Mostrar mensagens com a etiqueta meus pais. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta meus pais. Mostrar todas as mensagens

2015/03/10

Os últimos encadernadores: Encadernação Florindo & Costa, Lda. - Leiria



O Snr. Costa, que me recebeu na sua Encadernadora (Floriano & Costa, Lda. na Rua Dr. António da Costa Santos Nº37 - Leiria), talvez a mais antiga de Leiria, que está em vias de extinção, quando lhe levei o livro abaixo, para me fazer o favor de encadernar, se possível até ao dia 12 de Março de 2015. O autor deste livro, Dr. Samuel Maia, é da nossa (do meu pai e também a minha)  terra - Casal -  Ribafeita - Viseu e a sua publicação é do ano de 1916. O meu pai vai fazer 91 anos e o livro tem 99.  É de certo uma lembrança que o meu pai vai apreciar...  

Como expliquei na minha página facebook https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200332944363200&set=a.10200332944163195.1073741974.1742211899&type=1


Peças (´camarões`) usadas para as gravuras nas lombadas dos livros depois de encadernados.


Carateres tipográficos em zinco.
Guilhotina manual. Uma ferramenta muito útil para os trabalhos que requeriam muito cuidado artístico. Afirmou, perentório, o Snr. Costa.


Os sócios de Florindo & Costa, Lda., talvez os melhores artistas na encadernação de livros, Diários da República/Governo, Processos de advogados e solicitadores e outros trabalhos encomendados pelas Tipografias, que também já estão em fase de extinção. A última, em Leiria, é de Carlos Silva, no Largo Sé/Rua da Vitória, um grande e velho amigo.

2014/03/19

O meu pai fez 90 anos em 13 de Março de 2014; juntámo-nos quase todos, em S. Pedro do Sul, na Adega do Ti Joaquim




A Sildina, a Lurdes, a Isabelita (a caçula dos irmãos), o Vitor e eu ... o nosso pai Daniel e a mãe Encarnação.



Quem sobe a EN que liga a Viseu ... o Rio Vouga
Já no regresso...


Indescritível a sensação destas linhas curvas a definir o horizonte serrano das terras desta zona de S. Pedro do Sul e Vale da Paiva.
A Serra de S. Macário, talvez também a Arada ou Montemuro...


O rio Vouga, ali vai em terras de S. Pedro do Sul

2013/02/13

13 de Fevereiro 2013

Um companheiro de muitos anos ...
No decorrer de uma sessão de fotografia, à volta de minha casa, o "rapazito" vinha a subir as escadas do jardim, no topo nascente, e aqui ficou retratado, a olhar-me, na varanda, de máquina em punho.
Já está a ficar velhote, o "rapazito" ... 

Hoje é 13 de Fevereiro! Uma data que me diz muito, sobre a qual já aqui deixei algumas referências ...


Claro que me vêem à memória, infalivelmente, as imagens indeléveis do meu pai Daniel e da minha mãe Encarnação, ainda vivos. Espero que por mais uns bons anos ...

Ocorre-me recitar Ruy Belo, num fragmento do seu poema "Meditação Anciã":

[...]
Já hoje quando passo se não abre nenhum espaço
e não cai quente nada cai cansaço
e se é muito o que faço afinal só envelheço
...

E aqui temos este homem que envelhece ao sol de outono num jardim
que dissimula a idade entre representantes da diversa juventude
que ingenuamente oculta as rugas junto de futuras faces
que olha para s folhas dúbias dos vizinhos plátanos e sabe
que amarelece e cai antes talvez que todas elas
homem que só talvez disponha desse espaço de um domingo para envelhecer
coisa não tão terrível como possa parecer
homem de olhos molhados homem
que até na morte busca uma forma de viver
[...]


E muitas mais fotos das flores e árvores do meu jardim aqui deveria mostrar, ainda que já tantas vezes as tenha exposto, eu e elas também não queremos meter-nos à força pelos vossos olhos adentro, fica para uma próxima vez...
Mas há uma que ela própria lamenta não se poder oferecer: uma camélia carmesim, duma beleza sem fim, a D. Herzília Magalhães, com a sua presença tal como ainda espero que possa ser vista este ano (pode-se apreciá-la neste sítio ).

E afinal
hoje ainda
por aí anda
o Carnaval

Atento, Venerador e muito Obrigado pela vossa simpatia ...
e paciência ...
@as-nunes

2012/03/19

Olá pai, com que então comemorou ontem 88 anos?



O meu pai, Daniel ,  ontem, no dia da comemoração do seu 88º aniversário. Oficialmente nasceu em 13 de Março de 1924.
Hoje (dia do pai), já sei que está na mesma, em forma...


Alguns membros que compõem a sua família, os filhos (António, Lourdes, Sildina, Vitor, Isabel), noras e genros, netos e bisnetos.


As irmãs (Judite e Céu) e o seu cunhado Maia também estavam presentes no Restaurante ...Sol, entre Travanca de Bodiosa e Oliveira de Baixo (na estrada que liga Viseu a S. Pedro do Sul). 
Serviço simples, prático, económico q.b. e simpatia.
O dia estava de Sol, algum frio, não tanto como seria natural para esta altura do ano em Viseu.   

Mais um excecional dia de convívio familiar, como só o meu pai é capaz de proporcionar, por altura do seu aniversário, há já muitos anos a esta parte.
Claro,  não esquecendo os casamentos e batizados na família.
E os funerais, que também fazem parte da vida…

2008/03/18

Rotunda Paulo VI - vista da Sra. da Encarnação

(clic; ampliando-se observam-se excelentes pormenores)
Foto tirada do Monte de S. Gabriel, agora.
(mais conhecido por Santuário de N. Sra. da Encarnação, padroeira de Leiria e nome da minha Mãe, que já não vejo há cerca de dois anos, ingrato que tenho sido!
Mas, oh mãe, quero informar-te em primeira mão, que no próximo Sábado tenciono ir ao Casal - Viseu para matar saudades tuas e do pai e dos meus tios e tias e dos meus primos e, se calhar do meu irmão Vítor. Vamos lá a ver. Se o tempo vai dar para tudo, se a Inês e os meus netos também me acompanham, quiçá o Bruno, a Ana e a Carolina também. Era bom. E tu bem merecias que eles aparecessem por aí, assim quase de surpresa, a ver se encurtamos distâncias, nem que seja só por umas horas. E mais. Eu próprio ando com saudades de Viseu, do Casal, dos olhares Primaveris da Beira Alta. Tenho andado muito preso a Leiria. Com um desejo enorme de sentir os ares, os cantos e recantos da minha terra... Veremos! Na foto ao lado, o meu pai Daniel e a minha mãezita, ambos com 83 anos. Um dia destes nas termas de S. Pedro do Sul. Foto do meu irmão).Estão com aspecto fixe ou não?)
Vê-se a rotunda Paulo VI (deve ser assim por que ela estará baptizada já que é ali que começa a Av. Paulo VI, a antiga "Calçada do Bravo") com várias azinheiras (talvez porque a partir daqui há vários caminhos que vão dar a Fátima), vê-se também um Cedro e uma Grevíllea já com boa envergadura, ao lado duma bomba de gasolina, prédios diversos, a já dita Avenida (que vai entroncar, 2 kilómetros lá mais acima no IC2), o Hospital de Santo André, pintado de laranja claro, uma chaminé da queima de resíduos. Em primeiro plano pode ver-se, do lado esquerdo da foto) um carvalho português a iniciar o seu ciclo de floração e já com algumas folhas a brotar. Neste monte há vários carvalhos e bastantes sobreiros. Existe, inclusivé, um recanto com mesas e bancos em pedra, à sombra dum bosquete de sobreiros(veja-se a foto aqui).
-
Já agora. Ocorre-me falar daquele fatídico Sábado, corria o ano de 1967, mal eu tinha chegado a Leiria, vindo do Porto/Viseu.(*)
Na Sexta-feira anterior, tinha eu combinado com uns amigos, que no dia seguinte iríamos fazer uma almoçarada de leitão, à Boa Vista. Na altura, a ligação Leiria/Boa Vista (10 km) era feita através da EN1, cheia de curvas perigosas e com uma armadilha mortal, bem à vista de todos os passantes, mas extremamente perigosa. No sítio onde hoje está a rotunda, havia uma casa e umas arrecadações, árvores de fruto e terras de amanho. Ao fundo da Calçada do Bravo, quase 1 km sempre a descer, havia uma curva perigosíssima, para a direita. O piso era o piso das estradas de Portugal, da época: de paralelepípedos, mais tarde de alcatrão/manteiga.
Seríamos cinco. Aconteceu, por obra e graça do acaso (?!), que eu andava bastante cansado, e acabei por ficar a dormir até às tantas da manhã de Sábado. O resto do grupo bem esperou ,mas acabou por seguir sem mim.
No regresso, por volta das 4 e tal, o carro em que vinham (tocaditos com toda a certeza, malta nova, sangue na guelra) seguiu em frente, entrando pela casa dentro. Morreram todos os ocupantes.
Porque é que eu não ia lá dentro com eles?!... Desígnios do insondável destino de cada um de nós, ocupantes deste planeta a que chamamos Terra.
...Ainda hoje sinto o ressoar dos gritos de angústia da mãe dum jovem, irmão dum amigo que jantava comigo habitualmente no antigo Restaurante Peninsular, ali à Av. Mouzinho de Albuquerque. ...(note-se que eu próprio nem sei se já teria 20 anos).
(*) Tinha acabado, no ano anterior, o meu curso, no Porto. Já estava em Viseu e foi daqui que iniciei a maratona de camioneta, autêntica aventura de carroças através de montes e vales por estradas rudimentares e perigosíssimas.
Posted by Picasa