Mostrar mensagens com a etiqueta região de leiria. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta região de leiria. Mostrar todas as mensagens

2017/01/21

José da Silva Fabião. Recordando uma vida dedicada à fotografia de e sobre Leiria. No dia da sua morte

(clic para ampliar e ler)

In "Região de Leiria" de 31-12-2008
Estou a republicar todos os registos que fui deixando nos meus vários blogues.
Este está no original publicado aqui  . 
Neste dia em que o Snr. Fabião nos deixou e vai a caminho das estrelas...
----

José da Silva Fabião morreu hoje, 21 de Janeiro de 2017.
Esta fotografia foi originalmente publicada no Facebook da sua neta, Sara Fabião, filha do Paulo Fabião.
---
Fotografias e digitalizações publicadas por outro leiriense, também grande amante da fotografia, Fernando Rodrigues, no seu Facebook:




José da Silva Fabião e a sua esposa, em frente ao "Turismo" em Leiria. Há 30 anos atrás, talvez...
---


José Fabião. Partiu o homem que sonhava todos os dias com fotografia


José Fabião deixa-nos aos 97 anos, depois de fotografar até aos 80. O homem que sonhava todos os dias com fotografia parte, mas a sua marca é indelével em Leiria: ele é, e continuará a ser, "o" fotógrafo da cidade.
Em 2015, na última entrevista ao REGIÃO DE LEIRIA, para o projeto "Encontro de gerações", assumiu:
"Eu fui fotógrafo para sempre. Todos os dias sonho com fotografia. É uma coisa horrível, mas é verdade!”.
Em 2015, José Fabião recebeu o Galardão Afonso Lopes Vieira para o prémio Carreira. Para sempre será recordado como "guardião" de imagens e memórias de Leiria.
Deixa um vasto espólio fotográfico, que documenta décadas da vida da Leiria do século XX, e que está entregue aos cuidados do m|i|mo - Museu da Imagem em Movimento de Leiria.

2013/04/14

ACÁCIO de PAIVA - 150 anos do seu Nascimento


Numa altura em que o jornal de Leiria em que chegou a colaborar com inúmeros poemas sob o pseudónimo "Belarmino", "O Mensageiro", está em vias de ser encerrado, fechando-se um ciclo de 100 anos de atividade editorial na promoção dos valores católicos e da Região de Leiria, talvez seja oportuno publicar, aqui, nesta data comemorativa, o seguinte soneto:

Fazer um Jornal

Em muita gente é crença radicada
Que o trabalho que faz o pensamento
É simples, é brinquedo dum momento,
Que vale muito pouco ou mesmo nada…

Falsa suposição! É empreitada
Como, às vezes, erguer um monumento.
E a pena, à mão que a põe em movimento
Pesa mais, em geral, do que uma enxada.

Sabeis lá o que a folha mais barata
Representa de esforços, de canseiras,
De esgotamento que enfraquece e mata!

Crede: é mais fácil rebentar pedreiras,
Cavar bacelo ou carregar batata
Que escrever duas linhas sem asneiras!

Acácio de Paiva
Nasceu em Leiria (Casa “Pharmácia Paiva”)  em 14-4-1863
Morreu na sua casa do Olival ( Casa das Conchas) em 29-11-1944

-

em tempo:
Pode ler-se uma notícia completa no semanário "Região de Leiria" de 11 de Abril de 2014, pp 12, acerca do novo projeto editorial em substituição dos jornais da diocese de Leiria-Fátima, "O Mensageiro" e "A Voz do Domingo".

@as-nunes

2013/02/08

Antes das cidades já havia pessoas?

Igreja/Santuário de N. Sra. da Encarnação . Leiria: ao anoitecer de ontem.
De cima da ponte que liga a zona do hospital de Sto. André aos Pousos, em Leiria. Ao anoitecer. Ontem

Ora bem. Aqui estou eu, à espera que mudem os pneus do meu carro. E, pelos vistos, vim mesmo na hora. Pelos menos dois dos pneus já estavam nas lonas. Têm andado a gastar mais por dentro, pelo lado do pneu que não se nota à vista ligeira e de rotina.

Os pneus nas lonas. Tal como nós, portugueses. Uns mais que outros, claro.
Veio-me à ideia o que se tem passado com a gestão da coisa pública. Do país, este país desgraçado pela atuação desgovernada e corrupta dos políticos que nos têm calhado nas rifas das eleições ditas democráticas, mas que pouco têm de democrático, na perspetiva de que as pessoas que são escolhidas pelos partidos acabam por nos ser impostas através do  sistema eleitoral vigente em que não se dá oportunidade a que pessoas independentes e reconhecidamente competentes e honestas se possam apresentar a sufrágio universal.
Do país e das cidades, como é o caso de Leiria, nitidamente em situação de rutura financeira e com as pessoas a deixá-la às moscas. Com o comércio completamente à deriva e as lojas a fecharem umas atrás das outras, o centro histórico degradado ao extremo.

Tendo aqui à mão o semanário "Região de Leiria", de que sou, aliás, assinante, dei com uma crónica na página de "Opinião" que me chamou particularmente a atenção. Por sinal a crónica desta semana tem como finalidade introduzir o tema que vai passar a ser abordado pelo seu autor(*). E fiquei expectante.

Muito sinteticamente e em jeito de slogan, o autor inicia o seu texto desta semana, reproduzindo um grafiti que recentemente encontrou numa das artérias centrais duma cidade aqui perto. Que diz assim:

"Antes das cidades já havia pessoas?"

Apesar do aparente absurdo desta pergunta, o autor propõe-se, com esta crónica, trazer regularmente à discussão pública, "propostas de leitura e interpretação do lugar do urbano e do papel das cidades no mundo contemporâneo."

Parece-me uma boa ideia.
Vamos a isso, cá estaremos para o ler e acompanhar. O tema promete.
-
E pronto. Os pneus já estão montados. Espero passar a sentir-me mais seguro a conduzir, nos próximos tempos. Assim possa acontecer o mesmo com os políticos que nos governam. Com a mudança de Orçamento plurianual para a UE parece que até nem vamos sair muito desfavorecidos, pelo menos no que respeita aos fundos de coesão para a Agricultura. 
Assim venham a ser geridos com o rigor que se exige. 

(*) João B. Seara
Professor do Instituto
Politécnico de Leiria

@as-nunes

2012/07/05

A Soma das PARTES, em LEIRIA



A 18ª e última conferência do ciclo «A Soma das Partes» realizou-se em Leiria na passada 2ª Feira no Auditório do Estádio Municipal. 
Sempre vai servindo para alguma coisa.

Estive presente neste fórum e gostei. 
Uma iniciativa muito interessante e que só peca pela manifesta falta de participação cívica das pessoas em geral, neste caso, dos Leirienses em particular. É confrangedora a fraca participação de Leirienses para se discutirem assuntos de seu particular interesse, e no enquadramento do todo nacional. 
Tendo em conta que a visibilidade deste evento é muito relevante é, de facto, inaceitável que não surjam mais entidades intervenientes no processo de desenvolvimento desta Região de Leiria. Depois queixamo-nos que nos votam ao esquecimento e se tomam decisões pelo poder central, político e económico, e Leiria seja sistematicamente marginalizada.

Temos de tecer os nossos maiores encómios a esta laboriosa iniciativa e louvar a excelente parceria TSF, OTOC, DN e JN por tão brilhante atividade, que, aliás, percorreu os vários distritos do país durante cerca de dois anos, aflorando temas de interesse de cada região.

O lema destes fóruns foi, aliás, bem elucidativo:
A Soma das Partes.

2009/02/13

Venha mais um...

MSN, hoje:
Vitor diz:

Os 62 terão que ser uma grande fase na vida de um homem. Porque o objectivo é garantir um percurso em crescendo. Porque é absolutamente imperioso não perder a capacidade e a ousadia de sonhar.

Vitor diz:

Então, de imediato, o desejo de um grande aniversário. Com a família, que sabemos ser o que temos de mais precioso. Um abraço muito fraterno do teu irmão Vítor.

Respondi:

Obrigado, irmão. Abaixo a m. da crise!… e dos que a motivaram com a sua ganância desmedida!…

-
Já agora, tomem lá mais esta dose:

Acabei de dar a minha semanal vista de olhos pelos semanários de Leiria.

Destaco três títulos:

1- Empresários da região investem milhões em tempos de crise;

2- Crise, por Carlos André;

3- Tenho medo, por Sílvia de Oliveira;

Um desses semanários até o assinava, isto é, pagava 30 e tal euros e recebia-o, normalmente à segunda-feira quando a sua distribuição é (e se justifica que o seja) à sexta-feira de cada semana. Há já uns tempos que não o assino, que é o mesmo que dizer que estou em maré de poupar em tudo o que me for possível. É um facto que as receitas financeiras familiares estão em decadência mas as despesas essas não há maneira de acompanharem a “deflacção” que é uma consequência lógica da lei básica da economia: os preços andavam numa subida louca que não dava para perceber. Num ápice, após notícias de alarme da finança e do Imobiliário nos Estados Unidos, as pessoas desataram a fazer contas à vida. E concluíram que o seu balanço estava negativíssimo. Que andavam a assumir compromissos em casas e carros e viagens e férias sem se prepararem com estudos de risco e económico/financeiros. Que isso era só para as empresas. Para as grandes empresas, principalmente. Resultado. As pessoas começam a pensar na vida que levam. Logo a seguir começam a divulgar-se vigarices na alta finança. E não só. Vigarices que atingem números impensáveis. E começamos a admitir que andávamos iludidos. Que nos andavam a aldrabar. E perdemos a confiança nos bancos. E nas instituições. E no sistema político em que assenta a organização administrativa, económica e social das Nações. E começamos a gastar menos. Muito menos. E a economia de consumo começa a ressentir-se. Sem vendas as empresas entram em crise, a reduzir a sua capacidade de produção. E começam pelo elo mais fraco. Os trabalhadores. Despedimentos e mais despedimentos. Se o consumo já estava em decadência mais essa tendência se reforçou. E entrámos num ciclo infernal. Sem dinheiro não há consumo. Sem consumo não há vendas. Sem vendas não há produção. Sem produção não se justificam as empresas. Sem empresas não há trabalho. E o dinheiro? Onde está o dinheiro que devia andar em circulação? Muito desse “dinheiro” nem sequer existia. Era constituído por bits a circularem nas bases de dados, estas que até já comunicam umas com as outras automaticamente. Às vezes até já autonomamente. Que fazer? Só ouvimos o eco da nossa interrogação. Ninguém parece ter soluções para esta crise. E vem o medo. O medo do que vai ser a nossa vida e a dos nossos filhos e a dos nossos netos, no futuro. Futuro, cada vez mais próximo e negro. E ficamos pessimistas… Começamos a colocar em causa todas as teorias económicas e sociais em que assentava a vida do Homem na Terra. E esta sensação amarga alastra-se como uma pandemia. Como foi possível chegar a uma situação como esta?
Temos que ir à luta. Temos que estar cada vez mais atentos e de nos darmos conta do que se passa na realidade. No entanto, não nos esqueçamos que o sonho comanda a Vida!...

2007/10/12

Mourinho em campanha de Marketing! Por Leiria!

Há que aproveitar! Campanhas destas custariam milhões!

"Mourinho protagonizou, numa entrevista concedida à BBC – já emitida pela televisão portuguesa – e disponível, sob vários formatos, na internet, uma crítica pouco simpática à cidade onde esteve como treinador há seis anos: “Pela primeira vez deixei a minha mulher e filhos em Lisboa. Não estavam comigo porque [Leiria] não era um bom sítio para os levar comigo”. Esta publicidade negativa corre mundo. Serão já milhões as pessoas que ouviram da boca do treinador mais mediático que Leiria não é o melhor sítio para se viver com a família. Miguel Sousinha, presidente da Região de Turismo Leiria/Fátima, relativiza o impacto negativo destas declarações e replica: “Vale a pena convidar Mourinho para visitar Leiria”. Ora aí está uma excelente manobra de marketing que pode jogar a favor de cidade, entende Paulo Faustino, leiriense, docente universitário e investigador na área da comunicação e do marketing. Era uma oportunidade para mostrar o que Leiria tem de bom. ...
... Adelino Mendes, adjunto do governador civil de Leiria, lembra o poder de compra, a segurança, a dinâmica e o desenvolvimento de Leiria para reforçar o convite: “Leiria está em mudança e, quem sabe, após a conclusão das obras do Estádio Municipal, Mourinho não regressa… Não para treinar, mas para passear com a família. A cidade, o concelho e a região terão muito gosto em recebê-lo!”. "

2007/08/27

A Beleza acontece quando tu SORRIS...


Estamos, eu e a Zaida, de férias. Daquelas em que temos conseguido não nos submeter a horários nem a programas previamente empacotados, cheios de papelinhos com cores e cheiros tropicais e outros que tais.
Temo-nos deixado levar pelas ondas do Tempo, horário, meteorológico, humorístico ou mais casmurrento.

Vivemos, de há uns bons anos a esta parte, num local de que gostamos. A decisão de virmos viver para estes lados foi inicialmente motivada pela minha paixão pelo Radioamadorismo. A propagação das ondas hertzianas tem campo aberto para se espraiar por esse Mundo fora…


A Nascente, o vale do Rio Lis - nascido naqueles lugares encantados das Cortes, terra de muito labor compensado embora com boas produções, terra de muitos e bons poetas, de muita cultura e de muita História – a Sra. do Monte a retribuir os nossos olhares, por vezes duma forma enigmática, como que a lembrar-nos a sua presença majestosa mas cúmplice.

..
A Poente, a continuação da encosta do lado de cá do Rio, terrenos em forte declive, mas de bom cultivo e pastoreio, uns restos de pomar, de vinha e de pinhal. Lá ao cimo pressente-se a estrada de S.S. Salvador que leva, depois de se passar pela Carvalhinha e pelo Pinhal Verde, à sede da freguesia, a Barreira; com a sua Igreja Matriz dedicada ao SS Salvador, o Solar do Visconde e respectivo jardim exótico e secular, o seu casario à volta das antigas casas Senhoriais dos Guerras e dos Oliveira Simões, vinhas e pomares a perder de vista…
O dia amanhece lindo, a confirmar o quão volúvel o Tempo se nos está a apresentar, como que a enviar-nos avisos, alertas! Para nos animar, talvez, o Sol brilha e encanta. Faz-nos Sorrir…e que nos faça pensar, também.
Fiz umas experiências com a tele-objectiva, coisa simples, da minha inseparável máquina fotográfica.
É uma pequena amostra desta sessão fotográfica matinal que vos quero mostrar, agora, aqui…
Bom dia!
Façam favor de ser Felizes!
Sorriam!...
- 19h00 -

Ao fim da tarde não resisti a voltar a fotografar a vista panorâmica que se abarca desde a varanda virada a nascente. Só que desta vez as Cortes e toda a Sra. do Monte (o monte sobranceiro que detém esse nome por lá ter sido fundada a capelinha da Sra. do Monte, a que só poderá ser reconhecida na foto - lá no alto - por quem conhecer este sítio) apresentam-se com a luminosidade espantosa da luz do Sol poente.

E pensar, por associação de ideias com os momentos dramáticos que os Gregos estão a viver neste preciso momento, que todo aquele Monte, encostas e outras áreas desta zona, arderam completamente num fogo terrível, em 2005. Posso garantir-vos que, nessa altura, eu e outros populares, ouvimos e vimos o diabo à solta. Lufadas de ar negro de fumo, ruído cavo, medonho, abafado que sufocava, atravessou o vale e, como que nos queria atemorizar, a nós que estávamos do lado de cá. As populações das Cortes e arredores juntaram-se aos bombeiros e lutaram que nem uns bravos, na defesa dos seus bens e do seu próprio habitat.

A vida neste Planeta Terra, alvo de tantas e tão vis cobiças de toda a ordem, bem precisada está que sejamos capazes de reflectir no melhor caminho a seguir, sem rancores, sem guerras, sem ganâncias desmedidas.

Precisamos urgentemente de reencontrar a alegria de Viver e SORRIR!
Posted by Picasa (clicar nas fotos para ampliar)

2006/11/24

Os Blogues anónimos e os outros

=Hoje há dois posts=

O semanário “Região de Leiria”, saiu hoje com uma extensa reportagem sobre “o mundo dos blogues”.
Em síntese, essa reportagem pretende relacionar os blogues com cinco chavões a que deu especial ênfase: Denúncia, calúnia, propaganda, política, boato. Reportagem essa que é apresentada em 1ª página com a foto/montagem que se reproduz a seguir.
Não me vou alongar em grandes considerações acerca dos possíveis objectivos mediáticos daquela reportagem. De qualquer modo a ideia com que fiquei foi que se pretendeu passar para o público uma ideia menor do que é o mundo dos blogues.
Só para vossa orientação, caros leitores, aqui deixo alguns sub-títulos desse trabalho:
Blogues agitam política local;
Autarcas negam acompanhar os novos fóruns electrónicos;

Partidos atentos;
Do blogue para o tribunal;
Foi você que pediu um boato?;
Anonimato não é uma garantia absoluta;
Padre blogger sem papas na língua;
As caras por detrás dos blogues.
Referindo-se aos blogues da região constata-se que foram referenciados:
Ourém- 6; Pombal – 5;Porto de Mós – 5; Leiria – 1; Batalha – 3
Como se pode ver, Leiria enquanto concelho, capital de Distrito, só lhe descortinaram um blogue.
Eu sei que há mais…