Mostrar mensagens com a etiqueta diario do meu jardim. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta diario do meu jardim. Mostrar todas as mensagens

2017/06/01

2017/04/16

Trevo ou erva-azeda no meu jardim/quintal



Fotografia nesta data, no meu jardim/quintal.  Centro Oeste de Portugal.
Se formos à wikipédia:
Botânica
  • Oxalis pes-caprae — planta conhecida popularmente como trevo-amarelo ou azeda

------
Confirmado na minha Enciclopédia Botânica.

2016/11/17

pelo meu jardim com Leonard Cohen - Suzanne


Enquanto o tempo não enjoa, que já vejo nuvens a Este, tocadas a vento, ligeiro por enquanto, vindo de norte, escuras, cinzento-escuro, no momento em que estou a fazer esta edição.
Por volta do meio dia dei um giro pelo meu jardim de máquina fotográfica na mão para uma sessão de fotografia. O tempo estava majestoso, sol a rodos, temperatura amena.
Lembrei-me de fotografar vários aspetos do chão, que tenho andado, ao longo destes últimos 25 anos, a construir pelas minhas próprias mãos.
Quando vim para aqui morar, casa comprada a prestações ao banco, ainda era tempo de juros que chegaram a atingir os 24%, todo o chão, aqui à volta, era em terra batida, simplesmente.
Um dia destes ainda aqui mostro uma fotografia de helicóptero que me tiraram à casa. Talvez em 1995. Vê-se um bocadito de erva/relva, o princípio dum caminho, nada mais.
Foi a melhor forma que encontrei para ouvir, mais uma vez, Leonard Cohen, na sua canção "Suzanne"...
... e recordo o Ateneu Desportivo de Leiria, com o que sobrou duma placa de sinalização dum jacarandá que ainda vive no Largo da Sé, em Leiria. Na altura, aquele Largo, assim como outros sítios da zona histórica, andavam em obras de repavimentação. Este painel andou aos rebolões pelo chão, quis entregá-lo aos serviços, não ligaram ao assunto, que tipo mais esquisito, para que serve esta coisa, vai daí, guardei-o, durante meses, ao fundo das escadas do prédio. Voltei a falar no assunto, ninguém se importou, coisa de somenos importância. 
E pronto. Acabei por o integrar no painel de caminhos e recantos calcetados do meu jardim...
Todos os que foram colocados na Praça Rodrigues Lobo, pelo menos esses, estão completamente apagados. As pessoas encostam-se às árvores e apoiam um pé, no painel, os anos passam e o desgaste é inevitável. É pena.
Por altura da colocação desses painéis identificativos no solo, junto a árvores e arbustos, pela cidade de Leiria, estávamos a comemorar 50 anos desde que o Ateneu Desportivo de Leiria foi criado. Mais precisamente, no dia 1 de Março de 1997.
Cheguei a fazer parte duma direção nos anos 80.

2016/09/07

Feijoa do meu jardim


No meu Facebook
António Nunes
7 de Setembro de 2014 · Editado ·  · 
As feijoas continuam a crescer, devagarinho...
e à custa de regas diárias...
Uma maravilha, ao fim de tantos anos a darem só flor (muito bonitas, por sinal), finalmente o fruto! 
... 3 pancadinhas no tampo da mesa de madeira!!!! 
-
Hoje, 7 de Setembro de 2016 estão muito mais atrasadas:





2016/02/05

Diário do meu jardim - rosas brancas



ao alcance da mão
mesmo à frente da janela
ora alva como a estrela
ora pequenina branca e rosa

ouvi-a dizer
bom dia
e ficou em pose
tira-me uma fotografia

BOM DIA


3fev2016

2015/12/21

Camélia branca e o Natal 2015


---

Uma camélia branca como a neve e a seda

A família (parte) está a começar a juntar-se
olho pela janela da sala
impressionado pela claridade 
da luz solar
vejo-a a refulgir no meio do jardim
sinto que o momento é único
não o posso perder para sempre
aqui deixo o registo
brancura de neve e seda
faz de conta que é o tempo que devia fazer
......
as-nunes
dez15


2014/02/04

Diário do meu jardim ... 4 Fevereiro 2014 - quarto-crescente


2013/12/14

A Feijoa no meu jardim


Há dias no meu jardim. Este arbusto já o tenho no meu quintal há mais de 5 anos. Dá flores espetaculares, como se pode observar abaixo. Frutos é que estava conformado a que não os conseguisse. A frutificação iniciava-se mas caía, logo de seguida.
A Zaida encontrou este fruto, na semana passada, no chão junto ao arbusto, o que constituiu, para nós, uma grande surpresa. Nem demos por que ele estivesse na planta. Deve ter sido o vento forte que se fez sentir que o fez cair. 
Será que agora é que vai começar a frutificar?

 foto de hoje.



Pode ler-se algo mais sobre a feijoa:
aqui
aqui (wikipédia)
Feijoa (=Acca) é um gênero da família Myrtaceae que inclui uma única espécie, a Acca sellowiana (nome antigo: Feijoa sellowiana), conhecida vulgarmente por goiaba-serrana ou goiaba-ananás. É um arbusto vivaz ou árvore de pequena dimensão, atingindo entre 1 e 7 metros de altura, originário das terras altas do sul do Brasil, leste do ParaguaiUruguai e norte da Argentina.

2013/06/30

Hoje ao cair da tarde... sossego desassossegado!

                    jarro e alfazema                                                                         hibisco

Olhar a natureza
ver o sossego
sentir o mundo
em desassossego

@as-nunes

2013/06/25

2013/06/22

Apresento-vos a D. Herzília Magalhães

Hoje à tardinha...no meu jardim...


Esta camélia 
já devia ter sido aqui apresentada, 
aí em meados de Fevereiro 
o mais tardar.

Este ano, porém,
o tempo tem bulhado demais 
com os seus pergaminhos...

Só hoje é que dei por ela
meio disfarçada 
por entre a folhagem
como que a procurar 
entender
o que se passa...

Ouvi um olá 
envergonhado
sussurrante
ondulante.

Eis a D. Herzília de Magalhães.

Não a podia deixar 
assim 
abandonada
desamparada.

Já a morrer
ainda agora acabada de nascer
fora de tempo...

É sempre bem vinda, D. Herzília! ...

@as-nunes

2013/05/23

Enquanto houver Sol ...



Fundo musical: Pedro Osório, Cantos da Babilónia, Chants from Babylon, SPA, 
As mãos que cantam, Singing hands, Tailândia, Thailand

O dia estava suave, 
o jardim mostrava-se
em todo o seu esplendor
e romantismo... 
Preciso/precisamos de desanuviar, 
na medida do possível, 
enquanto é possível...

É possível?!...

@as-nunes

2013/04/13

ACÁCIO de PAIVA: Poeta de versos atirados aos ventos...


Estas flores, o lírio azul e a rosa branca, colhi-as eu, hoje, no meu jardim, com a minha máquina fotográfica.

Acácio de Paiva, já o conhecem certamente, nem que seja por o terem lido citado aqui, neste blogue, nasceu em 14 de Abril de 1863. Ainda ontem aqui o referi.
Faz, portanto, amanhã, 150 anos que nasceu, em Leiria, no edifício "Pharmácia Paiva"...

Estive ontem, no Arquivo Distrital de Leiria, a rever documentos, muitos manuscritos, com muita poesia ao seu modo: repentista, lírica, bucólica, quantas vezes irónica e satírica...

Nalguns casos, consegue-se ler, com dificuldade, os seus múltiplos poemas, muitos no estado original e virgem, sem mais revisões, tal como saíram na altura.

Um desses poemas, em excerto, versa assim:

Versos de Tânger

Abril chuvoso em flor...de rosa e branco
Vestem agora todos os pomares.
Selo o cavalo, monto a trote franco
Corro Bubãna, atalhos e aduares.

Lírios azuis - os últimos - a graça,
A glória d´estes campos e planuras
Florescem d´entre a erva verde escassa,
Rosa, que todo o inverno foi securas.
...
Como é saudoso este morrer do dia,
E como é triste a voz do muezim,
Que saudade e que pranto que desfia
Como me atrista e me comove a mim!
(...)

( Escrito em Tânger
Provavelmente quando fez parte duma Legação de Portugal (talvez ligado às Alfândegas, que não consegui clarificar).

Corria a segunda década do século XX...
@as-nunes

2013/02/13

13 de Fevereiro 2013

Um companheiro de muitos anos ...
No decorrer de uma sessão de fotografia, à volta de minha casa, o "rapazito" vinha a subir as escadas do jardim, no topo nascente, e aqui ficou retratado, a olhar-me, na varanda, de máquina em punho.
Já está a ficar velhote, o "rapazito" ... 

Hoje é 13 de Fevereiro! Uma data que me diz muito, sobre a qual já aqui deixei algumas referências ...


Claro que me vêem à memória, infalivelmente, as imagens indeléveis do meu pai Daniel e da minha mãe Encarnação, ainda vivos. Espero que por mais uns bons anos ...

Ocorre-me recitar Ruy Belo, num fragmento do seu poema "Meditação Anciã":

[...]
Já hoje quando passo se não abre nenhum espaço
e não cai quente nada cai cansaço
e se é muito o que faço afinal só envelheço
...

E aqui temos este homem que envelhece ao sol de outono num jardim
que dissimula a idade entre representantes da diversa juventude
que ingenuamente oculta as rugas junto de futuras faces
que olha para s folhas dúbias dos vizinhos plátanos e sabe
que amarelece e cai antes talvez que todas elas
homem que só talvez disponha desse espaço de um domingo para envelhecer
coisa não tão terrível como possa parecer
homem de olhos molhados homem
que até na morte busca uma forma de viver
[...]


E muitas mais fotos das flores e árvores do meu jardim aqui deveria mostrar, ainda que já tantas vezes as tenha exposto, eu e elas também não queremos meter-nos à força pelos vossos olhos adentro, fica para uma próxima vez...
Mas há uma que ela própria lamenta não se poder oferecer: uma camélia carmesim, duma beleza sem fim, a D. Herzília Magalhães, com a sua presença tal como ainda espero que possa ser vista este ano (pode-se apreciá-la neste sítio ).

E afinal
hoje ainda
por aí anda
o Carnaval

Atento, Venerador e muito Obrigado pela vossa simpatia ...
e paciência ...
@as-nunes

2012/11/06

Harmonia da natureza em dias de demasiada turbulência em Portugal


Liquidâmbar e piricanta
Posted by Picasa

Entretanto, Pedro Passos Coelho, aprendiz de feiticeiro como primeiro ministro, cá continua com os seus falsos avanços e recuos, sem saber como balancear as contas deste país.

Tão bem que ele falou ao coração dos portugueses, que tinha chegado a hora do salvador da pátria, afinal o que temos pela frente é austeridade sobre austeridade até à pobreza total (para alguns milhões)!...

É tempo de renegociar a Dívida Pública. 
                                                                        Já!
@ as-nunes

2012/10/17

Antes que seja tarde


Há dias, a meio da semana passada, talvez, 
(o tempo está a passar tão depressa, as perspetivas deste país são uma miséria, bem à vista de todos,  mas nós a querermos que tudo isto não passe dum sonho, um pesadelo que nos está a atormentar mas que ainda temos esperança que, de repente, acordamos, estrebuchamos, acendemos a luz, afinal era mesmo só um pesadelo),
pensei que seria uma boa altura para tirar uma fotografias das flores do meu jardim/quintal.

Ei-las, algumas, não fotografei a parte do quintal, que agora está em pousio, umas couves e alfaces numa estufazita pequenina, aí uns 12 metros quadrados. 
A foto do canto inferior direito mostra as folhas do meu liquidâmbar, aquele que já aqui apresentei em tempos (talvez ainda aqui deixe o link(*), vou consultar o índice temático deste blogue), com o típico mudar de cor das folhas, que irão ficar avermelhadas neste Outono, agora aí em pleno, já não era sem tempo.

Entretanto, a rádio, a minha companhia quando estou sozinho, que ouço  normalmente e por romantismo, a Antena Um, a anunciar aquilo que já estamos a ficar fartos de perceber. Os partidos da coligação governamental de candeias às avessas, estarão mesmo, não será só mais uma fita? para iludir os seus eleitores? raio de partidos que só servem para pensar nos votos que podem perder ou ganhar com as posições que assumem, importa lá o interesse do país, dos portugueses?

Se não quisessem ter de enfrentar a situação atual, assumindo-se com coragem e inteligência, tinham-se demarcado em devido tempo, impondo como condição uma investigação exaustiva ao estado calamitoso em que as contas Públicas estavam e o extremo grau de endividamento externo a que o nosso país tinha chegado. 
E que continua a aumentar, cada dia que passa, sem que se vislumbre a dose de esperança que seria indispensável para nós, os eternos pagantes, acreditarmos que vale a pena mais este descomunal sacrifício que nos está a ser imposto pela atual proposta de orçamento do Estado.

Que fadário o nosso! ...

(*) Esse liquidâmbar foi uma prenda da Junta de freguesia da Barreira por ter escrito um livro (um ensaio, que a mais não consegui chegar) sobre a freguesia.
@as-nunes