Mostrar mensagens com a etiqueta jardins leiria. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta jardins leiria. Mostrar todas as mensagens

2014/04/12

A frente ajardinada do Centro de Saúde Dr. Gorjão Henriques - Leiria (Unidade de Saúde Familiar D. Diniz)

 Uma tília, olaia em flor, choupos ainda despidos de folhagem
A Gazânea (Gazanea rigens) é uma planta perene de origem africana, excelente para bordaduras e que requer poucos cuidados. Resiste bem à seca e às baixas temperaturas, mas sendo regada e estando bem exposta ao sol floresce abundantemente. Há flores de várias formas e cores, como se vê por esta pequena amostra. O aspecto da folhagem também é variado. (copiei integralmente esta descrição do meu amigo Augusto Mota ).
 Fragmento de pormenor duma olaia; princípio do mês de Abril de 2014

Gazânea
                                               Gazânea
                                             Gazânea
 Pormenor da folha e princípio de floração da tília.
Uma tília, vendo-se em fundo o Instituto Politécnico de Leiria.
-
Fotos tiradas no princípio de Abril de 2014 na frente ajardinada do Centro de Saúde Dr. Gorjão Henriques em Leiria 
(Unidade de Saúde Familiar D. Diniz)
- Pode-se  consultar muita e valiosa informação na área da Saúde Familiar, lendo a publicação mensal "JORNAL", edição deste excelente Centro de Saúde Pública. 
*
Ver também no Facebook 

2011/09/08

À atenção da Câmara Municipal de Leiria

É agradável passear no jardim de Sto. Agostinho, em Leiria.

Clicando, pode ler-se o texto alusivo à geminação das cidades de Leiria e de Rheines, na Alemanha.


As folhas típicas dum Quercus rubra, não do Quercus robur.
Lembrei-me de voltar à carga em relação a esta falta de senso, que é manter este carvalho (Quercus rubra) como símbolo dum acto público e de relevo internacional para a cidade de Leiria, porque no texto da placa alusiva se refere explicitamente a um Quercus robur.
Porquê esta teimosia? Ou negligência?


É claro como a água cristalina duma fonte à antiga que aquele carvalho não é um Quercus robur, é um Quercus rubra.


Ainda no tempo da outra senhora tive ocasião de enviar um e-mail à Presidência da Câmara (também alertei, de viva voz, a própria Presidente da Câmara de então) a chamar a atenção para este facto, singelo, mas que é imperioso corrigir. Por vários motivos.
- Imagine-se, por exemplo, que se aproveita o espaço arejado e acolhedor do Jardim de Sto. Agostinho para levar crianças a observar as várias árvores que ali existem: Catalpas, choupos, plátanos, carvalhos, tílias, ulmeiros, salgueiros, freixos, ameixoeiras de jardim, etc.


A discrepância entre o nome referido na placa alusiva ao acto da geminação de Leiria com a cidade alemã de Rheine é notória, para quem consegue distinguir estes dois tipos de Quercus. Mas também é susceptível de gerar confusão para quem queira conhecer as árvores pelos seus verdadeiros nomes.


Não seria tempo de se desfazer este equívoco?
Não seria fácil transplantar este carvalho para outro sítio (pode ficar neste jardim, até podia ficar a simbolizar um gesto de pedagogia ambiental)? E colocar neste preciso local um verdadeiro Quercus robur?

Repare-se na diferença das folhas:
Enquanto este, que plantei há 3 anos no meu quintal, o Quercus robur, tem as folhas ondeadas, o Q. rubra tem-nas ponteagudas. Uma diferença nítida que distingue dois tipos diferentes de carvalhos.
E não me venham dizer que esta é uma questão de somenos. Não é. 
A verdade é que, passados que são vários anos, a árvore colocada no lugar errado continua a crescer...

Só conhecendo a Natureza se pode aprender a amá-la, em consequência, a preservá-la.

Como se impõe cada vez mais, cada dia que passa!...
-
Passo a transcrever, 18 horas após escrever este apontamento:

Há na paz desta tarde
Rente às árvores
Uma tensão oculta um mistério
Um prenúncio de tragicidade
- oco talvez -
Mas são sombrias as sombras
pendentes no movimento pausado
da folhagem
Há formas que nunca viste
Na arquitectura vegetal do momento
Há formas que nunca viste

...
Excerto dum belíssimo poema de Lídia Borges, no seu blogue "Searas de Versos", precisamente, aqui.
@as-nunes
Posted by Picasa

2009/10/24

Mais um ícon de Leiria que desaparece




Vivo em Leiria há 43 anos
Julgava-a imortal
A recordar antanho
Até ao momento final.


Mais uma árvore do Jardim Luís de Camões, Leiria, que desaparece da nossa vista, mas não das nossas recordações…


Nos últimos anos, que me lembre:


Duas tílias monumentais
Uma árvore do ponto (tulipeiro)
Uma Faia púrpura
Agora, um Cedro de muitos anos, quantos nem eu sei.


Espero bem que aquele recanto do jardim seja requalificado sem o descaracterizar. Há que conservar os espaços do núcleo urbano e histórico da cidade. Só assim poderemos afirmar que Leiria é e será uma cidade diferente das outras. Que vale a pena visitar, olhá-la e nela permanecer!
Posted by Picasa

2008/09/22

Outono 2008 em Leiria

(clic para ampliar)
Foto tirada de costas para o antigo Mercado, na direcção do Centro de Leiria. Pode-se ver a rotunda do Sinaleiro, a ponte Engº Afonso Zúquete, uma Melia Azedarach a sobrepor-se a um freixo antigo e de grande envergadura, ameixoeira de jardim (Prunus Pissardi), um choupo (à direita), o jardim da fonte luminosa com arbustos e plantas rasteiras (claro, por baixo está um parque de estacionamento de automóveis!).Há quem já ironize dizendo que qualquer dia só falta organizar umas caçadas ao coelho, que às tantas até os poderá lá haver. Eu não vou tão longe!
Enfim. O Outono já está a contar as horas para se apresentar no calendário do tempo...

Posted by Picasa

2008/06/08

Contradições

A Natureza, neste caso, o Jardim do Seminário Diocesano de Leiria, manifesta-se em todo o seu esplendor. As pessoas preocupadas, a Rádio a falar da greve (?!) dos motoristas...ou lock-out(?) dos patrões ( a coisa está feia!). Como era esperado, há muito, o problema dos preços do petróleo e dos impostos a ele alapados estão a originar levantamentos populares, sabe-se lá com que consequências futuras...

Inquietação

Tempos incertos
Inquietos
Irrequietos

Serão de mudança?
Que mudança?

Inquietante esta inquietação
Revoltante esta falta de coesão

Esta globalização desalmada
Desconjuntada
Malbaratada...

Há inquietação
E emoção
E desilusão

Eis a origem
Desta vertigem…

Inquietante!...


António Nunes
Junho 2008

(Este post tem vindo a ser adaptado todos os dias desde que foi colocado na data)

Posted by Picasa

2008/04/02

Dentro de ti, ó Leiria... Jardins e Árvores...

Posted by Picasa
Esta pilha de fotos pode ser observada, uma a uma, no vídeo/slide show abaixo.
A carregar em breve...(Vamos lá a ver quando!...)
Entretanto, aqui fica um teste com o "Picasa"

video

Também se podem seguir os trilhos A e D

2008/03/06

Casa Museu - Fundação Mário Soares


Subindo para o edifício da Casa Museu-Fundação Mário Soares, nas Cortes - Leiria. Fui devolver um livro que tinha trazido de empréstimo da Biblioteca João Soares: "Antologia da Literatura Portuguesa". O jardim implantado num declive não é de grandes dimensões mas muito agradável e com uma esplendorosa exposição à luz solar.

Um pinheiro manso monumental e busto de João Soares, pai de Mário Soares.

Painel de azulejos intitulado "O Cristo dos Pescadores", de Hein Semke, instalado no recanto superior do jardim, junto ao edifício e ao pinheiro manso.
Informações mais pormenorizadas podem ser obtidas no sítio .
Posted by Picasa

2008/02/10

Ao Deus dará?!

No dia 8 de Maio de 2003, de manhã, num banco do Jardim Luís de Camões, em Leiria. Hoje, já o jardim foi requalificado - modificado para linhas ditas mais modernas - mas esta imagem ficou a marcar-me, o seu significado a martelar a minha consciência, a requerer uma reflexão séria sobre exclusão social e igualdade de oportunidades de vida. Claro que dada a minha idade, seis dezenas de anos, já passei por muitas situações como esta, infelizmente. Mas esta, captei-a na minha máquina fotográfica, e por cá foi ficando escondida no emaranhado de ficheiros desorganizados do meu computador.Claro que não fui acordar o ocupante deste banco de jardim, tão concentrado no seu sono que ele parecia. Sono de cansaço? De cansaço e de fome? De solidão, de cansaço e de fome? Desalento cansado?
Ou simplesmente, a viver a vida ao Deus dará e ser capaz de ser feliz!?
A publicação deste texto e da fotografia, neste meu blogue, foi motivado pelo último post colocado no
http://meninamarota.blogspot.com
Posted by Picasa

2008/02/07

Um roteiro Boa Vista - Leiria




clic para ampliar
Este roteiro corresponde a um percurso que faço diariamente, a bem dizer. Trabalho na Boa Vista e vou almoçar ao Largo da Sé, em Leiria. Por vezes - frequentemente - logo ao sair do parque de estacionamento do carro (um Rover de 1999 e é um pau...), antes de me dirigir para o meu destino, derivo à esquerda e faço um giro por aquela zona da cidade, Largo do Papa Paulo VI, Jardim Luís de Camões e parte restante do Largo 5 de Outubro de 1910, cuja referência arquitectónica é o edifício da antiga agência do Banco de Portugal. Para mim, esta zona de Leiria constitui um marco incontornável e duma nostalgia a raiar o infinito. É que me vêm à recordação os primeiros anos (cheguei a Leiria em 1966) em que passei a viver nesta linda cidade do Lis e do Castelo (quando não a põem em estado de sítio com obras sobre obras, buracos em cima de buracos, prédios em ruínas, árvores do Largo da Sé abatidas só porque tinham para aí uns 100 anos mas nem eram altas nem ameaçavam morrer...durariam mais um século com muitas probabilidades...). Nesta zona havia cafés, salas de chá e cervejarias sendo, por isso, o principal ponto de encontro dos habitantes da cidade. Lembram-se da "Lísea" (sala de chá e café), do separador central de relva, do outro lado o Jardim da cidade (o único na altura...pouco mais há a que se possa chamar verdadeiramente de jardim, zona verde em bosquete, de preferência...)? Lembram-se, os Leirienses, jovens dos anos 60, da festa que fazíamos quando por ali passava um amigo de carro? Tinha logo que parar, dar e levar notícias e, porque não, carregar a viatura com a malta que por ali estava no paleio e/ou a beber uns finos?...
Mas já me estou a afastar do tema deste post. Ou seja. O roteiro acima referido poderá ser assim descrito: 1) placa de sinalização toponímica quem vai pelo IC2 de Norte para Sul; 2) Uma acácia mimosa imponente, como não se vêm com facilidade, na Rua da Balcota (Este nome de rua deriva do nome dado desde tempos imemoriais a este sítio que era constituído por terras de amanho e pinhais), mais facilmente, na zona do planalto, mesmo ao pé dum jardim de infância; 3) Jardim Luís de Camões fotografado de dentro para fora, na extrema direita, uma ameixoeira de jardim, Prunus Pissardi, a iniciar a sua floração anual; 4) Pormenores da for da dita ameixoeira.
...
Bom, depois disto tudo, há que ir almoçar, que a Zaida, às vezes também a Inês e até o Bruno, já devem estar à minha espera,ou então, dada a minha demora, decidiram ser melhor não esperar por mim...
Posted by Picasa

2008/01/12

Olhando Leiria através das suas árvores

Desde a margem direita do rio Lis - perto da Ponte Sá Carneiro, olhar filtrado pelos troncos de plátanos, um ou outro choupo e um salgueiro; folhas caídas pelo chão a colorir o declive da margem. Em segundo plano divisa-se parte do antigo convento de S. Francisco, depois "Companhia Leiriense de Moagem", hoje ocupado por um Banco. Paredes meias com a Igreja de S. Francisco.

Eucaliptos encantados: repare-se nas cores branca e vermelha das flores destes dois tipos de eucaliptos
No jardim quase incógnito, diria mesmo, desamparado, do Vale Sepal/Rua Paulo VI (talvez a mais comprida rua de Leiria; mais de 3 km, já que vai desde a rotunda da "Total"/Bombeiros até entroncar no IC2).

Uma visão de 80% do jardim atrás citado. Repare-se no tipo particular de eucalipto em 1º plano. Ainda não consegui apurar o seu nome científico. Mas hei-de conseguir!...

Posted by Picasa