Mostrar mensagens com a etiqueta poesia (ensaios). Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta poesia (ensaios). Mostrar todas as mensagens

2017/08/18

João Luís Barreto Guimarâes - "São essas coisas Poesia no seu estado mais puro"

Coisas que tenho vindo a publicar no "Facebook" mas que quero guardar no meu blogue:


Já tinha ouvido falar
João Luís Barreto Guimarães
Quetzal poesia a saldo
Como é possível, questiono eu?
Um transformador da realidade em poesia
Disponível para olhar e falar das coisas que vê
Conseguir que nós o leiamos enquanto vive
Os instantes que acontecem a cada momento
Conseguir reter as coisas que olhamos
Que sentimos
Com as palavras que nos ocorrem
No momento
´São essas coisas
Poesia
no seu estado mais puro`
as-nunes
15 de agosto 2016

2017/02/01

Eu como reflexo do meu avô materno




Há dias,
Fátima, Santuário
Paz, aparente ou não, Paz
Amém
...
A minha mãe olha-me e diz
como és parecido com o teu avô
não diz expressamente - o meu pai -
eu já sei que é a ele que se refere
não tenho nenhuma foto desse meu avô
pelos vistos não será preciso
a minha serve...
olho-me nesta foto
como estou a ficar parecido
com a minha mãe
os sinais na cara são os dela
os olhos não, esses são do
meu avô...
Gostava de te ter conhecido avô
só me lembro do ambiente
soturno e melancólico
do dia em que tu morreste...
mais nada ...

fev2016
as-nunes

--------
nota:
O meu avô materno chamava-se Aurélio Gonçalves, segundo está a deixar escrito o meu pai.




2017/01/17

POesia (ensaios menores). Dizem que não é poeta quem quer

Foto de António Nunes.


Dizem

Que não é poeta quem quer
Pois eu penso que
Ser poeta é sentir a poesia
Só isso…

Agora apetece-me ser poeta
Apetece-me escrever como
Um poeta
Que já não sabe a idade
Ora se sente jovem e não pensa
Ora pensa antes de escrever
E começa a fazer contas de cabeça

Agora não quero fazer contas
Olho a serra
Aquela linha divisória
D´Aquém e d´Além

A verdade é que essa fronteira
Vê-se
Ali bem em frente
olhando para sudeste
Naquele ponto ínfimo
E no infinito do seu próprio olhar

Como um ´sniper`
Aponto
Preparo-me para disparar

Espero o momento
Mais um pouco de espera
O vento tudo muda
Neste horizonte de janeiro

Agora que já estou a escrever
Olho novamente aquele ponto
Na mira outro momento
A foto fixou outro instante
Um momento irrepetível
Infinitamente intangível
Que me deixou assim
Sensível…

as-nunes
3jan17

2017/01/07

A serra em poema


Dizem

Que não é poeta quem quer
Pois eu penso que
Ser poeta é sentir a poesia
Só isso…

Agora apetece-me ser poeta
Apetece-me escrever como
Um poeta
Que já não sabe a idade
Ora se sente jovem e não pensa
Ora pensa antes de escrever
E começa a fazer contas de cabeça

Agora não quero fazer contas
Olho a serra
Aquela linha divisória
D´Aquém e d´Além

A verdade é que essa fronteira
Vê-se
Ali bem em frente
olhando para sudeste
Naquele ponto ínfimo
E no infinito do seu próprio olhar

Como um ´sniper`
Aponto
Preparo-me para disparar

Espero o momento
Mais um pouco de espera
O vento tudo muda
Neste horizonte de janeiro

Agora que já estou a escrever
Olho novamente aquele ponto
Na mira outro momento
A foto fixou outro instante
Um momento irrepetível
Infinitamente intangível
Que me deixou assim
Sensível…

as-nunes
3jan17

2017/01/01

Poema de Carlos Pires com música de Pedro Jordão, Ilustração de Fílvio Capurso - ser

Tenho a honra e imenso prazer em integrar o Grupo de "Serões Literários das Cortes"desde há, já nem me lembro bem,  quantos anos, talvez mais de cinco.
Hoje, 1 de Janeiro de 2017, lembrei-me de  partilhar este trabalho (no âmbito das ações deste grupo) ensaios literários e/ou artísticos, que lá vamos expondo e conversando.
Estou, neste preciso momento, com pouco tempo para grandes explanações. Vou ser breve. Mas o caso é que é agora ou perco a ocasião.
Comecemos, então, por este trabalho que a seguir se apresenta.


ser


ser generoso apesar
do que foge e alcança

dar à gratidão um nome
que não baste para nomear
o quanto

saber que há janelas
que abrem para o que nunca
entenderás

e tão humilde
vendo a tua sombra envelhecer
diante da luz e das coisas
que te trazem
agora

estrelas água caminhos
sinais e animais do ar

e agora
abre os braços
e sossega

Poema de Carlos Lopes Pires

Ilustração de Fulvio Capurso
Música de Pedro Jordão

-

Este trabalho recebi-o por e-mail, ao qual respondi:



uma ânsia infinita de querer ser
não sei se conseguirei isso algum dia
só sei que é difícil ser

que 2017 que aí vem
vai ser?

as-nunes


2016/11/01

A Serra da Maúnça naquele momento


Passo em frente da janela
Instintivamente
Como um autómato
Olho para a serra mesmo ali
Do outro lado do rio
Ela acena-me como sempre

Desço as escadas
apressadamente
o mais depressa de que sou capaz

não quero perder pitada daquele olhar
mas os segundos passam no tempo
e o momento já é outro
mesmo assim tento capturá-lo
e fingir que é o momento
que queria fixar

quem se vai interessar
por esse momento
gravado no éter
energias bipolares
que julgamos que as conseguimos dominar
que somos capazes de as controlar

eis o momento
o fragmento a seguir
do tempo que já passou


as nunes17-1nov

2016/09/10

Ensaios poético-fotográficos (do meu FB de 2014)

Ao rever o meu Feicebuque (talvez se possa usar esta palavra com ortografia aportuguesada).
-
em 2014, já não fui a tempo de ver a data:


o meu olhar
num momento 
ensimesmado
emboscado 
em modo d´admirar
pasmado
maravilhado
tudo ao mesmo tempo...
Insignificâncias...

as-nunes14

2016/08/17

Minha mãe, minha mãe...




mãe
agora que estou
a caminhar para velho
tem-me dado para poetar
dizer das minhas emoções
moldadas aos anos
que dobam o tempo
como a minha avó dobava o linho
há um dia no calendário
em que nele está marcado
o teu nome santo Encarnação
a marca é do teu aniversário
e é feita com o coração
rogo-te, mãe
que tenhas gosto em viver
os anos que te apetecer
nós cá estamos para te ver
não cuides que te vamos esquecer
Porque assim mesmo agora te vi
do mesmo modo
agora mesmo estas linhas te escrevi
Parabéns mãe
4 de agosto de 2016 (n: 1924)

2016/08/16

Poesia das coisas e dos momentos




Já tinha ouvido falar
João Luís Barreto Guimarães
Quetzal poesia a saldo
Como é possível, questiono eu?
Um transformador da realidade em poesia
Disponível para olhar e falar das coisas que vê
Conseguir que nós o leiamos enquanto vive
Os instantes que acontecem a cada momento
Conseguir reter as coisas que olhamos
Que sentimos
Com as palavras que nos ocorrem
No momento
´São essas coisas
Poesia
no seu estado mais puro`
as-nunes
15 de agosto 2016

2016/05/15

Benfica é campeão Nacional de Futebol -1ª Divisão



Deixei esta nota no meu "facebook".
O Benfica acaba de se sagrar campeão nacional de Futebol de 1ª Divisão. É o 35º título.

Benfiquista sei eu que sou

não me perguntem por quê

a águia foi quem me marcou

fui benzido nem sei com quê

2016/04/04

A minha Rua



I
a minha rua parece um rio
a chuva impõe a sua presença
persistentemente
abundantemente
com mensagens enigmáticas
insinua até que já não há sol
que a primavera mudou de endereço
que o correio se despistou há uns meses
ao seu fundo ao pé do rio Lis
que não se sabe dele
que talvez se tenha afogado
que os CTT agora já não são o que eram
que já não querem saber se há primavera
querem é que se saiba que são um banco...
II
a minha rua está uma lástima
os serviços de obras públicas
escavacaram as valetas
tão bem feitinhas que elas estavam
pedras cortadas em formas irregulares
à moda dos paralelepípedos dantes
mas as águas da chuva escorriam
lindamente a toda a brida
direitinhas ao rio Lis
logo ali em baixo ao fundo da rua
por debaixo da estrada das Cortes
lá seguiam todas apressadas
agora é aquilo que se vê...

António

4abr2016

2016/02/05

Diário do meu jardim - rosas brancas



ao alcance da mão
mesmo à frente da janela
ora alva como a estrela
ora pequenina branca e rosa

ouvi-a dizer
bom dia
e ficou em pose
tira-me uma fotografia

BOM DIA


3fev2016

2016/01/10

S.Pedro Moel - jan2016





Dia ventoso, cinzento, chuvoso
seis e meia da tarde
S. Pedro de Moel
o espírito de Afonso Lopes Vieira
também vislumbro Acácio de Paiva 
nas suas visitas e troca de correspondência
sonetos a forma preferida...

jan2016
as-nunes

2016/01/01

Outros dos meus blogues

Deambulando pela internet, dei comigo a rever alguns dos meus blogues.
São mais que muitos, todos alojados na Blogger. São .blogspot.com

E dei com estes ´posts` na rubrica "eu poeta" 
http://caminhosentrelacados.blogspot.pt/search/label/eu%20poeta

Fica aqui, esta nota, por graça ...

2015/12/21

Camélia branca e o Natal 2015


---

Uma camélia branca como a neve e a seda

A família (parte) está a começar a juntar-se
olho pela janela da sala
impressionado pela claridade 
da luz solar
vejo-a a refulgir no meio do jardim
sinto que o momento é único
não o posso perder para sempre
aqui deixo o registo
brancura de neve e seda
faz de conta que é o tempo que devia fazer
......
as-nunes
dez15


2015/09/05

O nosso cão, o Tico, morreu. Tinha 16 anos. Adeus Tico.

 O TICO morreu
Adeus pequenito...
-
a noite já tinha caído
peguei no seu corpo inerte
embrulhei-o com emoção
num pequeno lençol branco
ajeitei-o pela última vez
na sua cama
Adeus, amigo ...
-
passei a noite com pesadelos
acordei cedo
junto à hortênsia grande
flores azuis como o céu
uma cova de 60 cm de fundo
Lajeada com pedras da serra
adeus, amigo ...

as-nunes
04-09-2015





O Tico e a Lala (à direita). em 2006. Eram irmãos, mas a Lala morreu muito nova, de repente, há já 6 anos.

O Tico, fragmento da foto anterior.

2015/05/06

Palavras em versos borratados




Palavras em versos…

A Torga pedi alguma inspiração
Uma legenda deste instantâneo
Ano após ano era o Marão
A palavra do ritmo consentâneo

Versos meus estou a tentar
Consciente da menoridade
De tal aventura em versejar
Com Torga fazer irmandade

Em quadras soltas vou borratando
O branco volátil do computador
Versos pela janela vão voando
Sobra este digital e indigno torpor

Mas não te queria deixar oh fotografia
Destas nuvens cinza e azul de Abril
A terra e o céu em perfeita sintonia
O verde e demais criação primaveril

Uma palavra ao menos na mira do fuzil ...


as-nunes
abr2015

(migração do meu Facebook)

2015/04/25

O 25 de Abril está aí; os cravos onde estão?


NÃO

A chuva cai lentamente
Discursos, ideias ocas
Tanta palavra que mente
Saiamos das nossas tocas

O 25 de Abril está aí
Os cravos onde estão?
Esperanças que perdi?
Digo já e agora: NÃO!

Tantas ilusões
Tanto entusiasmo
Tantas canções
Agora, este marasmo...

Levantemos a moral
Lutemos com nossas mãos
Arraial, arraial, por Portugal
Voltemos à luta, irmãos!
-

as-nunes
(hoje, como em 2012)

2015/04/22

Apelo ao Tempo.

Arredores de Leiria - Portugal

Apelo ao tempo...

Momentos dobados no tempo
Em perplexidades de vida
Sensação de perda e de torpor
Humanidade em transe e sofrida
O que somos  para onde vamos
Lugares comuns que nos perturbam
Sobre teses inacabadas meditamos
Na nossa insignificância cósmica

Que os deuses nos acudam
Rogamos nós com ansiedade
Deuses que não nos ajudam
Tresnoitados sem vontade

...

Valha-me Deus!...

as-nunes

2015/04/16

memórias da Guerra e da Grécia



memórias da Guerra e da Grécia

tempo de memórias de guerra
de fantasmas  em história
bombas e bombas sobre a terra
Alemanha em fanfarras de vitória

em dias fanáticos  de quarenta
a Europa ocupada e humilhada
vivia momentos de tormenta
a Grécia num ápice esmagada

abril de 1941 tanta canseira
o exército grego rendeu-se
à ordem de arrear a bandeira
houve quem se suicidasse

aqui começou a senda gloriosa
da ilha onde Zeus nasceu
Creta enfrentou valorosa
uma Alemanha qu´ensandeceu

abril de 2015 denso nevoeiro
a Grécia de novo por terra
contra a  força do dinheiro
um povo que fileiras cerra

haja humanidade e memória
a fera ariana se aquiete
não se repita a história
já chega de tanto ferrete


(É de se recordar  a  História da II Guerra Mundial)

as-nunes
... entretanto......

Presidente alemão disponível para indemnizar a Grécia

MARIANA ADAM

Presidente alemão disponível para indemnizar a Grécia
Joachim Gauck admitiu pagar as indemnizações reclamadas pela Grécia a Berlim pela ocupação nazi.
O chefe de Estado alemão tem poucas funções executivas, mas estas declarações podem reabrir o debate sobre a indemnização histórica exigida pela Grécia, no âmbito da renegociação do pedido de resgate internacional, e rejeitado liminarmente pelo governo de Angela Merkel.
"A coisa certa a fazer por um país consciente da sua história, como o nosso se incomoda, é considerar que possibilidades haverá de pagar as indemnizações", afirmou o presidente alemão numa entrevista ao Süddeutsche Zeitungque será publicada sábado, citado pela Bloomberg.
O presidente alemão pediu consciência histórica e sentido 
de responsabilidade pelos crimes de Hittler. "Não somos apenas um povo que vive nos dias de hoje, somos também os descendentes daqueles que deixaram para trás um trilho de destruição na Europa" durante a segunda guerra conflito mundial, "na Grécia, entre outros locais", acrescentou Joachim Gauck.
O governo de Tsipras pediu 278,7 mil milhões de euros à Alemanha, o seu maior credor, pelos danos causados durante a ocupação nazi.