tenho alguma dificuldade em me situar corretamente no tempo que vai passando a uma velocidade que, cada dia que passa, mais e mais me impressiona.
Ah, não o conhecem?! Então leiam o que o "Jornal das Cortes" já publicou. É só seguir o link.
Se o quiserem ouvir a apresentar o seu livro "textos cínicos de amargura variável", Ed. Textiverso - 2016 podem abrir um vídeo que eu próprio produzi. Ressalve-se, desde já, o amadorismo desta produção, como de tantas outras que já armazenei no meu canal do YouTube. 











2016/09/25

Jorge Estrela e a coleção de pintura do Museu de Leiria

O Museu de Leiria acolheu, pelas 14h00 do dia 24 de setembro de 2016, a Tertúlia "Recordar Jorge Estrela",
 Jorge Estrela - Foto retirada do FB de Inês Thomas Almeida, sobrinha de Jorge Estrela
(1944-2015)
uma iniciativa integrada nas comemorações das Jornadas Europeias do Património 2016, em que foi feita, às 17:00, a apresentação do catálogo da autoria de Jorge Estrela "Coleção de Pintura. Séculos XVI-XVIII”.
O programa teve início às 14:00, com receção aos participantes, seguindo-se a sessão de abertura, pelo vereador da Cultura da Câmara Municipal de Leiria, Gonçalo Lopes, às 14:15.

A tertúlia, às 14:30, com moderação de António Luís Ferreira (1)

, contou com as participações de Inês Thomas Almeida (2)



, com uma intervenção com o título “O meu tio Jorge Estrela”, 
Vítor Serrão (3)

, que abordou o tema “Jorge Estrela, historiador e crítico de arte”, 
Sylvie Deswarte (4)

, sobre “Jorge Estrela. História de um encontro, 2013-2014”,
e ainda Marisa Castro (5)

, com uma intervenção com o tema “Jorge Estrela, artista também na micologia”.
Após uma pausa às 15:45, intervieram ainda Martinha Henrique (6)

, sobre o tema “Jorge Estrela, História da Arte e Dermatologia

, Rui Ribeiro (7) sobre “Um jardim para Leiria segundo Rodrigues Lobo
, e António Marques da Cruz (8)

, que apresentou “Jorge Estrela, um esteta do vinho”.
A sessão de encerramento teve lugar às 17:00, pelo Presidente da Câmara Municipal de Leiria, Raul Castro

altura em que foi feito o lançamento do livro/catálogo “Pintura Séculos XVI – XVIII. Museu de Leiria”, de Jorge Estrela.



Capa do Livro/Catálogo "COLEÇÃO DE PINTURA - SÉCULOS XVI-XVIII" - do Museu de Leiria.
Jorge Estrela, ed. Câmara Municipal de Leiria, Produção, montagem e Conceção gráfica: Textiverso - Leiria, 2016.
Coordenador de edição: António Luís Ferreira.
Superiormente prefaciado pelo Prof. Dr. Vítor Serrão, Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Permitam-me que deixe aqui como que um instantâneo da pertinência da seguinte interrogação com que o seu autor e cidadão ativo nas causas leirienses, Jorge Estrela, se abalançou a tamanha obra: "O que aconteceu às imagens pintadas em Leiria ou para Leiria durante os seus quase mil anos de existência?
-
Desde 1993 que Jorge Estrela se vinha dedicando ao estudo, restauro e classificação da colecção de pintura do Museu de Leiria, que acabou por dar origem à exposição “A Nova Vida das Imagens. Pintura em Leiria, Séc. XVI/XVIII”.
---
Notas:

Sob a forma de notas complementares vou tentar, à medida que para tal disponha de elementos, passar para este blogue referências aos intervenientes ativos desta tertúlia: 
- 2) Impossível  ficar indiferente ao seu emocional mas justo apelo a toda a plateia e às instituições administrativas (particularmente a Câmara Municipal de Leiria) para que o Jardim das Almoínhas, em curso, venha a constituir-se numa merecidíssima homenagem ao seu tio e fique com o nome "Jardim Jorge Estrela". De facto só quem não conhecer a vida e obra de Jorge Estrela é que não aceitará entusiasticamente esta proposta. Como tal deve este apelo ficar, desde já. Para ser tida em conta na devida oportunidade, em última instância,  na Assembleia Municipal de Leiria.  

nota à posteriori: (in FB de Inês Thomas Almeida)
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153034594598953&set=a.51481503952.49047.535148952&type=3&theater


3) A dado passo da sua intervenção, o Prof. Dr. Vítor Serrão falou dos Grafitos Medievais do mosteiro de Alcobaça, descobertos e primorosamente descritos por Jorge Estrela:



4) in Preguiça:
... (entrevista a Jorge Estrela):
 3. Diz-nos um autor que descobriste ultimamente e tens pena de não ter descoberto mais cedo.
A obra de Sylvie Deswarte, sobre Francisco de Holanda e a arte do Renascimento. Tive o prazer de conhecer a autora há pouco tempo e fiquei fascinado pelo rigor dos seus estudos. Desde então, li muitos dos seus livros e artigos, o que tem sido facilitado pelo facto de a autora me ter enviado grande parte dos seus trabalhos, que são peças fundamentais da cultura portuguesa.
7) Jorge Estrela fez vários estudos sobre a paisagem portuguesa e sobre jardins, incluindo o projecto “Um jardim segundo Rodrigues Lobo” para a Câmara Municipal de Leiria.







Alguns dos diapositivos apresentados pelo Arqº Rui Ribeiro no decorrer da tertúlia, que me permiti fotografar e deixar aqui publicados por me parecer que o autor não me lavará a mal esta ousadia tendo em conta o interesse flagrante da sua partilha pública.
-
Uma parceria Rui Ribeiro/Jorge Estrela, ganhou o concurso público para a reconversão do Mercado de Santana, em Leiria, já construído e inaugurado em 2003.
-
8) Em síntese eis o que António Marques da Cruz disse e também mostrou em oportunos e históricos diapositivos:
"O interesse epicurista do Jorge pelo vinho tornava o tema numa conversa de pendor intelectual, onde a estética do gosto e da apresentação eram procuradas. A sua colaboração nos raciocínios sobre o vinho ultrapassava o mero aspeto da imagem e abrangiam o valor e a moda como conceitos que informam a atividade artística. Conhecedor da História Mundial do vinho, era igualmente um conhecedor dos vinhos de Leiria, inclusive para a génese da CVR da Alta-Extremadura." 







Alguns dos muitos trabalhos da autoria de Jorge Estrela para os vinhos "Marques da Cruz".

-
Mais fotos em Leiriagenda

2016/01/26

David Teles - conversa de café na Trestúlias - Leiria




Realizou-se no dia 23 de Janeiro, pelas 15h15m no Museu Leiria –Convento de Santo Agostinho (Rua Tenente Valadim, junto à Cruz Vermelha) - mais uma sessão de “Café com Livros”
Desta vez damos lugar a “gente da nossa terra” e estaremos à conversa com David Teles.  Este nosso conterrâneo  divide-se entre a escrita e o teatro: tem vestido várias personagens, ensaiado várias escritas, tem dado voz a muitos poetas e escrito a sua própria poesia. David Teles irá certamente enriquecer este nosso espaço de encontro, de conversa, de livros, de poesia e de outras surpresas sempre improváveis… J Não percam!
Agradecemos desde já  que gostem da página e partilharem a informação. 



https://www.facebook.com/Trestulias



Muito obrigada.



Cumprimentos Trestulianos



Trêstúlias com(vida)
        Cristina Barbosa, Lídia Delgado e Rosa Neves
-
Estivemos (eu e a Zaida), presentes. A Zaida participou, como protagonista, na sessão de conversa e homenagem (O David não gostou que eu lhe chamasse assim) mas esta é a verdade, A pretexto duma conversa de café, esta Tertúlia prestou-lhe uma merecida homenagem, que eu, amadoristicamente mas com o meu melhor empenho, aqui deixo,em vídeo.

FOTOS:
 Eu a dizer umas coisas... Florbela Ferreira ao meu lado. Uma boa amiga.

 A minha prima Lurdes (Leiria origem do pai Sr Sousa (padaria Sousa na Rua da Graça, há já muitos anos...), eu e o Dr. Augusto Mota (fomos colegas nos anos 60 na Escola Ind. Com. de Leiria).


A Zaida a dizer um poema do David Teles.

Ver mais fotos em https://www.facebook.com/joaquim.cordeiro.pereira?fref=photo
e a seguir:








2015/02/15

OLAVO BILAC - Uma sessão em "Serões Literários das Cortes"


             Carlos Fernandes     António Nunes     e Luís Vieira da Mota

António Nunes a iniciar a sua apresentação em diapositivos dum ensaio sobre Olavo Bilac.

2015/01/26

RUI PATO e Francisco Fanhais em Leiria vs problemas de Censura na atualidade...

---


(Vídeo produzido pelo autor do presente Post no dia 24 de Janeiro de 2015, no decorrer da Tertúlia no MiMO em Leiria)

Estive presente na Tertúlia no MiMO, junto ao Castelo de Leiria, em que esteve presente RUI PATO numa altura em que a Administração do «Facebook» fechou a sua conta, por motivos desconhecidos.
Pode-se acompanhar uma página de apoio a Rui Pato aqui https://www.facebook.com/pages/APOIO-A-RUI-PATO/380708555437003?pnref=story

"... em 1962, já só a guitarra acústica de Rui Pato se ouvia ao lado da voz de José Afonso, e assim continuaria a ser até 1968. ..." p. 19 do livro de João Carlos Callixto «CANTA, AMIGO, CANTA - NOVA CANÇÃO PORTUGUESA (1960-1974) . Ed. Âncora - 2014 . Por alturas da CENSURA do Facebook de RUI PATO...
-
Também gravei mais este vídeo. A qualidade de produção e do operador de câmara é a de um amador. Mas penso que vale a pena divulgar...



Francisco Fanhais a cantar "Canção de Embalar" (José Afonso). Rui Pato à guitarra.
João Callixto é o autor do livro acima referido.

em edição... ainda (27jan2015)


Gosto · Responder · 9 · 24/1 às 1:10

Jose Leitao Pesquisando....Blogues..... Antes de tudo e de mais, o Rui Pato foi meu companheiro de brincadeiras de infância no Bairro S. José, em Coimbra, futuro Bairro Marechal Carmona, actual Bairro Norton de Matos, no Calhabé.

Por causa dele, cheguei a partir a cabeça do meu irmão mais velho à pedrada.

Rui de Melo Rocha Pato nasceu em Coimbra, no dia 04 de Junho de 1946, filho do jornalista-fotógrafo Rocha Pato, chefe da delegação de Coimbra de "O Primeiro de Janeiro" e, mais tarde, do "Diário Popular".

Pertence à "geração de viragem" da "canção de Coimbra", tendo sido o acompanhante à viola de José Afonso, por escolha deste, na primeira fase da sua carreira na balada, de 1962 a 1969.

Rui Pato tinha apenas 16 anos quando acompanhou José Afonso em "Menino de Oiro", "Tenho Barcos, Tenho Remos", "No Lago Do Breu" e "Senhor Poeta", em 1962.

A dupla com José Afonso foi interrompida pela PIDE em 1970 quando a polícia política impediu que Rui Pato seguisse para Londres para gravar "Traz Outro Amigo Também", na sequência da crise académica de 69.

(Em vão o esperei em Março desse ano em Londres. Em sua substituição foi oBóris, Carlos Correia - nota do signatário).

Rui Pato conheceu José Afonso através do Pai, que era amigo de Zeca. Rocha Pato doou a sua correspondência com Zeca ao Centro de Documentação 25 de Abril, da Universidade de Coimbra.

Numa ida a Coimbra, no início da década de 60, José Afonso mostrou aos amigos um outro tipo de música, sem o "espartilho da guitarra de Coimbra".

Tratava-se de uma grande liberdade rítmica, que necessitava apenas de uns leves acordes de viola para sublinhar o poema que era o mais importante da canção. Coube a Rui Pato executar esses leves acordes de viola.

Mas Rui Pato não se limitou, exclusivamente, a acompanhar José Afonso. Entre 1960 e 1971 foi também um dos principais acompanhantes de Adriano Correia de Oliveira.

Reputado pneumologista, Rui Pato é hoje presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Coimbra, EPE.

Este ano, surpreendeu os amigos em confraternização na Praia de Miracom uma vibrante interpretação à viola de "Apache", um clássico dos Shadows.

Foi-lhe então perguntado se, à margem de José Afonso, alguma vez espreitou o ié-ié e a guitarra eléctrica, ao que respondeu que chegou a fazer parte de um conjunto, os Beatnicks, que fazia o tradicional percurso dos bailes de estudantes.

Mais recentemente, Rui Pato confessou que já não tem guitarras eléctricas:

Embora já tenha passado na adolescência por outros tipos de guitarras, actualmente não tenho nenhuma eléctrica, nem tão pouco uma acústica. Só tenho guitarras clássicas. Aqui convém esclarecer que a guitarra de Coimbra, a de fado, assim como a guitarra de Lisboa, não têm nada a ver com a guitarra de que estamos a falar.

Estamos a falar de "violas", ou seja, guitarras clássicas. Neste aspecto, uma guitarra clássica só tem alguma categoria se fôr fabricada por especialistas (lutiers), com madeiras raras que estiveram em estufa a secar mais de uma dezena de anos .

Os grandes mestres da sua fabricação são espanhóis (Ramirez, Rubio, etc) , mas existem alguns grandes fabricantes na América do Sul, incluindo o Brasil, onde há fabricantes excepcionais (Di Giorgio).

Claro que existem fabricantes industriais de boas guitarras feitas em série, muito mais baratas, mas... não têm nada a ver...

Tenho actualmente três guitarras (violas): uma Odemira, da fábrica Luso-Espanhola, fabricada em 1967, uma do Luís Filipe Roxo, fabricada em 1980, e uma (a melhor de todas), de um fabricante de Braga , o Jorge Ulisses, feita em 1999.

Quando fôr rico, quero ter uma Ramirez, do modelo topo de gama!

PS - Há precisamente 10 anos - 29 de Setembro de 1998 - recebi uma missiva de Rui Pato, onde referia a nossa amizade de calções nas praças da nossa infância.


Colaboração de Luís Pinheiro de Almeida

2014/03/04

Crónicas dispersas (noutro blogue) sobre Alcanena e o Grupo de Poesia e Cultura da sua Biblioteca Municipal

Em vésperas do Centenário da Fundação do Concelho de Alcanena: 8 de Maio de 2014.


http://caminhosentrelacados.blogspot.pt/search/label/encontros%20de%20poetas

Seguindo este link podem consultar-se as várias reportagens que eu escrevi em anos passados... noutro dos meus blogues.




Para que conste destas minhas memórias sobre Alcanena e os meus companheiros do Grupo de poesia e Cultura da sua Biblioteca Municipal.

2014/02/03

Cyrano de Bergerac - ensaio cá em casa



O meu amigo de longa data, Mário Marques da Cruz, é um dos mentores mais dinâmicos da Tertúlia Literária do Clube Recreativo de Soutocico - Leiria.
De modo que os desafios que vai lançando aos seus companheiros são constantes.
Estamos na fase de ensaiar uma representação teatral de Cyrano de Bergerac. Começámos a delinear a metodologia a seguir para ensaiar a nossa representação. Claro, o Mário é o encenador. No vídeo (uma montagem, que é o resumo de 8 minutos de gravação) digo que ele é o "ensaiador", mas não, ele é a alma e mais que a alma da equipa que se propõe levar à cena um sketch deste drama...

2014/01/25

Tertúlia do Clube Recreativo do Soutocico - 24 Janeiro 2014