Mostrar mensagens com a etiqueta teatro. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta teatro. Mostrar todas as mensagens

2014/06/21

ABRIL, 40 ANOS DEPOIS -Grupo Cénico 60+ do IPL



O Grupo Cénico 60+ integra uma área de atividades extra-curriculares do Instituto Politécnico de Leiria, que iniciou funções precisamente no 2º semestre do ano letivo que agora está no seu termo.
Este Grupo teve como mentor e grande impulsionador o Mário Marques da Cruz.
-
nota importante:

Esta peça foi integralmente (com pequenos cortes para mudança de "bobine") gravada em vídeo.
Está disponível para todos que o queiram, em suporte à escolha do "cliente", a pedido através do mail nunes.geral@gmail.com ou tm 917579460.
O vídeo, aqui apresentado, é uma amostra do que foi este excelente trabalho dos nossos seniores. 
O realizador pede, desde já, perdão por quaisquer anomalias técnicas que possam ser detetadas, por três razões principais:
1- Foi o 1º vídeo de um espetáculo completo feito utilizando tripé e câmara ainda em fase exploratória das suas totais capacidades; 
2- Por esquecimento (a idade não perdoa... também já cá cantam 60+) não se preparou com a devida antecedência, um guião para este trabalho;
3- O operador de câmara foi, também e simultaneamente, produtor e realizador. 

2014/06/20

Grupo Cénico 60+ do I.P. Leiria - representação da peça "40 anos de Abril"



2014/03/22

Cyrano de Bergerac - representação teatral de um fragmento da obra literária mundialmente reconhecida

 Cyrano (mmcruz) e Christien (antónio(eu))
 Cyrano a sussurrar ao ouvido do Christien para este dizer do seu amor pela Roxane...



A Zaida representou (e a preceito, manifestou-se a crítica) a Roxane
(fotos de Mara Simões de "A Roda" aroda.crds@gmail.com)

Tudo se passou no Clube Recreativo de Soutocico, sob a orientação cénica de Mário Marques da Cruz... O serão teve lugar no dia 17 de Março de 2014 e teve variadíssimas intervenções, dentre as quais sobressaem a apresentação de José Marques da Cruz sobre gastronomia e poesia... e muitas mais... música ... poesia ... etc etc   leiam "A Roda" (2), revista mensal da responsabilidade do Clube...

nb.: 
- quero ver se ainda aqui volto com mais material.  "À bientôt"...
(2)- Pode-se ler o nº 2 seguindo este link A Roda-  3ª edição (nota particular pp 5)

2014/02/03

Cyrano de Bergerac - ensaio cá em casa



O meu amigo de longa data, Mário Marques da Cruz, é um dos mentores mais dinâmicos da Tertúlia Literária do Clube Recreativo de Soutocico - Leiria.
De modo que os desafios que vai lançando aos seus companheiros são constantes.
Estamos na fase de ensaiar uma representação teatral de Cyrano de Bergerac. Começámos a delinear a metodologia a seguir para ensaiar a nossa representação. Claro, o Mário é o encenador. No vídeo (uma montagem, que é o resumo de 8 minutos de gravação) digo que ele é o "ensaiador", mas não, ele é a alma e mais que a alma da equipa que se propõe levar à cena um sketch deste drama...

2013/12/01

Registos de 2006: VIVER em LEIRIA: O QUINÉ Faleceu...

Nota:

Dado que o meu blogue de referência considero eu que seja este, "DISPERSAMENTE", vou passar a inscrever aqui notas remissivas de temas de utilidade reconhecida e que estão noutros dos muitos blogues que tenho espalhados pela Internet.

-
VIVER em LEIRIA: O QUINÉ Faleceu...: Actor leiriense Quiné faleceu ontem. Joaquim Manuel Martins de Oliveira (Quiné), deixou ontem o mundo dos vivos, ao que tudo indica vít...

2012/05/31

Júlio Dantas na vida de Acácio de Paiva


Nas minhas buscas incessantes à procura de informações sobre factos ou personalidades que tenham alguma ligação, ainda que ténue, com Acácio de Paiva (tenho-o evocado insistentemente nestes últimos tempos), encontrei o livro "Júlio Dantas - Uma vida*Uma Obra*Uma Época" da autoria de Luis de Oliveira Magalhães, ed. Romano Torres, de 1963.

Comprei-o há uns anos num alfarrabista de feira das velharias, por 1 €uro, em Monte Gordo.


Acontece que a vida de Acácio de Paiva se cruzou com a de Júlio Dantas em várias ocasiões, particularmente, nas suas atividades literárias, jornalísticas e do Teatro de Revista do princípio do século passado.
Oliveira de Magalhães era também crítico teatral e amigo pessoal de Júlio Dantas.


Quer Júlio Dantas quer Acácio de Paiva  escreveram em parceria com Ernesto Rodrigues, várias peças de teatro, designadamente, "A Santa Inquisição" em março de 1910 e "Sol e Dó", em 1909.
De relevar a importância da ação de Ernesto Rodrigues na renovação do Teatro de Revista na fase de transição para a I República, particularmente através do movimento "A Parceria" (1912-1926).


A partir de Julho de 1916 Acácio de Paiva substituiu Júlio Dantas na "Crónica do Mês" na célebre e histórica revista "Illustração Portugueza", mantendo, em simultâneo a responsabilidade pela manutenção de "O Século Cómico" como seu Diretor, incorporada na IP por necessidades de gestão do papel que escasseava por causa da I Guerra Mundial.

2012/05/16

Acácio de Paiva e a sua veia de contador de fábulas e historietas, sempre em verso


 Acácio de Paiva, insigne poeta Leiriense, o maior humorista dos poetas da época, nasceu no Largo da Sé, em Leiria, na casa de frontaria de ajulejos «viúva lamego» (dados a revelar confirmam esta tese), bem visível, talvez dos edifícios típicos da cidade de Leiria mais fotografados pelos visitantes da cidade.


Nesta casa nasceram os Paivas que deram grande projeção à cidade de Leiria, Acácio de Paiva, Adolfo de Paiva, José Teles de Almeida Paiva e os seus filhos José e Zaida Manuela Teles e Paiva.

Insisto nestas notas sobre Acácio de Paiva porque me tenho dedicado a esta missão de não o deixar esquecer, com todo o meu empenho, de há muitos anos a esta parte, por motivos de relacionamento familiar é certo, mas também pela admiração pelo seu labor, que se tem vindo a incrementar à medida que mais e melhor o vou conhecendo .
A foto ao lado é uma reprodução de um trabalho monográfico e de levantamento da árvora genealógica de os Paivas e os Teles, superiormente elaborado pelo seu bisneto, Luis Maria de Sampaio e Paiva Camilo Alves (espero não estar a cometer nenhuma inconfidência grosseira), a quem agradeço toda a sua simpatia, amizade e colaboração.


Os «LUSÍADAS»

………..O professor Barradas
Percorreu com os olhos pequeninos
………..As diversas bancadas
Onde estavam sentados os meninos
E ao  número quarenta (que teria
………..Treze anos, talvez,
………..E era quem mais sabia)
Preguntou, animando-se: - “Quem fêz
«Os Lusíadas»? Diga-me de-pressa!”
Levantou-se o pequeno, atrapalhado,
Pôs-se a coçar na frente da cabeça,
………..A fitar o sobrado
………..E, por fim, respondeu,
Tremendo como ao vento a folha e o vime
Ou como se o culpassem de algum crime:
………..- «Não fui eu! Não fui eu!»
Ficou mestre Barradas furioso!
Saíu da aula, quando deu a hora,
…………E, encontrando o Pedroso
Que era pessoa muito sabedora,
Contou-lhe aquele caso miserando:
………- «Desgraçado país!
«Ora imagina tu que , preguntando,
…………«Há pouco a um petiz,
…………«Aluno do Liceu,
«Quem fizera os Lusíadas, a bêsta
………..«Pôs-se a coçar a testa
………..«E disse: Não fui eu!»
………………- «E então?
Ponderou o Pedroso com voz doce.
»Quem sabe se o pequeno tem razão?
………..«Pode ser que não fôsse…»

Acácio de Paiva
In “FÁBULAS E HISTORIETAS
Ilustrações de Vasco Lopes de Mendonça
Pp 213/214
Ed. INP – Diário de Notícias  - 1929

Mais se pode consultar neste blogue e também no "Leiria", que muito tem publicado no que concerne à intensa atividade literária de Acácio de Paiva no Século Illustrado dos princípios do séc. passado.
NOTA:
Dia 31 próximo, às 21horas, conversa no átrio do Mercado de Sant´Ana, em Leiria que vai girar à volta de  uma encenação teatral tendo como ponto de partida  uma carta na qual se alude ao grande poeta leiriense. Pretende-se  homenagear o Leiriense, poeta e embaixador de Leiria, duma forma não convencional nem ortodoxa. O mais amena possível, uma conversa à mesa do café. (ver aqui). 
@as-nunes  
Posted by Picasa

2012/04/12

Acácio de Paiva: Um pedido ...à Lua

.
UM PEDIDO...À LUA

As damas sempre são muito invejosas!
Como o Sol se ocultou um dia destes,
por causas, com certeza, poderosas,
sabidas só nas regiões celestes,
.......resolveu Dona Lua
no domingo fazer a mesma graça,
escondendo algum tempo a face nua
.......por trás duma caraça.
Podia fazer isso de surpresa,
.......mas como é muito linguareira
não sei a quem o disse, de maneira
......que em toda a redondeza
já toda a gente sabe da partida
e eu mesmo, que não sou de inquirições,
......conheço as intenções
......da dita delambida.
Bem. Visto que há trinta anos (mais talvez)
lhe tenho celebrado em versos fartos
......a doce palidez
e seu rosto de prata e até os quartos,
vou pedir-lhe a fineza assinalada
de ela mudar aquela estranha cena
para outra noite mais apropriada:
Como terça que vem falo à pequena,
......à minha namorada,
das onze às onze e meia, era excelente,
reservar para então a mascarada,
......porque provavelmente
temos ambos à porta do pomar
algumas expressões de amor contido
e muito me convinha que o luar
......não fosse intrometido.
Se tem havido eclipse quarta-feira
......àquela mesma hora, 
......não trazia eu agora
uma nódoa muitíssimo trigueira
nas alturas da sétima costela
......feita pela ponteira
da nodosa bengala do pai dela!


Acácio de Paiva

1863 - 1944
- Insigne Poeta Leiriense (Altíssimo Lírico e o maior Humorista da Poesia Portuguesa)
- também colunista e crítico literário dos melhores jornais e Revistas
da sua época 
(DN, Século, Ilustração Portuguesa, outra imprensa espalhada
pelo país)
- Diretor de "O Século Cómico"
- Autor e tradutor de múltiplas peças de Teatro
- Autor do "Fado Liró" em parceria com Nicolito Milano (mais tarde cantado e gravado em disco por Fernanda Maria)
@as-nunes

2007/10/25

Teatro D. Maria Pia - Leiria

Há uns meses atrás escrevi um artigo no semanário "Correio de Leiria" sobre um dos momentos mais conturbados da história sócio/cultural desta cidade de Leiria. Que já vem de tempos idos, a história começou nos finais do séc. XIX. As gerações mais recentes, provavelmente, nem ideia fazem do seu enredo e das consequências futuras para a a cidade e região limítrofe, tendo em conta que ficámos sem Teatro durante muito tempo e que uma referência incontornável da nossa história despareceu, completa e definitivamente, da paisagem do centro da cidade.
Estou a falar do que foi um Teatro, que existiu em Leiria, e que poderia e deveria ter sido preservado. O que, desgraçadamente, não aconteceu. Por obra e graça da estupidez e ganância dos homens.
Antes de continuar. Reparem nas fotos, uma da actualidade, outra de 1956 (espólio pessoal). O local é sensivelmente o mesmo. O aspecto exterior do Teatro não era nenhuma obra de arte. Mas o interior era deslumbrante. Ainda hoje, se tivesse sido preservado, seria um dos espaços teatrais mais emocionantes que teríamos em Leiria. É a sua história que me proponho contar-vos.
Vou desenvolver este tema durante alguns posts, que irão sendo publicados à medida das minhas possibilidades temporais.
- Índice de entradas de minha autoria sobre este tema na internet :
Posted by Picasa