Mostrar mensagens com a etiqueta largo da sé leiria. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta largo da sé leiria. Mostrar todas as mensagens

2013/12/01

Registos de 2006: VIVER em LEIRIA: O QUINÉ Faleceu...

Nota:

Dado que o meu blogue de referência considero eu que seja este, "DISPERSAMENTE", vou passar a inscrever aqui notas remissivas de temas de utilidade reconhecida e que estão noutros dos muitos blogues que tenho espalhados pela Internet.

-
VIVER em LEIRIA: O QUINÉ Faleceu...: Actor leiriense Quiné faleceu ontem. Joaquim Manuel Martins de Oliveira (Quiné), deixou ontem o mundo dos vivos, ao que tudo indica vít...

2009/05/29

Dentro de ti, ó Leiria...



Maio
Entardecer
Nem Verão
Nem Primavera
O dia a fenecer
Olhar de reflexão
Visões d´outra era

Maio...hoje...Tília
Escadaria vinda da Sé
Casario calçada acima
Relógio na Torre Sineira
O Castelo em vigília

Largo da Sé de Leiria
Hoje, Maio, 2009

Posted by Picasa

2009/05/18

Preservação do Património - Leiria

O BE em campanha. Sobreposição ao jardim Luís de Camões. Nada me move contra o Bloco de Esquerda, mas a Câmara Municipal não devia permitir que estes cartazes aqui estejam colocados. Assim como muitos outros do mesmo género, noutros locais desapropriados!

É que o Jardim é de Todos!...
Publicidade da TMN. A sobrepor-se à estátua e demais elementos do conjunto escultórico da Rotunda D. Dinis.
Largo da Sé. Edifício da antiga "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva", fachada em azulejos "viúva lamego" e a confusão envolvente, com cadeiras garridas, completamente fora do conjunto histórico do lugar.
E o barulho até altas horas da madrugada, por causa dum bar que ali funciona? Apesar das insistentes queixas à PSP e à Câmara Municipal, não há maneira de se resolver este problema, que acaba por se estar a transformar numa questão de saúde pública, visto que é praticamente impossível os moradores daquela zona dormirem em paz e em sossego, durante praticamente toda a semana.

Assim vai a preservação do património e da qualidade de vida dos habitantes de Leiria!...
Posted by Picasa

2009/05/14

Leiria - Adro da Sé e as suas árvores


Faz hoje, precisamente, um ano. Da janela do meu escritório o Adro da Sé de Leiria, nas suas belas e antigas árvores, uma Tíia tomentosa e um Jacarandá grandiflora tinham este belíssimo aspecto. Este ano, não sei o que se passa, os Jacarandás ainda não estão em flor. Pelo aspecto, talvez comecem a florir daqui a 10 a 15 dias.

Esta zona da cidade de Leiria, uma das mais emblemáticas, já foi um centro vital. Hoje, aparte o alarido próprio dos estudantes, na Queima das Fitas e uma ou outra Serenata nos degraus da Sé, tem vindo a ser votada praticamente ao abandono. As casas que fazem a moldura do Largo, estão, quase todas num estado deplorável, a requerer uma recuperação urgentíssima.
Uma cidade não pode perder a tipicidade do seu núcleo urbano. Da sua zona histórica.
O que caracteriza e humaniza qualquer cidade, é, sem dúvida, o seu Centro Histórico.
Estamos à espera de quê?

Não me poderei esquecer: Quem foi da ideia de arrancar as árvores centenárias ( padreiros ou acer pseudo plátanos, cheios de vida, com aves de pequeno porte, às centenas, que alegravam o nascer e o pôr-do-Sol daquele local?) que emolduravam o Largo da Sé, antes de lá se plantarem Jacarandás, há uns 8 anos atrás? Vou à procura duma fotografia de 1974 que mostra como era aquele Largo nessa altura.

Posted by Picasa

2008/10/28

Crise!?...A Vida continua!...

.
Embora como pano de fundo o negro da actual crise financeira mundial, que já é também, económica, falando-se e já se descortinando evidentes sinais perturbantes de recessão nos sectores imobiliário e no da indústria automóvel, alegremos um pouco os nossos semblantes olhando para estas fotografias destes dias que correm e ventam ou não estivéssemos no Outono:
1- Rua da Vitória vista da varanda da casa de família no Largo da Sé - Leiria;
2- Uma vista de ambiente rural com pinheiros resinosos, pedregulhos de grande porte que talvez tenham rolado encosta abaixo até ao caminho florestal, no lugar da Lezíria, junto ao Rio Liz, a poucos Kilómetros do seu desaguar no Atlântico;
3- Um dos recantos meus preferidos no Jardim Luís de Camões, em Leiria;
4- Uma visão inefável da Lagoa da Ervedeira, junto à mesma localidade da freguesia do Coimbrão, uma das 29 que constituem o concelho de Leiria.

(clic para melhor apreciar e tentar esquecer como por aí vai a vida!...)
Posted by Picasa

2008/06/17

Do Largo da Sé de Leiria à Boa Vista

Finalmente aquele painel do "tempo da Maria Cachucha" foi retirado, lembram-se dele? Entretanto, como o tempo estava convidativo e havia trabalho de pintura de restauro a fazer, alguém aproveitou a hora de almoço para pintar uma porta a ver se se alindava minimamente o canto do Largo da Sé/Rua D. Sancho I e a Rua da Vitória. Está-se mesmo a ver que esta perspectiva fica muito mais agradável à vista depois daquela operação plástica. Os Jacarandás floridos estão a começar a dar sombra mesmo a jeito para as pessoas se poderem sentar naquele banco. Como não há Bela sem Senão há que repor o bebedouro a funcionar. Vai começar a fazer muita falta se o calor começar a apertar. E há que tempos que ele está avariado!...
Na ida para a Boa Vista, fiz um pequeno desvio na zona do "Planalto", meti por um caminho por dentro deste pinhal e fui desembocar no
Vale Sepal, na Rua Paulo VI, mesmo em frente desta casa. É verdade, ainda existem casas de habitação à antiga portuguesa, com uma porta e uma janela, mesmo no interior da zona urbana de Leiria. Bem me lembro desta casa dos tempos em que aqui passava a EN1 e eu vinha na carreira dos Claras, de Viseu para Leiria. Estávamos entre 1966 e 1968.
Enquanto houver fotógrafos amadores como o da fotografia!...
Que são capazes de se sujeitar a comentários como estes:
- É proibido fotografar
- Coitadito do velhote
- O amigo deseja alguma coisa? (ar desconfiado)
- A fotografar árvores?!
- É para a Televisão?
- Qual é o jornal?
- Já me ameaçaram fisicamente por fotografar um abate de árvores num espaço público
Posted by Picasa

2008/06/05

O Largo da Sé de Leiria, a taça da Europa de Atletismo e o Euro 2008

( o sr Nélson (da lavandaria)  e o Fragoso (do gaz))

Que diabo de ligação é que poderá haver entre o Largo da Sé, este escaparate de revistas (assim a modos que a atirar para a banda desenhada erótica) e o Painel publicitário do Euro 2008 em Futebol, no cruzamento das Ruas de S. Francisco e da Av. Heróis de Angola, questionarão alguns dos meus leitores, mais desatentos das coisas da Bola. Claro...já perceberam!
Esperemos que os jogadores da Selecção Portuguesa de Futebol Profissional marquem algumas bolas "Quentes e Boas!" no próximo Sábado frente à Turquia! Cá na família, apesar das bocas que a malta manda contra as mordomias astronómicas dos jogadores, gostamos todos de Futebol. Isto é como o Fado e até Fátima. Não há nada a explicar. Gostamos porque gostamos e pronto!
Vamos todos (quase, que algumas das mulheres não estão para aí viradas. Mas ainda bem. Elas já se ofereceram para colaborar com a rapaziada, preparando-nos um lanche ajantarado para ser servido nos Lourais a todos. Arranjem-se pretextos para convivermos amenamente em família e o resto é conversa) ao Teatro José Lúcio da Silva ver o jogo no écran gigante. Parece que é só um €uro, que a Inês é que ficou de comprar os bilhetes! Ai se ela ainda não os comprou!...
Quanto ao Largo da Sé. Inesperadamente, os Totems que foram retirados há uns tempitos atrás, porque o pessoal cá do burgo não andava a achar piada nenhuma às patacoadas que lá estavam escritas, voltaram a ser recolocados hoje, assim num repente. O pessoal da Câmara está a ficar cá com um traquejo para este tira e põe, que é um regalo para os olhos ver a velocidade desta operação. Um autêntico relâmpago! Deve ser da concorrência entre o Atletismo e o Futebol Europeu, tão juntinhos que eles vão ficar, cá em Leiria.
Vamos à Bola e ao Atletismo! Que se lixe o petróleo, a carestia da vida, o desemprego e a diminuição brutal do poder de compra dos ordenados dos que ainda têm emprego!... E que se lixe também o IES (esta é para os T.O.C.).
Lá havia de borrar a pintura toda, tinha que ser, ia a conversa tão animada com a Bola da Europa, o próprio FCP também a deixar o lugar vago para o SLB - acho eu que poderá ser assim, que chatice para os adeptos do FCP e para a própria SAD e para o Snr. Pinto da Costa - não resisti à tentação de meter um bocadinho de veneno nestas guerritas futebolísticas caseiras, vivam os Mouros da Luz!...
Posted by Picasa

2008/05/22

Feriado Nacional e Municipal

Painel, banco público, Largo da Sé de Leiria. Observe-se também aqui (20-4-2007). É só para perguntar para quando a retirada deste painel do "FEDER"? Veja-se o tamanho do jacarandá da direita e imagine-se há quantos anos é que este painel está ali, daquele jeito desajeitado, pena "O Gato Fedorento" não pegar neste assunto.
Carvalhinha/Lourais/Barreira/Leiria. Ao descer a Rua 1º de Maio, de terra batida, recentemente alargada. Amplie-se a foto e vejam-se as antenas da estação de radioamador do CT1CIR (Lembrei-me de tirar esta fotografia depois de ter lido aquele belíssimo post da Ana Ramon a propósito do grande amigo e radioamador/cientista/escritor CT1DP, o Mário Portugal). Ora digam lá que a perspectiva não é bonita, as Cortes ali mesmo ao lado. Chuviscava...estamos já em fins de Maio e a chuva tem sido a nossa companhia, há que meses!...Dava jeito um bocadinho de Sol entremeado com a chuva!
Painel, banco público, Largo da Sé de Leiria. Da janela da família, "Pharmácia Paiva", ilustres e vetustas memórias, frontaria de azulejos "viuva Lamego", mais precisamente do meu escritório profissional. São para aí umas 2 horas da tarde. Mais qualquer coisita. Lá está aquela malfadada placa a fazer não sei o quê, a conspurcar o Largo da Sé com toda a certeza, como se já não bastassem os pombos aos bandos cerrados, materiais para uma obra, cadeiras vermelhas amarradas a um poste de iluminação pública com um cadeado.
Para não falar só de desgraças, também lá estão sentados no banco, velhos amigos, vizinhos de longa data. Depois da tomada da foto saí e fui ter com eles. Mostrei-lhes o boneco, um deles até nem se admira muito, que é pintor, tem uns quadros belíssimos, principalmente em aguarela. É o , quem não o conhece?
Ah. E já me esquecia. Hoje, feriado nacional, também se comemora o dia da Cidade de Leiria. Já temos programa para logo à noite no Jardim Luís de Camões. Vamos ver a actuar um Grupo de Bailado sob a orientação da prof. Cláudia. Vão estrear "Xaile".
Posted by Picasa

2008/05/17

DEIXEM-NOS VIVER!...

São quase 6 horas da tarde. Lá fora o Largo da Sé, soa a vozes de jovens recém-licenciados. Afeérriaas para todos os gostos consoante o Curso, achei um piadão ao dos de "Educação Física"! O dia tem estado bonito, a convidar a andar a pé, pela cidade, pelo campo, a observar as árvores dos jardins e dos arruamentos e praças de Leiria. A sentir o vento que passa! E as flores e plantas silvestres? Um espectáculo que é uma dor de alma desperdiçar, tantas são as voltas que temos que dar aos papéis e às contas.
Apetecia-me fazer aqui um reparo ao Snr. Ministro das Finanças: O snr. já reparou na quantidade de TOC´s e outros profissionais que, neste fim-de-semana, estarão a trabalhar? A fazer o quê? A preparar as contas para apurar o mais correctamente possível os impostos sobre o rendimento que as pessoas e as empresas terão que pagar com referência às suas actividades profissionais e empresariais durante o ano de 2007. Pensássemos todos nós bem, seria necessária tanta papelada, tanta burocracia, tanta lei e Decreto-lei e Portarias e regulamentos e Decretos regulamentares e ofícios circulares a explicar como é que uma alínea dum artigo duma lei qualquer deve ser aplicada? Claro que não. O nosso país está a ficar empanturrado de tecnocratas, uns até por gosto, outros porque a isso são obrigados pela força das circunstâncias da teia da vida.
Quanto tempo da nossa vida desperdiçada com trabalhos fúteis, desnecessários, improdutivos!...
Houvesse vontade política e a tributação do rendimento seria muito mais facilitada. É que nem os Simplex vêm simplificar grande coisa. Para quê tanta informação? Para brincarmos ao cruzamento das bases de dados umas com as outras? E o cidadão que é apanhado no meio desse fogo cruzado, se não completamente cego, pelo menos muito míope, a quem lhe cativam a conta bancária por meia dízia de cêntimos, a quem lhe penhoram tudo o que tiver em seu nome, à mínima distracção?
Reorganizemos a vida em sociedade! DEIXEM-NOS VIVER!

Posted by Picasa

Hoje, em Leiria

(1)
(2)
1) Atletas de várias Associações de Atletismo portuguesas a concentrarem-se para um meeting a realizar no Estádio Magalhães Pessoa. Podem ver-se as de Leiria, de Viseu, de permeio a de Macau (surpreendeu-me mas por algum motivo especial estarão presentes). Também cá estavam Beja, Castelo Branco e muitas outras. Havia uma banda de música a preparar-se para animar a festa. Estávamos no Largo do Papa Paulo VI, vendo-se ao fundo o Castelo de Leiria.
1) Estudantes Universitários a iniciarem os preparativos para a cerimónia da benção das pastas, que vai ter lugar na Sé Catedral de Leiria. Normalmente este Largo da Sé, enche-se literalmente com estudantes e familiares. E, como habitualmente todos os anos, aqui estou eu, no meu escritório a queimar pestanas para que as empresas prestem contas de fim de ano ao Fisco. Mas que fadário!...
Posted by Picasa

2008/05/10

Árvores de Leiria - Esclarecimento que se impõe

Na entrada anterior permiti-me questionar a ausência do site com o brilhante trabalho, "Atlas das Árvores de Leiria", referenciado com muita frequência em variadíssimas oportunidades nos blogues particularmente dedicados à ecologia, botânica em particular.

A observação que então anotei não teve qualquer intenção de criticar negativamente o facto da ausência inesperada daquele sítio na internet. É, de facto, uma pena.


Sei, entretanto - aliás basta consultar o endereço da Associação "Vertigem" - que aquele documento extraordinário e duma utilidade inquestionável, está em actualização. Boa notícia.

Pelo que depreendo, a "Vertigem" é uma associação de jovens e especialmente voltada para jovens. Óptimo! Eu sou um, como se diz na gíria - até me parece mentira mas é a verdade nua e crua - sexagenário. Só que, gosto de intervir com o meu quinhão, no sentido da preservação do ambiente, de colaborar com a organização das comunidades de interesse social, que nos envolvem e nas quais nós, todos nós, nos devemos envolver.

Por isso, caros amigos da "Vertigem", podem contar comigo para o que for preciso. E como eu, pressinto que anda por aí, na blogosfera nomeadamente, muito boa gente, com a mesma disposição.

Não se esqueçam, por favor, de fazer as devidas referências às árvores do Adro e do Largo da Sé de Leiria. Que me lembre e julgue saber: tília tormentosa e jacarandá, ambas estas árvores de porte monumental (O jacarandá da foto a começar a florir, no seu expectante azul lilás), padreiros logo a seguir (saudades minhas e de outros dos "acer pseudo-plátanus" que emolduravam, até, o Largo da Sé e albergavam centenas de pássaros, que nos alegravam a vida com o seu chilrear do amanhecer e do anoitecer...abatidos sem explicação pública), olaias, robíneas pseudo-acácia, melia azedarach.

A foto é de há momentos. Fui à janela, fazendo um intervalo no trabalho... Tirei a foto e, mais uma vez, tive ocasião de observar a incrível desarrumação e balbúrdia que vai aqui pelo Largo da Sé. E os bandos descontrolados, de pombos, anafadíssimos, ainda agora super-alimentados por uma senhora que vai propositadamente a uma loja de rações, aqui perto, comprar às sacadas de milho. Todos os dias. Ninguém põe ordem nisto?

2008/03/02

Leiria de contrastes




1- Da Travessa da Fonte do Pocinho, ao fundo um monumento particular evocativo a N.S. de Fátima.
2- As plantas sempre à espreita da sua oportunidade. Nas escadinhas que seguem para a zona da Fonte do Pocinho. Mesmo ao pé da Escola Secundária Domingos Sequeira, em Leiria, no sopé do monte do Castelo. (Trata-se da erva-andorinha ou erva das verrugas...(*))
3- Depois de uma noite de farra e a habitual falta de respeito pela necessidade de dormir das pessoas que ainda (todas idosas) teimam em viver nas poucas casas com condições de habitabilidade no Largo da Sé. Veja-se a manifesta prova de falta de civismo dos utentes do bar do nº 8. Os próprios concessionários do "Pharmácia Bar" não estão isentos de responsabilidade por estes desacatos. Frequentíssimos, aliás, apesar das muitas chamadas de intervenção da Polícia, altas horas da madrugada.
4- O grupo do "El Corte Inglés" a tomar conta de mais um belo edifício em Portugal. Este painel de azulejos é um dos mais antigos e típicos da cidade de Leiria. Aqui funcionava uma padaria.
- Fotos tiradas hoje, por volta das 11 horas. O dia estava a começar cinzento...

- Quem pode informar do nome e características da plantinha das escadas da Fonte do Pocinho?

(*) Em 07/03/08, Paulo Araújo <pvaraujo@sapo.pt> escreveu:
Paulo Araújo deixou um novo comentário na sua mensagem "Leiria de contrastes": O nome científico dessa planta é Chelidonium majus - em português, é conhecida como erva-andorinha. Consegue viver agarrada aos muros mas também se vê pelos campos; é das plantas silvestres que primeiro florescem. Embora não pareça, é da família das papoilas.

Posted by Picasa

2008/02/07

Um roteiro Boa Vista - Leiria




clic para ampliar
Este roteiro corresponde a um percurso que faço diariamente, a bem dizer. Trabalho na Boa Vista e vou almoçar ao Largo da Sé, em Leiria. Por vezes - frequentemente - logo ao sair do parque de estacionamento do carro (um Rover de 1999 e é um pau...), antes de me dirigir para o meu destino, derivo à esquerda e faço um giro por aquela zona da cidade, Largo do Papa Paulo VI, Jardim Luís de Camões e parte restante do Largo 5 de Outubro de 1910, cuja referência arquitectónica é o edifício da antiga agência do Banco de Portugal. Para mim, esta zona de Leiria constitui um marco incontornável e duma nostalgia a raiar o infinito. É que me vêm à recordação os primeiros anos (cheguei a Leiria em 1966) em que passei a viver nesta linda cidade do Lis e do Castelo (quando não a põem em estado de sítio com obras sobre obras, buracos em cima de buracos, prédios em ruínas, árvores do Largo da Sé abatidas só porque tinham para aí uns 100 anos mas nem eram altas nem ameaçavam morrer...durariam mais um século com muitas probabilidades...). Nesta zona havia cafés, salas de chá e cervejarias sendo, por isso, o principal ponto de encontro dos habitantes da cidade. Lembram-se da "Lísea" (sala de chá e café), do separador central de relva, do outro lado o Jardim da cidade (o único na altura...pouco mais há a que se possa chamar verdadeiramente de jardim, zona verde em bosquete, de preferência...)? Lembram-se, os Leirienses, jovens dos anos 60, da festa que fazíamos quando por ali passava um amigo de carro? Tinha logo que parar, dar e levar notícias e, porque não, carregar a viatura com a malta que por ali estava no paleio e/ou a beber uns finos?...
Mas já me estou a afastar do tema deste post. Ou seja. O roteiro acima referido poderá ser assim descrito: 1) placa de sinalização toponímica quem vai pelo IC2 de Norte para Sul; 2) Uma acácia mimosa imponente, como não se vêm com facilidade, na Rua da Balcota (Este nome de rua deriva do nome dado desde tempos imemoriais a este sítio que era constituído por terras de amanho e pinhais), mais facilmente, na zona do planalto, mesmo ao pé dum jardim de infância; 3) Jardim Luís de Camões fotografado de dentro para fora, na extrema direita, uma ameixoeira de jardim, Prunus Pissardi, a iniciar a sua floração anual; 4) Pormenores da for da dita ameixoeira.
...
Bom, depois disto tudo, há que ir almoçar, que a Zaida, às vezes também a Inês e até o Bruno, já devem estar à minha espera,ou então, dada a minha demora, decidiram ser melhor não esperar por mim...
Posted by Picasa

2008/01/15

Largo da Sé de Leiria - 15jan2008

O Largo da Sé de Leiria, hoje, de manhã.
Destaques:
1- Não sei se na sequência dos protestos da população pelo mau gosto manifestado, finalmente foram retirados os placardes tipo totemes, espalhados pela cidade; o do Largo da Sé, que se pode
rever aqui, então constituía uma situação gritante do despropósito e falta de sentido estético de quem deles teve a lembrança;
2- O amontoado de cadeiras * de esplanada de cor vermelha, amarradas com um cadeado ao candeeiro público, mesmo no centro do Largo lá continua! Esta situação justifica-se minimamente? Não, é claro, até pelo mau aspecto do eventual serviço de bar que reporta ao estabelecimento que ali perto tem instalações;
2- Os bandos de pombos * que frequentam a cidade, particularmente o Largo da Sé, pode-se considerar que são dos principais causadores da degradação em que se encontram alguns prédios antigos desta zona, a começar pelos telhados.
Impressionante a falta de actuação prática dos serviços camarários nomeadamente desautorizando quem os alimenta diariamente, como passatempo, com quantidades astronómicas de milho e água. Os reservatórios de água, em plástico amarelo (mesmo a condizer com o local!?...) estão colocados ao lado da escadaria que liga o Largo ao topo poente do Adro da Sé e à Rua que vai para o Castelo de Leiria. Inadmissível, tanta passividade da parte de várias entidades/autoridades, como por exemplo: Câmara, Delegação de Saúde, Polícia...

* Consultar o tema: largo da sé leiria, neste blogue.

Posted by Picasa

2008/01/07

Leiria - Rua D. Sancho I

Rua D. Sancho I - Leiria. Ao fundo vislumbra-se a casa dos Paivas, no Largo da Sé. A toponímia desta rua justifica-se conforme já referenciado aqui. Na sequência do que vem dito na nota atrás, julgo ser oportuno relembrar aquela que é considerada a nossa mais antiga cantiga de amigo, atribuída a D. Sancho I, composta provavelmente em 1199. (*)

A casa dos Paivas, a celebrizada "Botica do Carlos" do romance de Eça de Queirós, "O Crime do Padre Amaro", inicialmente identificada em letras em painel de azulejos "viúva lamego" com o nome "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva".
Quase todos os dias faço este percurso, as mais das vezes a pé. Infelizmente o Largo da Sé está com um aspecto quase terceiro-mundista. Casas antigas escoradas para não ruirem completamente, o Largo em si transformado num estaleiro, num pombal e numa armadilha para os automobolistas (vejam-se os pinos derrubados; mal começa a chover, lá temos a dança das derrapagens no piso de pedra extremamente escorregadia). Na parte extrema esquerda da foto pode ver-se uma placa alusiva ao insigne poeta Leiriense Acácio de Paiva, que aqui nasceu em 14-4-1863.

(*)

Ay! Eu coitada
como viuo
En gram cuydado
por meu amigo
Que ey alongado!
Muyto me tarda
o meu amigo
na guarda!

Ay! Eu coitada
como viuo
En gram deseio
por meu amigo
Que tarda e non veio!
muyto me tarda
o meu amigo
na guarda!

Esta disposição é a mesma que foi adoptada na ed. da Rev. de Portugal, idêntica à de Th. Braga (Hist. da Lit. Portuguesa, Edade Média, p. 188). Foi reproduzida por D. Carolina Michaelis (CA1, II, pp. 593-594), Audrey Bell (The Oxford Book of Portuguese Verse, p. 1) e J.J. Nunes na Cresc., p. 349, diferente da que adoptara nas Cant. d´Amigo, DXII.

Posted by Picasa