Mostrar mensagens com a etiqueta rio lis. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta rio lis. Mostrar todas as mensagens

2013/06/06

Nenúfares no rio Lis


junto ao moinho do rouco
às cortes
hoje...

logo a seguir
rio abaixo
passaram 
por mim
dois patos
que às vezes
se veem a voar

e são lindos de olhar...
também...

@as-nunes

2013/04/01

Ponte das Mestras- Leiria. O problema de sempre quando o rio Lis bazofia um pouco mais


Em pleno dia de Páscoa.
Os habitantes da zona da Ponte das Mestras, alí à travessia para a Barosa, preocupados com o evoluir do caudal do rio Lis, em dia de muita chuva, caudal acumulado, a limpeza do rio descuidada...

As obras lá estão anunciadas. Que obras?!...

@as-nunes

2012/11/11

Pela enésima vez...


O castelo de Leiria, perspetiva da margem direita do rio Lis, quem estaciona junto à frente do antigo Hospital D. Manuel de Aguiar.
Ontem passei por aquela rua, ia apressado, mais ou menos à mesma hora em que hoje, com mais vagar, parei para captar esta imagem, só possível nesta altura do ano. 
Pela enésima vez, talvez até já se estejam  a aborrecer comigo, cá deixo este registo, de qualquer modo na melhor das minhas intenções, que só quero aproveitar este ensejo para mostrar este recanto de puro encanto, nesta cidade de Leiria que me habituei a admirar, agora num misto de amor e de nostalgia. 
Cada vez frequento menos a cidade, por motivos vários, e isso provoca-me dor e um sentimento de enorme ingratidão para com a terra que me chamou em 1966... por telegrama...
E eu, jovem de 20 anos, meti-me a caminho, diretamente de Viseu, na carreira dos Claras, numa viagem de 7 horas, o meu pai lá me emprestou o seu relógio, para eu aparecer na Escola Industrial e Comercial de Leiria, dentro do horário combinado com o diretor para me apresentar ao serviço...

Sou capaz de estar a contar esta minha aventura pela enésima vez neste blogue...

Mas o tempo dá, quando menos se espera, um salto para trás.
Este filme é muito antigo e as suas imagens são devolvidas à realidade em momentos mágicos e hipnóticos como este...
-
E a chanceler Merkel que aí vem fazer revista aos seus súbditos...e o que mais dói, é que dela estamos cada vez mais dependentes.
Que é feito do teu orgulho, da tua história, da tua antiga glória, Portugal? 

E não me venham dizer que é só lamúrias! Que fazer mais, senão renegociar a nossa colossal Dívida Externa? Rapidamente e com competência e sagacidade, onde estão os nossos governantes, não podem servir só para nos atolar em impostos e mais impostos?! ...
@ as-nunes

2012/09/24

2012/09/05

Acordai ! ...

 Na margem direita do rio Lis
Na margem esquerda do rio Lis

Hoje à tarde, no marachão do rio Lis ... em Leiria.

Estavam uns 34 graus centígrados bem medidos, mesmo ao fresco da margem do rio e à sombra dos plátanos. Não corria uma aragem que fosse. 

A solução para os nossos problemas financeiros não se pode resumir a uma boa sesta. 
Acordemos! 
O snr. PM/ppc ainda hoje voltou a dizer que não podemos descansar, que não pode prometer nada, quem sabe não teremos que pagar mais impostos (ai vai vai, essa história de menos escalões do IRS é para quê?), etc etc, ao mesmo tempo a aproveitar para mandar uns recadinhos para o paulinho das feiras, então e os feirantes vão também ter que emitir faturas via internet em tempo real? lá se vai a popularidade por água abaixo, não acordem o snr que está ferradinho no sono 
(ou anestesia de ministro dos negócios estrangeiros?!)
... de consciência tranquila (?!?)... 

2012/08/23

Rio Lis, roubaste-me a palavra


Rio Lis és um ladrão
roubaste-me a palavra
vê lá tu que o Marachão
levou consigo a minha lavra

Levou mas já a vou recuperar
rio abaixo, no aqueduto
logo a seguir a semear
nos campos o seu produto
-
Mesmo assim estou-te grato, 
pelas imagens bucólicas 
e serenas com que te refletes 
na retina dos meus olhos! ...
@as-nunes

2012/08/11

LEIRIA: Rota dos Escritores em Leiria

 Mais pormenores se podem consultar seguindo este link da Câmara Municipal de Leiria.

Lá em cima, a caminho do Castelo, já na designada Av. Ernesto Korrodi, uma lápide evocativa da presença de Miguel Torga em Leiria. O nome desta avenida invoca outra figura ilustre que marcou indelevelmente esta cidade, com os seus múltiplos e  geniais trabalhos  de arquitetura, nos princípios do séc. XX.
 No jardim Luís de Camões, junto à estátua ao Pastor Peregrino, uma figura intimamente ligada à obra de Francisco Rodrigues Lobo.
O eterno rio Lis...


Com ponto de encontro no Centro Cívico: Edifício Praça Eça de Queiroz e Largo da Sé, teve lugar em Leiria, a 2ª Rota do Escritores em Leiria.

Fez-se uma visita guiada por 28 pontos relacionados com a história da cidade entrelaçada na vida em Leiria dos seguintes escritores portugueses:

Francisco Rodrigues Lobo
Eça de Queiroz
Acácio de Paiva
Afonso Lopes Vieira
Miguel Torga
(seguir links que reportam a estes escritores e à sua ligação a Leiria)

Foram cerca de três horas, a percorrer a pé, praticamente todo Centro Histórico de Leiria. Pura magia!

E falou-se dos escritores. E falou-se muito do significado desses pontos onde parávamos para ouvir as informações que nos eram prestadas e, não raramente, participávamos em amenas cavaqueiras a propósito do interessante tema que nos juntou. Pessoas de fora de Leiria estavam em maior número. À volta de 30.
Foi  muito gratificante ter conversado com essas pessoas e trocarmos impressões sobre tão ilustres escritores e a sua ligação pessoal com a cidade de Leiria.


Os guias, funcionários da Câmara de Leiria, na área da Cultura, foram inexcedíveis em dedicação e profissionalismo. É justo deixar aqui os seus nomes: Isabel Brás e Miguel Narciso.



Podem-se ler muitos poemas e outras referências seguindo links neste blogue e/ou através da consulta das etiquetas por temas.

-

Bom fim de semana a todos quantos aqui aportarem.
Amanhã, Domingo, vou até Viseu...

@as-nunes

2012/06/02

Leiria - marachão, um recanto de encantar. Não o deixemos morrer!...





Esta faia de Leiria
de tons púrpura sem par
sem ela não haveria 
este recanto de encantar.

Um conjunto harmonioso
liquidambar, padreiros e tílias
enlaçados no Lis mavioso
retiro de luz em vigílias.

A ELE me seja permitido
aqui pedir uma só bênção
que finalmente seja proibido
um´árvore morrer d´arrancão.

E se assim tiver de ser
o ciclo de vida findar
que se faça reviver
este recanto de encantar.

A este recanto de encantar já lhe foram amputadas duas árvores: 
- Uma outra faia púrpura
- Uma Melia azedarach (escultural, sem igual)

Vejam-se as fotos que aqui já tive tempo de deixar em registo, neste link
Não o deixemos morrer!...

2012/05/25

Pescadores, Caçadores e outros Mentirosos

A ideia do título não é, de modo algum, meter no mesmo saco os Pescadores, Caçadores (desportivos)
e os Mentirosos/Aldrabões que nos complicam a vida, autênticos predadores implacáveis...

Não é por maledicência, digo eu, mas ocorreu-me, nesta oportunidade, registar aqui esta associação de ideias.
Vinha eu de Monte Redondo, de regresso duma missão de trabalho, decidi seguir ao longo do Rio Lis e dei com a Pista de Pesca Vale do Lis, ali perto de Amor, na freguesia da Carreira. Achei um piadão àquele painel em que se brinca com quem passa para chamar a atenção para aquele empreendimento, simples, de mero aproveitamento dum recurso natural para atrair turistas com gosto pela pesca desportiva de rio.
Em tempos da minha Juventude, também me gabava de que era um bom pescador, que tinha artes de fazer boas pescarias, acabei mesmo por entrar em variadíssimos concursos de pesca desportiva. Um deles tem uma história muito engraçada, algo caricata quiçá, mesmo assim digna deste apontamento. 
Como se pode ver no conjunto que representa a frente e verso duma medalha que me foi atribuída na data indicada (1977, já?! parece que foi ontem!) eu integrei uma equipa que ficou em 1º lugar. Éramos três. A mim calhou-me, por sorteio, um pesqueiro que não me deixou apanhar uma boga pequenina que fosse. No entanto, os meus companheiros de equipa pescaram que se fartaram. No final, ao peso, ganhámos o 1º lugar. Logo, tive direito à medalha, guardada religiosamente no escaparate das minhas peças raras e de recordação. 
A verdade é que a equipa funcionou. Um por todos e todos por um!

E os outros, que, provavelmente, nem à pesca desportiva se dedicam? 
(um parêntesis só para que não os deixemos fugir do anzol)
Os que são mesmo aldrabões e ladrões, dispostos a dar cabo da vida dos seus compatriotas?
Se calhar ainda vão receber condecorações e medalhas no 10 de Junho, quem sabe!?...

2012/03/21

Leiria do Lis e das árvores que o ladeiam

 
 

mais um dia mundial
agora à poesia dedicado
minha inspiração frugal
não me traz nenhum recado


nas minhas veias só correm
imagens de tudo o que vêem
e dessa forma só fazem
versos que delas provêem

antónio s nunes
@as-nunes  

Posted by Picasa

2011/12/19

Sentido obrigatório


Estamos quase a entrar no Inverno de calendário. Margem esquerda do rio Lis, em Leiria, na zona do Arrabalde, junto à Piscina Municipal.
Não resisti a tirar esta foto, por um lado, para mostrar o aprazível circuito de manutenção dos cidadãos, construído ao abrigo do programa Polis (há 6 anos, mais ou menos), por outro, pela curiosidade de ter apanhado em flagrante delito um ciclista.
É que os sinais indicam que devia virar à esquerda, mas o senhor seguiu em frente, pela mesma via dos peões. Diga-se, em abono da verdade, que nem sei mesmo se algum dos ciclistas que por ali passeiam, reparará sequer naquele sinal de advertência/trânsito.

O que é que acham? Se um polícia, daqueles que andam de caderninho na mão, todos pressurosos, a fiscalizar veículo a veículo, os automóveis com tickets fora de tempo ou mesmo sem eles nos variadíssimos locais de estacionamento, pagos ao cronómetro, na cidade, observassem esta manobra, multavam o ciclista?

Não me parece, o alvo está bem definido. O automobilista é uma das principais fontes de receita para o Orçamento da Câmara e do Estado em geral. 
@asnunes

2011/11/14

O rapazito, um gato bravo




Quem diria, o «rapazito», com este seu ar de carneiro mal mortoé um gato duma bravura, que atinge, por vezes, as raias da loucura!

Sim, senhoras e senhores!

Estava-se a preparar uma chuvada das antigas, como se pode adivinhar pela foto superior, tirada aqui de cima do alto dos Lourais, na freguesia da Barreira. O que vale é que a água segue direitinha, a alta velocidade, rua abaixo, para o rio Lis.

Que não chova neste ritmo e com esta violência, como aconteceu hoje, durante muito tempo, quando não ainda o viaduto sobre o vale do Lis (IC36) acaba por ir água abaixo!

É que o rio Lis corre mansamente, romanticamente, por entre ulmeiros, salgueiros, freixos e choupos enquanto não é provocado. Quando a chuva é muita e cai forte tembém o Lis se pode tornar bruto que nem 7 carradas de mato!
@as-nunes

2011/09/28

Leiria numa encruzilhada...

Do Alto dos Capuchos podem fazer-se observações impressionantes. As transformações radicais que toda esta zona tem sofrido nos últimos anos! Uma boa parte deste monte e dos vales dos rios Lis e Lena deviam ter sido mais protegidos, do ponto de vista ambiental e paisagístico. O próprio património histórico desta área está em risco iminente. Inclusive, o antigo Convento dos Capuchos e a respectiva capela, que também já foi Hospital Militar, uma relíquia que devia ter sido preservada, tem os seus dias contados. Infelizmente, já não tenho qualquer dúvida.

O que se pode ver nesta foto: O IC2, que já não é IC2 visto que o transformaram numa Auto-estrada, a A19, num percurso limitado (com certeza para nos porem a pagar mais uma portagem, não tarda nada), uma ponte/rotunda aérea, ligações para a Marinha Grande, para a  A19 ou IC2 como se lhe queira chamar (por enquanto), mais acima (ao lado esquerdo, já fora da área da foto), mais rotundas aéreas, umas quantas, seguidas, para encarreirar as pessoas/automóveis para o Shopping, IC36, A8, A17, A1, mais acima ainda, tudo numa extensão de 1 km, outra rotunda aérea por causa do IC9 (Nazaré-Tomar, passando por Fátima, está claro, diz-se também que para ajudar a desviar o trânsito do IC2 que passa ao lado do Mosteiro da Batalha), enfim uma encruzilhada de vias rodoviárias, mais parecendo uma teia de aranha.
O que se passa? Havia necessidade de tantas vias rodoviárias? Com este índice de concentração? Impressionante! 
Existe algum plano revolucionário para o desenvolvimento rápido e sustentado de toda esta zona de Leiria? 
Tiveram-se na devida consideração todas as condicionantes ambientais imprescindíveis ao equilíbrio ecológico e à biodiversidade de toda esta zona? Desflorestações, movimentações impressionantes de terras, viadutos a ocuparem o Vale do rio Lis e do Lena (por aqui também anda o IC36, que vai ser a via de circulação externa de Leiria e que vai levar as pessoas/automóveis de e para a A1 e a A8 e a A19/IC2) é o que se vê por todo o lado!
Por este caminho, nós, os habitantes de Leiria, vamos passar a viver como se estivéssemos numa urbe betonizada e alcatroada por tudo quanto é sítio. 
Será que a nossa vida vai melhorar significativamente?!  
O conjunto arquitectónico, duas rotundas e uma ponte sobre o IC2/A19, que liga o centro de Leiria (ali na zona do célebre Estádio de Futebol que foi a leilão há dias, ainda não sei em que é que deu tal iniciativa) ao IC2/A19, que vai entroncar no IC36, que vai ligar a A8/A17 à A1 e que também vai passar por cima do IC9, que passa a 300 metros do IC36, do IC2 que vai passar a ser a A19 (é aquela que se vê na foto com um camion/camião de frente vermelha), que também vai direitinha ao Shopping, que desencaminha a população de Leiria, que deixa a cidade de Leiria às moscas, que também tem andado em muitas obras de requalificação para atrair as pessoas, que vão mas é para o Shopping, porque lá até têm onde estacionar o pópó de borla, o tempo que quiserem, de modo a poderem lá sentir-se como se estivessem na cidade, porque lá se vende de tudo e até se come e bebe e vai-se ao cinema e dá para marcar encontros que é mais prático e, às vezes, há lá espectáculos e muitas coisas mais, uff...
Uma maravilha!...


Ao descer do alto mais alto do Alto dos Capuchos (onde até houve em tempos não muito recuados, uma capelinha que deixaram destruir), ainda se consegue ver a silhueta do Castelo de Leiria.
Aleluia!...
-
Se calhar sou eu, 
Produto da Natureza,
Que já não suporto 
Tanto betão 
E tanto alcatrão
E tanta desflorestação!...


Pois...
Como conciliar a crise económica, financeira e social que assola e amedronta os povos de Portugal, da Europa e do mundo (o terreno, uma partícula ínfima no Cosmos, apesar de tudo!...) com a necessidade imperiosa da preservação ambiental deste Planeta Azul, cada vez menos azul e mais negro?
@as-nunes
Posted by Picasa

2011/09/22

Extrema ocidental da Europa: o Outono à porta...

Vale a pena ver o vídeo em écran panorâmico. As imagens podem parar-se segurando o cursor com o rato.
Informação por defeito.


.....................................................
....................................................PAIXÃO


....................................Folhas caídas
....................................Caídas dos ramos
....................................Folhas caídas
....................................Caídas no chão
....................................Folhas que voam
....................................Folhas que bailam
....................................Num doce bailar
....................................E o vento d´outono
....................................É delas o par
...........................................
....................................E dançam  e dançam
....................................O vento e as folhas
...........................................
....................................Vermelhas  que lindas!
...........................................
....................................Será da estação?
...........................................
....................................Ou estarão coradinhas
....................................De pura paixão?
...........................................
...........................................      Zaida Paiva Nunes
Precisamente há um ano atrás coloquei neste meu blogue o seguinte post:
Outono com Fernando Pessoa
Até é uma vergonha. Este blogue com um cabeçalho a apelar à inspiração de Fernando Pessoa, tão pouco se lhe tem dedicado!... Falta imperdoável!...

@as-nunes

2011/08/12

Leiria: ao longo do rio Lis


clique para ampliar

Salve, rio Lis!


Cá vamos andando!...




.../
Lá ouvi, com a mesma suavidade
Que me ensinou as rimas hesitantes
Da minha descuidada mocidade
O Lis, tão deleitoso como dantes;
O de Rodrigues Lobo e D. Dinis
Que, se em verso amoroso, meigo e brando,
Prenderam corações, foi porque o Lis
Os ensinou, baixinho, murmurando.
/...


Acácio de Paiva
14/4/1863-29/11/1944
nasceu em Leiria, no Largo da Sé, nº 7


@as-nunes


Posted by Picasa

2011/04/01

Leiria: os plátanos do rio Lis


Leiria, Rio Lis 
Os plátanos a renovarem o seu hábito... 
Na margem esquerda do Lis há Tílias, ainda não se nota o noviço das folhas que estão a brotar...

Hoje não me apetece falar da crise, de quem é a culpa do estado a que este país chegou, de bater mais no ceguinho, de fazer coro com as hordas ululantes dos que só se mostram quando vêm que a onda é de feição!... 
Que cada um faça a sua parte!...

2011/03/30

Lourais - Barreira - Cortes: D´além e d´aquém rio Lis




Ares Primaveris 
olhar gaiteiro 
Lourais do rio Lis 
silêncio inteiro 


Sair de casa 
caminhar 
observar 
pairar o olhar 
apoiado na asa


 dum milhafre sobre o vale do rio mais bucólico e inspirador de poetas que há no mundo!... 
-
Como que ouvimos, 


Francisco Rodrigues Lobo 
Afonso Lopes Vieira 
Acácio de Paiva 
José Marques da Cruz 


e outros 
tantos!...
-
Quem diz 
que este país
dobrada a cerviz
está por um triz!?...

2011/02/28

Leiria-Cortes-Barreira: Quinta de Vale de Lobos e obras do IC36

Aspecto geral dos edifícios que integram o núcleo central da mítica Quinta de Vale de Lobos, na área de Barreira, Cortes, Leiria. Esta fotografia foi tirada desde a localidade de Vidigal, que abarca o vale do Lis, na zona onde está a ser construído um viaduto, parte integrante do IC36, sobre as terras, das mais férteis e de relevante interesse ambiental de toda a bacia deste rio.
Continuamos a ver, do lado esquerdo, a Quinta de Vale de Lobos. Sobressaem, no entanto, as imponentes obras do viaduto que liga a encosta da Quinta, atravessa o vale do Lis e prossegue, do outro lado do rio, na encosta da margem direita, na zona do Vidigal-Norte. Por entre os pilares do viaduto ainda se vislumbram umas construções, que pertencem à Quinta de S. Venâncio.
Mais um desbaste na zona florestal, de terrenos de cultivo de primeira qualidade em nome do desenvolvimento económico. Toda a área onde se veem terras movimentadas recentemente constituía uma floresta à base do carvalho robles (Quercus robur).


A páginas 39 do livro RECORTES do Jornal daí – vol II (1), lê-se, a propósito dos “Moinhos das Cortes em 1906”, da autoria de Carlos Fernandes, o seguinte:
“...Por conseguinte, em 1922, pelo menos uma propriedade na Ponte do Cavaleiro tinha a designação de “D. Ignez”, indiscutivelmente uma reminiscência muito forte da senhora que, nos finais do século XVIII, tinha três moinhos a laborar nas Cortes. E a sua importância seria de tal monta que o seu nome se confundia com o nome da povoação ou, pelo menos, com o daquela propriedade que passou a domínio da Quinta de Vale de Lobos e de que, em 1922, era proprietário o engenheiro Roberto Charters d´Azevedo, filho do Visconde de S. Sebastião, das Cortes. O mesmo Roberto Charters que é o autor da planta da bacia do rio Lis de que falámos no início deste apontamento.”

Deixo aqui este registo, em complemento das notas que se seguem, fundamentadas no que Ricardo Chartres d´Azevedo deixou escrito no livro “Villa Portela”(2), a que já me referi, quando abordei o tema da Quinta de S. Sebastião.
Esta questão da Quinta de Vale de Lobos já faz parte do meu longo processo de aprendizagem da história de toda esta zona, já que, no início da primeira década deste século, fui membro da Junta de Freguesia da Barreira e, na altura, fomos confontados com o problema de delimitação das áreas territoriais das freguesias de Barreira, Cortes, Leiria e Golpilheira. Muito se falou na Quinta de Vale de Lobos, se ficaria na Barreira ou em Leiria. Acabámos, por consenso, em estabelecer que ficaria a pertencer à freguesia de Leiria e que, entretanto, a freguesia da Barreira, junto ao Quartel do RAL 4, passaria a ser delimitada pela Rua José Marques da Cruz. E assim passou a constar.

1) Ed. Do “Jornal das Cortes – mensário regional” de 2007
(2) ler "Villa Portela", ed. gradiva, Ricardo Charters d´Azevedo, p. 83 e nota 62:
Das diversas propriedades que o 1º Visconde de S.Sebastião teve nos arredores de Leiria, destacamos a Quinta de Vale de Lobos (nota 62) e, ...
Em 1868, era seu feitor António Pereira, Cf. A.D.L., paróquia das Cortes, Casamentos, 1815-1869, fl. 99v.

Posted by Picasa