Mostrar mensagens com a etiqueta inês. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta inês. Mostrar todas as mensagens

2016/10/29

Dentro de ti, ó Leiria ou Balada do Encantamento


Este vídeo foi inspirado e complementa a minha crónica que irá ser publicada no Diário de Leiria, na próxima segunda feira, dia 31 de Outubro de 2016.

Fica aqui, desde já, o espaço para a sua reprodução... 
Ei-la:

-
Em modo DISPERSO… (XXIII)

Dentro de ti, ó Leiria.
Balada do Encantamento
Letra e música de D. José Paes de Almeida e Silva

Falemos, agora, de duas das canções/baladas que mais simbolizam a cidade de Leiria, a sua mística histórica, poética e artística em geral, e as suas gentes. Na minha opinião, claro está, aquelas que mais contribuem para o badalar de Leiria pela via da música, entretanto já muito divulgadas através de vídeos, serenatas de estudantes e pelo Orfeão de Leiria, são:
A “Canção do Porvir” e “Dentro de ti, ó Leiria”.
Vou deixar para uma nova crónica, a história de “A Canção do Porvir”. Não é porque para com ela tenha menos deferência, muito pelo contrário, mas porque hoje me apetece ´ouvir` a “Balada do Encantamento”.  Com certeza  que me acompanharão neste gosto.
Quem não conhece a sua letra? Pelo sim pelo não aqui fica:

Dentro de ti, ó Leiria
Vive uma moira encantada,
Não sabes, é minha amada
E tem por nome Maria.

Leiria foste um ladrão
Leiria do rio Lis.
Roubaste-me o coração
E, vê lá tu, sou feliz.

É sempre com incontida emoção que ouço esta belíssima canção, que me habituei a saborear, encantado, desde que cheguei a Leiria em 1966. Esta balada cantada ao modo do fado de Coimbra acabou por se transformar num meio de consagração da histórica - sempre bela e romântica - cidade de Leiria, que aprendi a amar como se a minha terra natal fosse.
Conheço duas interpretações vocais desta balada, as duas excelentes: Uma, de Janita Salomé e outra  do mesmo nível, de Manuel Branquinho, esta gravada há 41 anos. Uma e outra versão podem ser ouvidas com facilidade por consulta direta na internet através do motor de busca da Google.

“Dentro de ti, ó Leiria” é uma das canções/baladas mais belas, significativas e simbolicamente ligadas a Leiria. A sua letra e música enraizaram-se rapidamente nas emoções de ser Leiriense e, mais tarde, adotada como balada indicativo das serenatas da Sé de Leiria vividas pelos estudantes Universitários da cidade do Lis… e do seu Castelo… e de Rodrigues Lobo… e do Eça, que por aí anda no Largo da Sé… e pelo lídimo poeta Leiriense Acácio de Paiva, que nasceu na casa de azulejos azuis “viúva lamego” em 1863… e onde se iniciou a família dos Teles e Paiva, … etc. Foram muitas estas serenatas, no mês de Maio de cada ano, que eu ouvi enquanto trabalhava no meu escritório no primeiro andar da casa de família, a “Pharmácia Paiva”, naquele Largo. Foram muitos anos. Até que, por volta do ano 2008, nos mudámos para a Barreira. Aquela balada, porém, ficou-me nos ouvidos. Talvez para sempre…

O seu autor, 1899-1968, D. José Paes de Almeida e Silva, nasceu em Vagos, mas a sua ligação a Leiria ficou indelevelmente gravada no som da letra e da música desta extraordinária balada/fado.  Foi eleito pela Academia de Coimbra como o seu filho dileto na música através de Baladas, Canções, Operetas, Música Coral, Música Instrumental, que acabou por ser tocada na sua Tuna, da qual chegou a ser Regente entre 1929 e 1931.  Em simultâneo, sempre que necessário, foi o Maestro do Orfeão Académico de Coimbra, o que lhe proporcionou excelentes relações de amizade com os nomes mais sonantes do fado e da guitarra Coimbrã. O período de 1920-1930 passou para a história como a “Década de oiro da academia de Coimbra” (Dr. Afonso de Sousa, que chegou a tocar a música de D. José à guitarra com Artur Paredes, enquanto estudante nesta cidade).
Em 1929 a Tuna Académica de Coimbra deslocou-se a Leiria onde foi acolhida em apoteose. Nesta altura, D. José Paes de Almeida e Silva, com a ajuda preciosa do Dr. Américo Cortez Pinto (outro vulto Leiriense a não deixar que se perca nas brumas da memória) conheceu D. Maria Isabel Sousa Charters de Azevedo, daqui natural, e com ela acabou por casar.
Foi esta ligação sentimental que o inspirou a escrever e musicar “Dentro de ti, ó Leiria”, que ficaria celebrizada para todo o sempre como a “Balada do Encantamento” de Leiria.
Esta balada foi tornada pública no dia seguinte ao da sua chegada a Leiria pela voz de encantar do célebre Edmundo Bettencourt, um dos seus amigos de boémia e tertúlia Coimbrã. Logo a seguir voltou a ser cantada nos Paços do Concelho de Leiria por um cantor conhecido de nome  Vicente. E assim Leiria do rio Lis se rendeu aos encantos da moura encantada que dentro dela vivia... e continuará a viver. Ad eternun
D. José acabou, mais tarde, por alturas de 1943, por se mudar para Leiria, onde a família Charters de Azevedo tinha casa e propriedades nas Cortes.
A sua paixão pela Música manteve-se inalterada e chegou a ser Maestro do Orfeão de Leiria, que regeu, pela primeira vez em 7 de dezembro de 1948, no Teatro da cidade, o magnífico e infamemente já demolido, Teatro D. Maria Pia.
Ler mais no livro “D. José Paes de Almeida e Silva – Vida e Obra Musical” de Adélio Amaro, ed. Folheto, 2015, com o apoio de Teatro Nacional de São Carlos e Fundação Caixa Agrícola de Leiria.

Até à próxima.

2016/05/18

É linda a minha terra...Moçambique



A minha filha INÊS, que nasceu em Moçambique, em 1969.
Publicou este vídeo no seu facebook https://www.facebook.com/ines.paiva.39/posts/10206619150018303

Apresentou-se:
Não me lembro dela, mas sinto um carinho especial por esta que é a terra que me viu nascer! Um dia hei de ir lá!

Eu comentei:

À minha filha Inês. Tinha 22 anos e mobilizaram-me para a guerra em Moçambique. A tua mãe estava grávida de 7 meses quando partiu para Moçambique para viver a aventura do desconhecido. Ficaríamos em Lourenço Marques (hoje, Maputo)? Talvez... Não pudemos ficar mais que um mês. E lá fomos mandados para Nampula em aviões a hélice. Lembro-me de que se chamavam "Friendship" alguns desses aviões. Percorremos a África de Norte a Sul, de Oeste para Este; de Este Sul para Este Norte.Muitos milhares de kilómetros. Anos 60, 1969/71. Não te podes lembrar, não, mas chegámos a estar numa esplanada na Ilha de Moçambique e tu a comeres camarão. Tinhas menos de dois anos de vida. Estávamos com o cap. Trindade e ´avó`Gi ... os barcos à vela a chegarem à praia junto ao forte, os passageiros muçulmanos a virem às cavalitas para terra... o Oceano Índico, a Ilha cantada por Camões nos Lusíadas... 500 e tal km de picada de Nampula à Ilha... e volta. Seriam mais? <3 span="">

2016/01/21

Nampula, Zaida Paiva Nunes, Inês. Moçambique 1970. Enfim: Crónicas de Moçambique





Crónicas de Moçambique 1970 (1-8mm)

Sem mais delongas e pormenores:
A Zaida e a Inês (Paivas e Nunes).

A foto a seguir é uma "frame" (vou ver se descubro uma palavra portuguesa que possa ser usada com este significado) dum filme feito em 8mm. 
Estávamos em 1970, na estrada que saía de Nampula em direção ao interior (Mueda, Tacanha, Praia da Choca (200 km +- no Índico), Ilha de Moçambique, etc. Já não me recordo se íamos a caminho de Tacanha (onde viviam uns primos meus) ou se íamos em direção à Ilha de Moçambique ou à praia. A única estrada alcatroada que havia à volta de Nampula, na altura, eram cerca de 80 km+- talvez 100... Eu estava a cumprir o SMO (Serviço Militar Obrigatório: não meti cunhas para não ir, talvez não conseguisse ou talvez sim, quem sabe; ao fim e ao cabo tinha um outro primo na zona de Lourenço Marques (Maputo) que era afilhado do Governador Geral de Moçambique eheh é verdade... ou são as minhas memórias que já andam a misturar lembranças toldadas no nevoeiro do tempo?!...) Ah, já me estava a passar, eu era Alferes miliciano do SAM (mais tarde posso decifrar esta sigla, se tiverem interesse nisso) e estava colocado num Batalhão de Engenharia, ao lado o Hospital Militar (helicópteros de evacuação de feridos em combate a todo o momento...); a Zaida acabou por arranjar colocação na CELC (depois falamos...) e tinha funções de Alferes (sim, sim...). Bolas. Tenho a impressão que me estou a meter num ´molho de brócolos`... (continuará?!) ...
-
comentários no FB:
-
António Nunes  Claro, é que o pensamento é tramado. Traz-nos lembranças e tanta nostalgia que não há quem resista! E aqueles serões, depois que chegámos, no Largo da Sé? E aqueles dias com o Trygva? Lembra-se, compadre? Aquele radioamador que veio da Noruega e esteve uns dias lá em casa? Aquelas batatas com bacalhau que ele comeu com uma satisfação inaudita, que não sabia que se comia bacalhau sem ser em papa/moído, sei lá. E aquelas guitarradas? Tenho mesmo que escrever uma crónica de todo esse tempo fantástico!
Jorge Viegas Claro que me lembro disso tudo!... E apesar da vida ter dado muitas voltas, o sentimento, apesar de não ser cultivado, continua o mesmo, e tenho por vocês uma grande estima, acreditem!...
Carlos Alberto Porque não te expões e passas para o papel as memórias boas e más dessa vergonhosa guerra, pensa nisso e avança, grande abraço
Aurora Simões de Matos Memórias bonitas que ficaram... São elas o lastro de um viver. Abraço meu...
António Nunes  Ó Carlos, meu amigo. Hoje emocionei-me de mais com este fragmento/instantâneo dum filme de 1970. Esse filme daquela parte da minha vida passou-me pela mente como se fosse um flash que conseguiu sobrepor todos os seus instantâneos. Vou mesmo começar a escrever "Crónicas de vida em Moçambique nos anos 70".
É verdade, cara amiga Aurora Simões de Matos.
Afinal, fui mobilizado para um teatro de guerra, tinha 21 anos, meteram-me num avião porque ia em rendição individual, tinha casado uns meses antes, a minha mulher 1 mês depois vai ter comigo, grávida de 7 meses e tal (contra tudo e todas as opiniões) Lourenço Marques-Beira-Nampula, a minha filha nasce em Nampula (um Hospital Civil de primeira qualidade, improvável para aquele tempo), encontro lá três primos na sua vida civil... Uma história que à medida que os anos passam me parece cada vez mais um sonho inverosímel. Retribuo o abraço com amizade...

Tanta coisa para nada, caro António Nunes. Por lá morreram 3 amigos meus. Sem proveito e sem glória... A sua história é algo parecida com a de outros que testemunhei. Na Beira ( Mueda) nasceu-me uma sobrinha... entre mato e água insalubre... filha do comandante da Companhia. E tudo já passou. Abraço para os três heróis Paiva e Nunes.
-

2015/03/31

Largo Sé de Leiria, para memória futura


Em 2000?

Andava o Largo da Sé de Leiria, em obras... Pinos com fartura!...
Ainda lá morávamos, na casa dos Paiva.

O banco, que tenho andado a mostrar,  seria colocado pouco tempo depois...
(ver  neste link)

2014/08/05

À minha mãe Encarnação no dia do seu 90º aniversário


((Em 1971/2 (na quinta da Fernandinha (Bº Abílio Jerónimo - Viseu) com a Inês, ao colo, e a Isabelita (Hoje Prof. Dra. da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra))

A ti,  minha mãe
(no dia dos teus 90 anos)

No dia 4 de Agosto de 1924
No Casal pela primeira vez
Tu, minha mãe, viste  a luz
Tempos de extrema escassez 

A minha avó Queiriga (Caria)
Esperou até eu regressar
Da guerra de Moçambique 
A Zaida, a Inês,  comigo a voltar

O meu avô, teu pai
Não o cheguei a conhecer
Só me lembro 
De no Porto falecer

Dizes que sou parecido com ele
Dizem que sou parecido contigo
Olho-me na fotografia
A ver se o avô ver consigo 

Só vejo que cada dia que passa
Contigo me sinto mais parecido

Salve, Mãe
antónio

2013/08/25

Elogios a S. Pedro de Moel por Acácio de Paiva

Farol e Penedo da Saudade em S. Pedro de Moel.

Sábado próximo passado 
(ou simplesmente, ontem), 
desde o terraço do hotel SoleMar, 
em S. Pedro de Moel
a partilhar 
as emoções 
de um casamento muito particular...
-
Acácio de Paiva não se cansou de cantar, nos seus poemas, esta bela zona do litoral leiriense...
Lá ia todos os anos visitar o seu grande amigo Afonso Lopes Vieira;

(...)
E mais vereis ainda;
Por sobre o mar, numa vivenda linda,
      Mora o Lopes Vieira,
o poeta mais poeta do país,
(...)

Quem passar por Leiria,

A amada de Dinis e de Isabel,
Não deixe de fazer a romaria
À praia de S. Pedro de Moel
       E ali, de visitar
(Por isso romaria a denomino)
Lopes Vieira, o poeta peregrino
       Do pinhal e do mar.
(...)
Um poeta? Que digo?! Toda a gente,
Todos os noivos, todo o Portugal
Pois tudo em Portugal palpita e sente
Como os pobres poetas afinal.
(...)
Ora em fúria e rugidos de ameaça,
Esmagando quem nele confiar,
Pela inveja, de raça contra raça,
Que sempre dividiu a terra e o mar,
E então S. Pedro de Moel abraça
O mar e a terra, ajunta, concilia
Põe lágrimas das ondas na caruma
Do pinhal de Leiria
E este as ondas, benéfico, perfuma,
De modo que das Águas de Madeiros
Até junto do Penedo da Saudade
Antes, como excelentes companheiros,
Assinaram contrato de amizade.
(...)

Acácio de Paiva
1863-1944
- pp 83-86, Acácio de Paiva, Insigne Poeta Leiriense, CML 1988

@as-nunes 

2013/06/03

Saudades de Mocambique ...

Shegundo Galarza - Saudades de Mocambique

Saudades, Moçambique!....


Em 1971, a Inês e a Zaida... na Ilha de Moçambique...
Este é um instantâneo dum filme em 8 mm, o operador de câmara, realizador, produtor, guionista, técnico de imagem e som (o som é que era o diabo, este ainda andava com o dito à solta...)...
ah, pois, esse génio do cinema e da fotografia era eu...

2008/04/01

Nampula, Ilha de Moçambique


video
O Presidente da República Portuguesa, Prof. Aníbal Cavaco Silva, fez recentemente uma visita por mais um dos países da Lusofonia (no sentido universal do termo) e pelo incremento das relações empresariais entre as duas nações, Portugal e Moçambique. (as fotos da montagem são do site da Presidência da Rapública).

Esta viagem fez-me recordar inevitavelmente dois anos da minha vida. Jovem, militar a cumprir o serviço obrigatório, recém-casado.
Em 13 de Junho de 1969 parti de avião para esta zona, em missão de serviço militar. Como era do SAM, consegui ter comigo a minha mulher, Zaida, e a Inês, minha filha, que nasceu em Nampula em 1 de Setembro de 1969.
Passámos uma semana de férias na Ilha de Moçambique. Uma ilha Índica e lindíssima, habitada por pessoas de diversas culturas e religiões...
Até parece que estou a ver o "Boeing 727" da TAP a partir, em 1971, levando a bordo a Zaida e a Inês (menos de 2 anos de idade), eu a ter que ficar mais 3 meses, lavado em lágrimas, já com saudades, naquele momento redobradas...

Posted by Picasa

2008/01/05

Espanha e Suécia em Portugal



Hoje de manhã, um nevoeiro denso, tempo manhoso, lá nos metemos a caminho de Lisboa a partir de Leiria, pela A1.
Estou a ficar cada vez mais caseiro, não sei o que se passa. Mal posso perder de vista o Castelo de Leiria. Mas desta vez a minha filha Inês lá me convenceu a ir com ela, a mãe e os filhos a vistoriar o "El Corte Inglês" e o "Ikea", dois grandes centros comerciais, o primeiro duma grandiosidade que me surpreendeu e o segundo da mesma forma ainda que mais vocacionado para as decorações da casa mais à base de madeira e afins.
Não é que estivesse com muita vontade de me meter em barafundas na zona de Lisboa num dia de tempo chuvoso...mas lá fui.
Chegámos há pouco, cansadíssimos, malfadado IC19 de que tanto tenho ouvido falar (mal). Imagino o sacrifício tremendo a que são submetidos diariamente os milhares e milhares de automobolistas e acompanhantes que têm de utilizar aquela via todos os dias. É impressionante o movimento que circula ininterruptamente neste itinerário.
Bem, tirando o desacerto da ligação do "El Corte Inglês" para o "IKEA", porque seguimos as orientações que levávamos num mapa e que, azelhice nossa (mais minha como navegador a pedir reforma), nos levou a ir até ao Aeroporto e daqui para a 2ª circular e depois para o IC19 até Alfragide. O que valeu é que tínhamos ao volante a persistência e presença de espírito da Inês, apesar de não estar habituada a estas andanças.
Cá vamos andando...entretanto temos que convir que o investimento estrangeiro em Portugal se nota bem em comparação com o fraco empenho dos investidores nacionais. O dinheiro empatado no banco e na compra de activos financeiros na mira de lucros gerados nem sei bem como não é, com toda a certeza, a melhor via para o desenvolvimento do nosso país.

Posted by Picasa

2007/10/23

Balada do encantamento...Leiria

..Junto à ponte do Arrabalde, o Outono 2007 a espreitar-se ao espelho, através do rio Lis.

Recantos encantados de Leiria. Ou não fosse a cidade do fado/canção:
Balada do encantamento...
Dentro de ti, ó Leiria
Vive uma moira encantada,
Não sabe ser minha amada,
E tem por nome Maria.

Leiria foste um ladrão
Leiria do rio Lis.
Roubaste-me o coração
E, vê lá tu, sou feliz.
(Letra e música de D. José Pais de Almeida e Silva)
Posted by Picasa

2006/09/01

ANIVERSÁRIOS de PESSOAS IMPORTANTES

Hoje faz anos a minha filha Inês!

A Inês com 1 ano de idade, Setembro de 1970, Nampula, Moçambique. O pai, "este que vos está a escrever", estava a cumprir o serviço militar obrigatório. A mãe, a Zaida, levou-a para Moçambique, já com 7 meses e tal de vida. Convém referir, no entanto, que só viu a luz do dia, umas semanas depois. Conseguimos este feito porque eu era alf. miliciano do Serviço de Administração Militar e passei os dois anos nesta cidade. Bem bonita, por sinal, com acácias vermelhas, muitas acácias, pelas ruas/avenidas e no jardim "Felgueiras e Sousa" e com um perfume que perdura na minha memória, até aos dias de hoje. Mangas e papaias colhidas directamente da árvore. Fabuloso! Que saudades! Como será Nampula na actualidade?

Já com 10 anitos! Um dia de passeio, algures pelo pinhal de Leiria, um raminho de flores para oferecer à mamã! Lembras-te Inês?