Mostrar mensagens com a etiqueta olhares da minha rua. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta olhares da minha rua. Mostrar todas as mensagens

2016/04/04

A minha Rua



I
a minha rua parece um rio
a chuva impõe a sua presença
persistentemente
abundantemente
com mensagens enigmáticas
insinua até que já não há sol
que a primavera mudou de endereço
que o correio se despistou há uns meses
ao seu fundo ao pé do rio Lis
que não se sabe dele
que talvez se tenha afogado
que os CTT agora já não são o que eram
que já não querem saber se há primavera
querem é que se saiba que são um banco...
II
a minha rua está uma lástima
os serviços de obras públicas
escavacaram as valetas
tão bem feitinhas que elas estavam
pedras cortadas em formas irregulares
à moda dos paralelepípedos dantes
mas as águas da chuva escorriam
lindamente a toda a brida
direitinhas ao rio Lis
logo ali em baixo ao fundo da rua
por debaixo da estrada das Cortes
lá seguiam todas apressadas
agora é aquilo que se vê...

António

4abr2016

2014/07/18

Leiria e Rua Mouzinho de Albuquerque: memórias que reportam ao dia 5 de Outubro de 1966





E esta aldraba, que só agora é que reparei nela?
Durante dois anos andei a tocar-lhe, indiferente! ...


No dia 5 de Outubro de 1966, mais ou menos, cheguei a Leiria vindo de Viseu na carreira dos Claras.
Estou-me a imaginar, de mala na mão, pasmado, cheio de calor, ali pela zona a que se reporta a primeira fotografia.

Vinha para lecionar na então Escola Industrial e Comercial de Leiria. 
Acabei por arranjar um quarto no número 15 daquela Rua e comer no "Restaurante Peninsular", na porta ao lado, onde esteve o "Aquário", lembram-se? Hoje é um Snack-Bar.
Os dois anos (1966-1968) que permaneci em Leiria (após o que me casei e fui mobilizado para Moçambique) foi ali que vivi, num quarto com a janela a seguir ao letreiro de "vende-se", para a direita.
...
É verdade, Rui, lá estava a leitaria, o barbeiro ...  tudo mudou!
...

2014/01/23

A minha Rua - 21 de Janeiro de 2014









a minha rua
sinto-a hoje
nostálgica
pequenos nadas
a que me afeiçoei
com o tempo
com a idade
com os anos
que vão passando...

E eu devagar
hoje com paz
divagando ...


António Nunes
desarrumador de versos

2013/05/18

Interlúdio musical... ou olhares da minha rua ...



Fundo musical:    Miles Davis - Blue in Green 

Para ouvir no decorrer das últimas revisões da maquete do livro que tenho em mãos, antes de ir para o prelo ...
@as-nunes

2012/05/12

A minha rua, mais um sinal da crise? a juntar a mais uma asnice de PPC


Que mais dizer?
Não chegam estas imagens?
Todos os dias a ver,
Ninguém lê estas mensagens?!


Quanto ao Stop


Até posso aceitar,
Diabo, que maçada, 
Que só nos manda parar,
Pois então, vai cacetada,
Precisamos de avançar!...


Com que então, Passos Coelho
Nem é mau o desemprego?!
Pode ser um aparelho
Que nos evite ir ao prego?!...


Bem me esforcei por acompanhar a mensagem pretensamente filosófica do Primeiro Ministro, ontem, na Assembleia da República, mas não consigo chegar tão longe... 


(escusa de vir com explicações de interpretação do espírito dos termos que usou, que nós já estamos calejados!
O que está dito, dito está!...e nós ainda ouvimos bem!).

Defeito meu, certamente!...

E de milhões de desempregados, agora aconselhados a esquecer que a vida não é, também, trabalhar por conta de outrem, com dedicação, talento, consciência e... 

salário, já agora!...

Aliás, o ultra-liberalismo, que saibamos, ainda não descobriu maneira de substituir o labor do homem e da mulher na criação da riqueza!
Se não forem os trabalhadores a dar o seu contributo decisivo à Economia onde está o caminho para o Desenvolvimento?

Asnices!...
@as-nunes 

2012/04/27

Os meus olhares da minha rua


Saí de casa, saco do lixo na mão, máquina fotográfica à bandoleira, recolhi estes apontamentos fotográficos, já de regresso a casa, num dia destes, de finais de Abril de 2012. 
Esta zona dos Lourais é uma espécie de fronteira entre duas freguesias: as flores (tremoço (*), as amarelas) da linha superior medram em terreno do lado das Cortes; as giestas e os dois aspetos da rua pertencem à minha freguesia, da Barreira.

A minha rua, neste dia, vi-a assim...
-
E...já que estamos em Abril... águas mil... versos mil:


A minha rua 
é a dos Lourais
que bem se vê dela a Lua
e vastas quintas senhoriais

E muitas aves
muitas flores
sons nas claves
vários odores

Deste lado é a Barreira
lá mais abaixo as Cortes
da minha varanda altaneira
posso sentir emoções fortes

Com força a água escorre
em dias de temporal
o Rio Lis ela socorre
e leva ao Litoral.


as-nunes

(*) Tremocilha-amarela Lupinus luteus L. (Fabacea) (ver aqui, por exemplo)
ou tremoceiro-amarelo (Lupinus luteus) (como se pode ver no http://dias-com-arvores.blogspot.pt/ )
Obrigado, Luís Coelho pela dica; se aqui voltares podes fazer o favor de deixar a identificação da flor roxa?REMRELA (LUPINUS LUTEUS)
@as-nunes