Mostrar mensagens com a etiqueta outros blogues. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta outros blogues. Mostrar todas as mensagens

2017/02/21

Como se fosse o eco de um poema: S.L. e BENFICA em tempos de Félix Bermudes... e de Acácio de Paiva.

Ainda na sequência dos ´posts` anteriores, a propósito de buscas na internet sobre Acácio de Paiva, eis que me deparei com este artigo delicioso sobre o glorioso BENFICA (temos que convir, sejamos ou não adeptos do SLB). Originalmente está publicado no blogue "O Indefectível" no link 
e foi escrito pelo meu primo, por afinidade que seja, Afonso de Melo, bisneto de ACÁCIO de PAIVA, por ser filho da neta Constância Paiva. Convém que se acrescente que veio parar àquele blogue por via de "O Benfica".
Estando seguro que o meu primo não se vai zangar com esta minha liberdade, aqui republico esse artigo histórico e brilhantemente evocador da origem de entusiasmo e de paixão do SLBenfica. Para que conste neste blogue dum viseense/portuense, tão leiriense como os que o são e Benfiquista desde sempre. E que tudo tem feito para que o nome do "Altíssimo Lírico e o Maior Humorista da Poesia Portuguesa", ACÁCIO de PAIVA, se mantenha vivo. Como bem merece.
---
Os jogos entre Benfica e Sporting voltaram a estar na moda. Talvez por razões menores que o tempo reduzirá à sua verdadeira dimensão. E se alguém julga que estes são dias conturbados, regressemos aos primórdios para comprar realidades incomparáveis.
antiga Marcolino Bragança

Os jogos entre Benfica e Sporting parecem estar de novo na moda.
Moda por moda, deixemos as modinhas mal ajeitadas dos bate-bocas de mau gosto e vamos dar uma volta a tempos que lá vão. E como vão...
O livro de Júlio Araújo, «Meio-século de Futebol (1888-1938)», é um grande repositório da realidade da primeira  década do Século XX. Também nos socorremos dele para ir tentando ficar com uma ideia clara de génese desta rivalidade que marcou até nos dias de hoje a vida do País. Nada como ir beber água fresca da mais pura das fontes.
Orgulhoso das suas instalações e da sua sede, com lugar num edifício que era propriedade da sua família, ali ao Lumiar, José Holtreman Roquete sonhava agora com um grande team de Futebol. O descontentamento dos jogadores da primeira categoria do Sport Lisboa entreabria-lhe uma porta que não tardou em abrir às escâncaras. De uma assentada, traz para o Sporting oito deles: José da Cruz Viegas, Emílio de Carvalho, Albano dos Santos, António Couto, António Rosa Rodrigues, Cândido Rosa Rodrigues, Daniel Queirós dso Santos e Henrique Costa.
Um autêntico terramoto! Deixem lá estas brincadeiras de Jesus para lá e de Jesus para cá. Isto sim: foi tremendo! Tonitruante!!!
Parecia o fim da linha para o Sport Lisboa, até porque a sangria não ficava por aqui. Manuel Mora, o guarda-redes, partiu para a Argentina (um destes dias trataremos aqui a história interessante desta figura, se tudo se encaminhar para tal); Fortunato Levy para Cabo Verde; outros optaram por seguir a sua carreira no Ginásio Clube Português, no Grupo Sport Benfica, no Cruz Quebrada, no Académico de Lisboa, no Nacional, etc.
Deserção? Dessedência? Traição?
Quem souber que responda. Mas com franqueza!

antiga Marcolino Bragança

A voz de Marcolino Bragança
Ao longo dos anos, este episódio da vida dos dois clubes foi visto por diversos prismas. Um deles, o mais curioso, assumido por Cândido Rosa Rodrigues, declarando que não se poderia falar em dissidência ou de traição até porque não existia rivalidade entre Sport Lisboa e Sporting, e apenas entre Sport Lisboa e Internacional, o velho CIF.
Temeu-se, assim pela vida do Sport Lisboa.
Ah! Como diria Mark Twain: «As notícias sobre essa morte foram manifestamente exageradas».
Terminada a época do Futebol, entrava-se na época dos desportos de Verão. Os protagonistas eram os mesmos. Isto é: jogador de Futebol que se prezasse, chegando o calor, dedicava-se a desportos sem botas, fosse ele a Natação, a Vela, o Ciclismo ou o Automobilismo.
E o sol parece ter auxiliado o olvido e cicatrizado feridas.
Era tempo para que se abrissem no azul claro do céu novos horizontes rubros. Vozes se levantaram; peitos encheram-se de esperanças; o mundo estava aí para os que usavam a gadanha da coragem.
Um belo dia, Marcolino Bragança, um dos melhores jogadores das segundas categorias do clube, ainda jovem estudante do 4.º ano do Liceu, lançou a ideia, tão óbvia que parecia pecado ninguém ter feito eco dela até aí:
- Ouçam lá, e por que é que não passamos o segundo team a primeiro?
Era bem visto, sim senhor. Não houve quem se pusesse. Pelo contrário.
Fez-se o apelo geral. Juntou-se a linha dura dos resistentes: pouco menos de 30 rapazes empenhados em continuar com o clube.
Houve até quem regressasse: gente que tinha ido para o Cruz Qubrada, o Sport Benfica, o Académico de Lisboa...
Os do Sporting não voltaram.
Félix Bermudes e Cosme Damião tomam as rédeas do clube que ressurgia. Todos se dispuseram ao pagamento da quota de dois tostões por mês. Félix Bermudes, escritor bem conhecido pelos seus poemas, peças de teatro e operetas - como foi o caso da famosa «O Timpanas», curiosamente grande amigo e tertuliano do bisavô deste que se assina, Acácio de Paiva -, um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Autores à qual presidiu durante 32 anos, num gesto magnânimo, ofereceu cinco mil réis para um boa nova.
Aqui sim, o Benfica, que ainda não era completamente Benfica, começava a ver medrar as suas raízes populares. Bem ao contrário do Sporting.
O tempo passou.
Houve lutas duras, combates violentos, jogos menos amigáveis do que outros e até uma final da Taça de Portugal em que os adeptos do Sporting fizeram parte da falange encarnada que bateu o FC Porto no Estádio Nacional.
Benfica-Sporting ou Sporting-Benfica: leiam como quiserem - é como se fosse o eco de um poema...
antiga 1907 - segunda equipa Benfica

De cima para baixo. Da esquerda para a direita. Defesa e guarda-redes: Henrique Teixeira, João Persónio e José Neto; Avançados: Félix Bermudes (capitão), Eduardo Corga, Leopoldo Mocho, António Meireles e Carlos França; Médios: Luís Vieira, Cosme Damião e Marcolino Bragança."

Afonso de Melo, in O Benfica


2016/08/01

MONIZ PEREIRA 1912 - 2016: Valeu a pena ...

Em homenagem ao homem que nos fez acreditar que os 
portugueses podiam ser CAMPEÕES do MUNDO de Atletismo. 
Na presente montagem vídeo usei um fragmento de áudio do vídeo de 4FadoLisbon . https://www.youtube.com/watch?v=CvDDdS5NWHk




http://fadosdofado.blogspot.pt/2011/01/valeu-pena.html  (letra)


Com voz serena, perguntaram-me ao ouvido
Valeu a pena, vir ao mundo e ter nascido?

Com lealdade, vou responder, mas primeiro
Consultei meu travesseiro, sobre a verdade

Tive porém, que lembrar o meu passado
Horas boas do meu fado, e as más também

Valeu a pena
Ter vivido o que vivi
Valeu a pena
Ter sofrido o que sofri
Valeu a pena
Ter amado quem amei
Ter beijado quem beijei

Valeu a pena

Valeu a pena, ter sonhado o que sonhei
Valeu a pena, ter passado o que passei

Valeu a pena, conhecer, quem conheci
Ter sentido o que senti, valeu a pena
Valeu a pena, ter cantado o que cantei
Ter chorado o que chorei, valeu a pena


Guitarra portuguesa: Estêvão Lima, David Ribeiro, Luís Ribeiro
Viola de fado: Jaime Martins
Viola Baixo: Luís N´Gambi



2016/01/01

Outros dos meus blogues

Deambulando pela internet, dei comigo a rever alguns dos meus blogues.
São mais que muitos, todos alojados na Blogger. São .blogspot.com

E dei com estes ´posts` na rubrica "eu poeta" 
http://caminhosentrelacados.blogspot.pt/search/label/eu%20poeta

Fica aqui, esta nota, por graça ...

2015/01/22

Samuel Maia em referência noutros blogues



Transcrição dum post do amigo José Augusto da Costa Pereira 

por aquimetem, em 22.01.15

          Sempre que se mexe com o arquivo memorial, o seu conteúdo liberta-se da muita ou pouca poeira que com o tempo se vai acumulando sobre as pastas onde são depositadas as memórias vividas ou presenciadas por cada ser humano. Notei isso quando após concluir o post anterior me veio à mete um desejo, já com alguns anos, de consagrar um post ao 1º comentador das Mestas. O tempo foi-se passando, e só agora ao dar uma vista de olhos pelo corpo desse blog, tomei a decisão de não retardar mais. Trata-se de um conterrâneo do escritor Samuel Maia e assim sendo é natural da freguesia de Ribafeita, concelho de Viseu, e muito próxima de São Pedro do Sul. Esta é a conclusão a que cheguei, e não estou enganado, mediante o seu comentário no meu post, quando diz: “…ando precisamente a preparar um post sobre uma zona da Baira Alta a que um escritor Samuel Maia (da minha terra natal), no princípio do séc. passado, se refere a umas "poldras" através das quais faziam a travessia do Rio Vouga”. Através deste amigo virtual, que muito gostava de conhecer pessoalmente, fiquei também a conhecer mais um escritor beirão que por pouco divulgado me era alheio. Um médico que formado pela Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, se consagrou como escritor com o romance “Sexo Forte” e com a novela “Língua de Prata”, além de muitas outras obras que lhe conferiram o prémio Ricardo Malheiros da Academia de Ciências.

          As terras valem o que valem os seus filhos, e se Ribafeita os tem ao nível de Samuel Maia, o Profº António Nunes emparceira com eles, os mais ilustres e generosos, mediante uma dedicação apaixonante pela história local e sua divulgação, como pode ser visto e acompanhado no site DISPERSAMENTE… Curioso é este beirão ter Leiria como sua segunda terra muito amada e eu que também a tenho por muito querida, foi na capela de NS da Encarnação que casei, e visito com muita frequência, só agora disso me aperceber.

(Sítio onde existiu a casa onde Torga morou, e hoje impera o Hotel Eurosol, mas uma placa colocada pela CM, em 2010, assinala o facto).
          Mais ainda por através do seu site ficar a saber que também Miguel Torga residiu na princesa do Lis, como recorda em post de 2014/01/18. Realçando o que
Miguel Torga escrevia, no seu Diário, em Leiria, 20 de Novembro de 1980:
"(...) Esta terra foi a grande encruzilhada do meu destino. Aqui identifiquei escolhi os caminhos da poesia, da liberdade e do amor, sem dar ouvidos às vozes avisadas da prudência, que pressagiavam o pior. Aqui, portanto, arrisquei tudo por tudo, fazendo das fraquezas forças, das dúvidas certezas, do desespero esperança. Aqui era justo, pois, que, passados muitos anos e muitos trabalhos, eu viesse verificar com alegria que valeu a pena desafiar a sorte, que tive sempre uma mão-cheia de almas fraternas e solidárias a torcer por mim, e que as cicatrizes das feridas de ontem são os nossos brasões de hoje."

Tags:
·         leiria
·         ribafeita
·         viseu

publicado às 20:35
-
Muito obrigado pela lembrança, caro amigo.

2013/04/07

2013/03/15

Flores de ameixieira na rua de sto António, em Minde



(texto adaptado dum comentário que deixei num blogue amigo)

«E eu que ando, no olhar, com as flores imaculadas daquela ameixieira ali em frente, na quinta do snr. Duarte, que todos os anos me captam a atenção. É uma ameixieira de pequeno porte, idosa mas sempre viçosa.

As várias fotos que já lhe tirei não me deixam apreciar a sua beleza, não me deixam tocar-lhe. Está lá, na extrema da quinta, do lado mais afastado, não consigo tocar-lhe nem com a teleobjetiva de 300 mm. Mas aquele vulto branco, é dos primeiros sinais de Primavera que observo da janela do meu quarto!

Ontem estive em Minde. Manhã gélida mas clara.
Lá estava, na rua de Sto. António, uma bela e majestosa ameixieira de flores brancas. Toquei-lhe com a objetiva e com as minhas próprias mãos.

E guardei-a, ciosamente, no meu bloco das ocorrências do quotidiano.
Tal como prometi, aqui venho partilhar as fotos que captaram esse instante.

Há momentos, que serão irrelevantes para outros, mas que nos transmitem sensações indeléveis de felicidade! Há que fruir esses momentos mágicos!

Hoje tem estado um dia tão belo!...»

Obrigado, Isabel.

2013/01/10

Deus e (é) a Natureza

Para quem não está a reconhecer... Campos do Lis, vista da A17, quem vai de Sul para Norte. O carro estava a dar sinais de avaria, tive de parar com os quatro piscas ligados...


VIZINHO DE DEUS

Saio de casa para olhar o mundo. Olhá-lo, sem mais. Debaixo
do outono, amealhava pinhões, tecia colares de caruma, cruzava 
um regato, o cheiro da terra molhada. Anotava o geométrico
voo dos estorninhos e pensava crer como um corpo
adolescente.
Face a face com o mundo. Ou quase. Talvez seja isto que
Balthus refere: «pintar o que se tem diante dos olhos é um
modo de se tornar vizinho de Deus».

Mário Rui Oliveira
Ed. Assírio & Alvim – 2002
Prefácio de Eugénio de Andrade
ver tb aqui


* Se Deus não é isto, tal como o poeta proclama, então o que é Deus?

- Também dedico este apontamento ao meu amigo, pintor de excelência (diz que anda a aprender mas acho que não está a convencer ninguém, que já nasceu com o dom para a pintura, Rui Pascoal). Blogger atento e muito perspicaz.

@as-nunes

2012/09/15

A Lei (muito menos a imposta pela Troika) não pode ser uma arma de tortura contra o cidadão comum! ...





(...)
Existe no entretanto uma fera, um abutre,
Um monstro pavoroso, hediondo, que se nutre
De lágrimas e sangue: é mais feroz que a hiena;
Não conhece remorso e não conhece pena;
Insensível à mágoa, às súplicas, à dor;
Forte como um juiz; cego como o terror:

É inviolável: mata e fica sem castigo:
Ainda hoje o Estado é o seu melhor amigo.
Pois bem; eu que defendo o monstro que assassina
Contra o braço da forca e contra a guilhotina,
Eu que proscrevo o algoz, eu exigi-lo-ei
Para enforcar somente esse bandido - a Lei.

Guerra Junqueiro

(Idílios e Sátiras)
ed. Parceria Antonio Maria Pereira
Livraria Editora, 1923
-

Como se vê, caros amigos/as, já Guerra Junqueiro, ao tempo do princípio do séc. xx se insurgia contra a forma displicente e inumana como as Leis são feitas e pior executadas.

A Lei não pode ser uma arma de tortura contra o cidadão comum! .......................................


Um instrumento de regulação da vida em sociedade, sim, nunca um instrumento colocado nas mãos do algoz para o usar a seu bel-prazer.


Não queremos que nos tratem como ovelhas no redil ...


Não se admirem, snrs., que - bem visto o desenrolar dos acontecimentos dos últimos tempos -  tomaram o poder de "assalto", com mentiras e muitas omissões. Só assim são, hoje, o Governo de Portugal. 

Não nos venham dizer que não sabiam como estava o país.



Além do mais, tendo havido ações de governos anteriores que dolosamente causaram o caos orçamental e financeiro a que Portugal chegou, que se apurem responsabilidades e se punam os responsáveis.

É a vida de milhões de portugueses, enfim, Portugal como Nação, que está em jogo! ...

-
- Também publicada no Clube dos Pensadores  
nota:
Entrada inspirada num comentário que deixei no post do blogue amigo "conversas avinagradas"
@as-nunes 

2012/07/23

SÍRIA REFÉM DO OBSCURANTISMO

Localização  República Árabe da Síria                                              Bandeira da Síria


Penso ser da maior atualidade e interesse divulgar textos como o que referencio abaixo.
A minha amiga, radioamadora e blogger, Alda Maia, autora do blogue:

Pensamentos Vagabundos


.

escreve regularmente, textos de reflexão política e social, com grande profundidade e capacidade de análise.  Nota-se que escreve com bastante perspicácia e atualidade, mas como se estivesse a exercitar, muito simplesmente, a sua arte de exprimir os seus pensamentos.
É pena. A quantidade de artigos que, provavelmente, não chegam à luz da ribalta, do conhecimento dum maior número de leitores é impressionante. Pelo menos, a mim, choca-me que imensos artigos medíocres circulem nos jornais e nas redes sociais e tenham muita divulgação enquanto outros, como o presente,  passam demasiado despercebidos.

Fiquei na tentação de o transcrever na íntegra, neste meu blogue, na modesta intenção de dar o meu contributo para tornar um pouco mais conhecido o seu post com o título 
PRIMAVERAS ÁRABES TRAÍDAS?
PERMANECE O OBSCURANTISMO?
.
Na esperança de que de alguma forma consiga promover a divulgação deste texto de Alda Maia, 

---

SEGUNDA-FEIRA, JULHO 23, 2012 (link do original)


PRIMAVERAS ÁRABES TRAÍDAS?
PERMANECE O OBSCURANTISMO?

Desviemos as atenções desta Europa doente de “spreads”, de tendências por cortinas de ferro (agora Norte contra Sul), concentremo-las na Síria e demos relevo a um grande poeta, pensador, filósofo muçulmano nascido no norte da Síria, nacionalidade libanesa e candidato, com muito mérito, a um Nobel da Literatura. Actualmente, vive em Paris.
É conhecido como Adonis (indicam que se deve pronunciar Adunis), pseudónimo de Ali Ahamed Saïd Esber. Foi buscar o pseudónimo ao Adónis fenício, também símbolo da ressurreição.

Para os fundamentalistas é um nome que “renega a tradição islâmica”. A questão é que este poeta e intelectual árabe sempre se bateu pelas liberdades democráticas e pela emancipação das mulheres. Sempre foi um inimigo do regime de Assad, mas não tem poupado críticas ao fundamentalismo islâmico que pretende substituir aquele regime.

2012/07/05

A Madeira é Portugal! Fascismo nunca mais!...


       O Deputado José Manuel Coelho do parlamento da Madeira - Portugal


"Vi, e assisti,a fazer o que este policia está a fazer ao Deputado José Manuel Coelho, do Parlamento da Madeira, ao meu marido, por um assaltante que nos surpreendeu quando caminhávamos em Mira-Sintra, o qual ao mesmo tempo que "fazia isto" com uma mão, com a outra lhe roubava o dinheiro que estava no bolso do casaco e que acabara de levantar na Caixa Geral de Depósitos.



Julgava que eram só os assaltantes que "faziam isto", mas afinal, hoje, pude comprovar que não. Impressionou-me vivamente esta imagem que encontrei agora num blogue na internet. Porque me chocou e me revoltou, e me entristeceu... decidi publicá-la aqui, para que se saiba o que é, e como funciona a nossa tão proclamada  democracia...  pois tanto quanto sei, e  que ouvi nas noticias, este senhor deputado apenas queria falar...queria fazer uso da palavra, numa cerimónia em que outros políticos falavam."


in 

Olhai os lírios do campo



2012/05/24

VISEU, terra de encantos, tantos!...

A terra onde nascemos é sempre o marco primeiro da nossa vida...

Uma das formas de entrar no coração de Portugal...poderá ser clicando na imagem abaixo. Também pode seguir este link.

2012/04/25

Já não há cravos vermelhos?


Esperanças loucas...

Ideias vividas
frente a oportunistas,
Lutas sofridas,
traidores e egoístas. 

Valeu a pena?
Tudo vale a pena
se a esperança não morrer.

Sigamos o sete-estrelo,
façamo-nos ao mar.
Não aos velhos do Restelo,
acomodados, a sofismar.

Financeiros sem ideais!
Mais parecendo
chacais!

Portugal não pode viver
remetido a oeste
sempre a temer,
como se fosse este,
- irremediavelmente -
o nosso Fado!...

Cravos encarnados,
onde estão?!
Espezinhados, 
pelo chão!...

NÃO!...
Os ideais de Abril
não podem acabar assim, 
Não podem, NÃO!...

também pode seguir o link dum meu comentário no blogue do Agostinho (aqui)
@as-nunes

2012/04/22

Naquele tempo PPC dizia...



descobri esta obra-prima no conversa avinagrada
  • Não matemos o doente com a cura...
  • Não basta a austeridade e cortar...
  • Nós precisamos de valorizar cada vez mais a palavra...
  • O IVA não é para subir...
  • Eu não quero ser Primeiro-ministro para dar empregos ao PSD...
  • bla bla bla...bla bla bla...
-
Pacheco Pereira que me perdõe esta replicação, mas nem todos vamos ao "abrupto":
-
"temporário", 
"restituição intensa", 
"ajustamento estrutural excepcional"

Todos os dias novas palavras e expressões revelam como Orwell foi um verdadeiro precursor em perceber como o poder usa as palavras para mandar. Entre as novas aquisições da “novilíngua” encontra-se o “temporário” que passou a significar definitivo e o “ajustamento estrutural excepcional”, signé Vitor Gaspar, uma contradição nos seus termos porque se é “estrutural” não pode ser “excepcional”. Outra é a “restituição intensa” dos subsídios de Natal e férias, expressão utilizada pelo Primeiro-ministro. “Intensa” é o quê? Metade, três quartos, nada? Presume-se que signifique que em vez de ser “gradual”, passe a ser pouco “intensa”. Iluda-se quem pense que isto são jogos florais. Bem pelo contrário, são jogos do poder, destinados a não dizer nada, dizendo, ou a dizer tudo, não dizendo.
-
Cá está, há que valorizar a palavra!...
@as-nunes

2011/09/20

O estado da Nação Portuguesa e o Clube dos Pensadores


(foto do CdP)
O Presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, numa sessão de debate no Clube dos Pensadores em Gaia, muito recentemente. 
Apesar da amizade que JJ criou com Alberto João, mesmo assim, os colaboradores do CdP e o próprio JJ não se têm coibido de se manifestar ruidosamente em relação à anomalia colossal que se está a "descobrir" na gestão orçamental da Região Autónoma da Madeira.

Tenho a honra de fazer parte do grupo de intervenção permanente deste clube no seu blogue "Clubedospensadores.blogspot.com" principalmente na área dos comentadores aos posts que, sempre em cima do acontecimento, o seu fundador e dinamizador incansável, Dr. Joaquim Jorge  publica naquele sítio na Internet. 
Eu sei que JJ não gosta que o tratem por Dr. mas, de vez em quando dá vontade de o tratar com o seu grau académico de licenciado, atendendo às sobrancerias que certos personagens da nossa praça se permitem, só porque no seu nome tem de constar, como que obrigatoriamente, dado o seu apregoado estatuto, o título "Dr." (alguns, meros «doutores da mula ruça» e pouco mais...).
Justo é acrescentar que no rol de cronistas se encontra o professor e académico Dr. Mário Russo, que muito tem abrilhantado este blogue com os seus artigos muito assertivos e de fino recorte argumentativo e literário.

Como os meus amigos leitores já se terão apercebido, este Clube tem tido muita e interventiva actividade nos últimos anos. Não será de admirar, por isso, que JJ até  já tenha sido apelidado de "agitador do Norte" pelo Prof. Marcelo Rebelo de Sousa naqueles célebres e parciais telejornais da TVI.
Debates, programas de Televisão, artigos na imprensa regional e nacional, manutenção dum blogue de referência em Portugal e no estrangeiro, livros, têm sido as suas ferramentas.
De qualquer modo, é justo referir-se que toda esta actividade só tem sido possível dado o incrível dinamismo que Joaquim Jorge tem devotado a esta fantástica iniciativa.
Seria fastidioso enumerar todas as suas actividades, tantas têm sido, sendo que é de realçar que, precisamente, hoje, Joaquim Jorge esteve na SIC Notícias, de manhã, a lançar a nova campanha de debates  com personalidades de relevo na vida pública nacional.
Debate


Esta nova temporada de debates vai começar no dia 22, próxima 5ª feira, no auditório do Gaia-Hotel, com a presença de Bagão Félix.

Joaquim Jorge , fundador do Clube dos Pensadores convida Bagão Félix para estar presente no GaiaHotel , dia 22 de Setembro , 5ªfeira , pelas 21h30 . O tema - Questões económicas, sociais e éticas : que futuro?

Bagão Félix , Conselheiro de Estado e gestor ,integrou vários governos constitucionais,foi Ministro da Segurança Social e do Trabalho e Ministro das Finanças e da Administração Pública



Daqui vos lanço um repto.

Engrossem este movimento do Clube dos Pensadores. O país está a precisar de vozes independentes que se façam ouvir e que possam vir a constituir-se em forças de pressão social para que Portugal não continue a ser um Feudo para meia dúzia de senhores!

Consultem este dinâmico blogue e intervenham.
Hoje somos muitos, amanhã poderemos ser milhões!...
(Já Sá Carneiro o dizia...)
@as-nunes

2010/11/22

GREVE GERAL?!...

(clic para ampliar)
- foto tirada hoje, junto às instalações do Centro Regional de Segurança Social de Leiria, e da Câmara Municipal de Leiria, e do Tribunal Judicial de Leiria, na Praça da República, em Leiria.
Neste preciso momento, ouvia-se o som do altifalante dum carro de propaganda da CGTP a apelar à mobilização para esta Greve!...

A este propósito não resisto a transcrever excertos de um emotivo mas racional depoimento publicado no blogue http://pensamentos-vagabundos.blogspot.com/, escrito por uma senhora luso-italiana, Alda Maia(*), dotada de uma capacidade de análise das questões sócio-políticas portuguesas e italianas, que não me canso de enaltecer.
Só me espanta é como os seus escritos não são mais propagandeados, seja na própria blogosfera, seja até nos chamados media. Ainda não a descobriram? Sempre aprendiam um pouco mais como seguir um comportamento verdadeiramente informativo, ao serviço público, na real acepção do termo!

(...)
Relativamente às greves, sempre as vi somente como um último recurso, quando se procurou tratar com um sério conhecimento das situações, das razões das partes em causa e as contratações falharam. 

Houve uma época própria para as lutas de classe
Hoje, as dinâmicas sociais são diversas. Com a maldita crise que nos atenaza e quase nos sufoca, a globalização e as deslocalizações das empresas, há outros mecanismos que deveriam orientar os sindicatos que operam com responsabilidade. Temos sindicatos com a capacidade de diálogo, quando as circunstâncias o exigem?
...
Em conclusão, foram exigidos sacrifícios, indubitavelmente....
Paralelamente, penso seja admirável, e modelo para imitar, a maneira como os sindicatos alemães interpretam a sua função.Não posso deixar de pensar nos protestos, sobretudo na próxima quarta-feira, dos nossos funcionários públicos, dos magistrados (!), etc., cuja estabilidade de emprego é óbvia. Insisto, os sacrifícios são apenas monetários e não ameaçam desemprego. Logo, não consigo experimentar um mínimo de simpatia por todo este clamor contra o que, infelizmente, não podemos evitar. Aplaudiria, sim, uma gigantesca manifestação contra a nossa estupidez de não darmos mais atenção à importância do nosso voto; não escolhermos, com mais acuidade, quem deva governar-nos; como privados, não aprendermos a ser mais equilibrados, evitando de recorrer a empréstimos bancários para gozar férias nas Caraíbas, por exemplo.
Texto extraído daqui

nb: o negrito é da minha iniciativa.
-
Leia-se todo o texto para ficar com uma visão mais completa do alcance do artigo da autora.

(*) Cara amiga.
Espero que me possa perdoar este abuso de usar os precisos termos que estão publicados no seu blogue.

2010/09/22

Outono com Fernando Pessoa

Trabalho original em

CANÇÃO DE
..... OUTONO

No entardecer da terra,
O sopro do longo outono
Amareleceu o chão.
Um vago vento erra,
Como um sonho mau num sono,
Na lívida solidão.


Soergue as folhas, e pousa
As folhas volve e revolve
Esvai-se ainda outra vez.
Mas a folha não repousa
E o vento lívido volve
E expira na lividez.


Eu já não sou quem era;
O que eu sonhei, morri-o;
E mesmo o que hoje sou
Amanhã direi: quem dera
Volver a sê-lo! mais frio.
O vento vago voltou.

1910
Fernando Pessoa (1888-1935)
Poema publicado em 1922
no Semanário "Ilustração Portuguesa"
nº 833
-
(Neste Outono de 2010,  ano do 75º aniversário da  sua morte...)

Posted by Picasa

2010/02/03

"Não me lamentes."... - ROSA LOBATO DE FARIA


Morreu Rosa Lobato de Faria!
A notícia atingiu-me profundamente!
Não queria acreditar! E comoveu-me.
Há muito que me habituara a admirar esta grande Senhora. Primeiro como actriz de televisão e cinema. Depois como escritora e poetisa.
O primeiro livro que li de Rosa Lobato de Faria, já lá vão onze anos, foi o “Prenúncio das Águas”. E não mais parei.
Cada livro, pelo seu conteúdo, pela sua escrita, tinha o condão de me “prender” durante horas que me pareciam minutos.
Cada obra sua é verdadeira obra-prima!
Rosa Lobato de Faria nasceu a 20 de Abril de 1932. Poeta, romancista, actriz, guionista, letrista, a sua actividade dividiu-se pelas mais diferentes áreas.
Quem não se lembra, por exemplo, do Festival da Canção de 1994, de Sara Tavares e da canção “Chamar a Música”?
Com o “Prenúncio das Águas”, Rosa Lobato de Faria recebeu, em 2000, o “Prémio Máxima de Literatura”.
A sua vasta obra encontra-se traduzida em França, Alemanha e Espanha.


Morreu Rosa Lobato de Faria!
Mas por aquilo que escreveu e como o escreveu, Rosa Lobato de Faria continuará sempre, bem viva, entre nós.


2 de Fevereiro de 2010
Zaida Paiva Nunes
-

SE EU MORRER DE MANHÃ

Se eu morrer de manhã
abre a janela devagar
e olha com rigor o dia que não tenho.

Não me lamentes. Eu não me entristeço:
ter tido a morte é mais do que mereço
se nem conheço a noite de que venho.

Deixa entrar pela casa um pouco de ar
e um pedaço de céu
- o único que sei.

Talvez um pássaro me estenda a asa
que não saber voar
foi sempre a minha lei.

Não busques o meu hálito no espelho.
Não chames o meu nome que eu não venho
e do mistério nada te direi.

Diz que não estou se alguém bater à porta.
Deixa que eu faça o meu papel de morta
pois não estar é da morte quanto sei.

Rosa Lobato de Faria
-
Ver transcriçao deste post em 
http://aviagemdosargonautas.blogs.sapo.pt/391000.html

Posted by Picasa

2009/12/26

PAZ, AMOR e SOLIDARIEDADE para 2010


Por um 2010 com ESPERANÇA


Cá ficamos à espera de mais um Novo Ano, depois de estarmos a chegar ao fim de um Ano Velho, mauzão para muitos de nós. O Balanço Final, mais uma vez, é negativo, em termos globais.


Depois de Copenhaga ainda mais descrentes ficámos nas capacidades do Homem para se unir na defesa do seu próprio habitat, quanto mais para virmos a ter um mundo mais solidário, em que acabem os egoísmos, com os ricos cada vez mais ricos, que só conseguem olhar para o seu próprio umbigo. E que até se esquecem que não são eternos e que a sua própria vida multimilionária depende de todos nós, dum Planeta mais equilibrado, em que haja lugar para todos os seres vivos!...


Daqui largo pelos ares a minha pomba branca de
PAZ
AMOR
SOLIDARIEDADE


Um abraço do tamanho do Mundo!...

António

(Dum comentário que deixei no blogue do Pedro Nelito
O desenho da pomba branca da Paz, acima apresentado, serviu de tema. em 1987, para eu fundar um Clube internacional de radioamadores: White Pidgeon Dx Qsl Club - WP).

2009/09/20

Como induzir o sentido do Voto?


Tenho vindo a relacionar-me com muita regularidade com o "Clube dos Pensadores" , um blogue e um Clube fundado e orientado por Joaquim Jorge e que se tem vindo a revelar duma capacidade de inciativa e inovação na sua acção na blogosfera extremamente interveniente na sociedade civil e na política.
Quanto a mim, o ponto mais alto deste Clube tem a ver com o ritmo e leque de entrevistas e debates a pessoas com provas dadas nas várias áreas da sociedade portuguesa. Utilizando as TIC com muita eficiência, particularmente, a rádio e a Televisão.


Para além de ter um conjunto de excelentes colaboradores permanentes ainda assim tem vindo a proporcionar que no seu blogue venham a ser publicados artigos que reflectem as mais díspares opiniões, sejam de natureza política, sejam de outra natureza.


É assim que eu, autor do meu próprio blogue, este "dispersamente", não tenho qualquer rebuço, pelo contrário, sinto-me honrado por saber que, sempre que entender oportuno, posso escrever para o "Clube dos Pensadores" e lá deixar o meu pensamento.


Claro que assumo esta postura por uma razão principal. Sei, de antemão, que qualquer artigo que o autor do "Clube dos Pensadores" entenda que deve publicar é para ser lido e reflectido.


Neste contexto, está publicado naquele blogue, de minha autoria, o artigo como título acima.
Agradecido pela consideração. Pode ser consultado seguindo o link (aqui).