Mostrar mensagens com a etiqueta centenários. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta centenários. Mostrar todas as mensagens

2014/12/07

Alexandre Herculano: Centenário do seu nascimento em 1910 em Leiria


In p. 153, História de Portugal, Portugal Liberal, vol. VIII, direção de João Medina.
Em artigo escrito por Vitorino Nemésio sobre Alexandre Herculano na sua personalidade de historiador. O enquadramento das lutas liberais no sec. XIX na sua atividade como historiador.
Alexandre Herculano nasceu em 28 de Março de 1810. Fez parte da chamada geração de 70.

2014/07/14

Manuel da Gertrudes - 100 anos de vida no Centenário do Concelho de Alcanena




(Reportagem da TVMinde)

Para que conste deste blogue.
O Snr. Manuel da Gertrudes tem aqui  sido referenciado com muita frequência. E é caso para isso.
Faz 100 anos de vida precisamente no I Centenário da vila de Alcanena. E que melhor forma de comemorar este seu aniversário tão singular do que apresentar o seu 2º livro de poemas?
Quadras Soltas e Mais Alguma Poesia" é o título deste livro.

Sinto uma enorme alegria em o ter como amigo e companheiro de tertúlia no "Grupo de Poesia e Cultura de Alcanena".

Fotografias desta sessão podem ser vistas aqui https://www.facebook.com/media/set/?set=a.4454233050914.1073741886.1742211899&type=1

(há-de continuar...)


2014/06/30

O snr. Manuel da Gertrudes e o Concelho de Alcanena irmanados no mesmo Centenário




In contracapa do 1º livro do snr. Manuel, VERSOS MEUS , ed. Gama, 2007:

«Manuel António Ferreira da Gertrudes nasceu em Julho de 1914 na freguesia de Bugalhos. Filho de António Rodrigues da Gertrudes e Maria da Conceição Ferreira.
Terminada a quarta classe, ingressou no seminário de Santarém, não tendo concluído o seu curso por motivo de doença grave. Leccionou no ensino primário, onde trabalhou com crianças e adultos e como prova do seu desempenho foi-lhe atribuído um prémio pelo Ministério da Educação.
Casou aos vinte e quatro anos, e teve três filhas, neste momento só uma se encontra viva. Era esta filha muito jovem quando foi atacado por uma tuberculose. Decorreram cinco anos até se curar totalmente. Por esse motivo deixou de leccionar.
Trabalhou na Comissão Reguladora do Comércio Local de Alcanena, onde se manteve até à sua extinção. Seguidamente trabalhou na Caixa de Crédito Agrícola da mesma vila, onde parmaneceu dezassete anos. Trabalhou ainda numa empresa metalo-mecânica durante dezoito anos. Como não tem paciência para estar parado, dedicou-se à horticultura, actividade que ainda hoje exerce.

Herculano Gonçalves

2014/06/02

Um Centenário no Centenário do Concelho de Alcanena





Como já em diversas oportunidades aqui deixei referido, faço parte integrante do Grupo de Poesia e Cultura da Biblioteca Municipal de Alcanena. Já lá vão uns quantos anos, cinco, mais precisamente. Fui, mesmo agora confirmar, revendo o Álbum-livro que a Zaida, com a minha ajuda, editámos, em 2013, por alturas do 10º aniversário do início de atividade desse grupo. 
"Não somos desta bonita vila de Alcanena. Mas em 2009 fomos aceites (o nosso grupo de Leiria - Luísa e Joaquim Soares Duarte, Zaida e António Nunes) como participantes nos "Encontros de Poesia e Cultura"."

A verdade é que sentimos que muito temos aprendido com todos os laços de amizade que entretanto se firmaram e que são maravilhosos.

A razão porque estou, agora, a dar relevo a um desses companheiros de Tertúlia e amizade, prende-se muito singelamente com a coincidência de em 2014 o Snr. Manuel (nas fotos, de seu nome completo, Manuel António Ferreira Gertrudes, comemorar, como esperamos, 100 anos de vida, precisamente no ano do Centenário do Concelho de Alcanena.  Estamos a preparar-nos para comemorar os seus 100 anos de vida, no dia 11 de Julho próximo, data em que está previsto que o próprio homenageado, nos proporcione o lançamento dum seu livro. Fantástica a sua lucidez e fantástica a sua capacidade como poeta, sempre ao seu estilo saudosista, naturalista e romântico.

Para além destas fotografias, vou tentar editar um vídeo sobre este meu/nosso companheiro de tão proveta idade.

Até ao Centenário, amigo e sr. Manuel!...
---
Tinha o snr. Manuel 97 anos...
http://dispersamente.blogspot.pt/2011/09/idade-da-poesia.html

2014/03/04

Crónicas dispersas (noutro blogue) sobre Alcanena e o Grupo de Poesia e Cultura da sua Biblioteca Municipal

Em vésperas do Centenário da Fundação do Concelho de Alcanena: 8 de Maio de 2014.


http://caminhosentrelacados.blogspot.pt/search/label/encontros%20de%20poetas

Seguindo este link podem consultar-se as várias reportagens que eu escrevi em anos passados... noutro dos meus blogues.




Para que conste destas minhas memórias sobre Alcanena e os meus companheiros do Grupo de poesia e Cultura da sua Biblioteca Municipal.

Encontro de Poesia e Cultura na Biblioteca Municipal de Alcanena em 23 de Fevereiro de 2014

 Um aspeto da sala da Biblioteca Municipal de Alcanena com o Grupo de Poesia e Cultura reunido... ia-se falar de Pompeu Miguel Martins.
 O Diretor da Biblioteca Municipal de Alcanena, Óscar Martins, ladeado por Lúcia Perdigão e Vicente Batalha.
 Em 1º plano, Perpétua Frazão, que vai expor pintura sua, inauguração no dia 9 de Março de 2014, 16 horas, na Galeria Maria Lucília Moita (Casa da Cultura - Alcanena).

 Vicente Batalha, coordenador das comemorações do Centenário do Concelho de Alcanena (fundado em 8 de Maio de 1904).






 Salvador Garcia Lax, Zaida Nunes ...

2013/10/12

Vinicius de Moraes e Maria Bethânea - nos 100 anos do nascimento de "o Poetinha"




Poética I


De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
- Meu tempo é quando.

---
O astronauta

Quando me pergunto
Se voçê existe mesmo, amor
Entro logo em órbita
No espaço de mim mesmo, amor

Será que por acaso
A flor sabe que é flor
E a estrela Vénus
Sabe ao menos
Porque brilha mais bonita, amor

O astronauta ao menos
Viu que a Terra é toda azul, amor
Isso é bom saber
Porque é bom morar no azul, amor

Mas voçê, sei lá
Voçê é uma mulher
Sim, voçê é linda
Porque é

Vinicius de Moraes
Arranjo de base de Maria Bethânia

2013/04/12

ACÁCIO de PAIVA - Altíssimo Lírico e o maior Humorista da Poesia Portuguesa

Acácio de Paiva nasceu a 14 de Abril de 1863.
Vão fazer precisamente 150 anos!
Alguém se lembrou dele?
Não tenho conhecimento de nenhuma iniciativa para comemorar oficialmente esta efeméride!
Acácio de Paiva é, reconhecidamente, um dos maiores poetas líricos e satíricos da Literatura Portuguesa!

-
-
-
-
-

 O Tojo

Porque me fez cruel a natureza,
O tojo diz, é alma da floresta,
E não me concedeu, como a giesta
E mais irmão que tenho a macieza?

Não pode por carícia (que tristeza!)
Diminuir a dor que me molesta,
Pois que por condição, e bem funesta,
A quem me toque eu firo, com dureza.

Pés descalços, de carne preciosa,
Se atravessam os matos dos caminhos
Eu tenho de os rasgar, alma impiedosa,

E tanto desejaria que os espinhos
Se trocassem por pétalas de rosa
Quando os pisam crianças e velhinhos!

  Acácio de Paiva


------

A LÍNGUA PORTUGUESA

Assim como onde tem maior pureza
A linfa, é na mãe de água, por ventura
Assim também na aldeia é que é mais pura
A minha amada língua Portuguesa.

Na sua elegantíssima rudeza
Como nos seus extremos de doçura
Todos os pensamentos emoldura
Numa espontânea e artística beleza

Oiço-a forte, nas feiras, discutindo;
Nos serões oiço-a meiga namorando…
E é sempre um trecho de poema lindo

Aqui soberbo, além risonho e brando,
Porque é de Portugal o mar bramindo
E é também o nosso rouxinol trinando

ACÁCIO de PAIVA
-
 (No momento em que eu, no Arquivo Distrital de Leiria, enquanto a recolher (quantas consultas????) dados para completar a escrita de um livro sobre Acácio de Paiva...
Desculpem qualquer erro gramatical, que será de minha responsabilidade, pela pressa com que escrevi e publiquei...)

em tempo:
1- O fotocopiador do arquivo não está operacional;
2- não se podem fotografar documentos;
3- As digitalizações que se queiram, levam uma semana, pelo menos.

Razão de ter digitado estes dois sonetos.   Ficam já aqui...

Boa tarde a todos.

@as-nunes

2011/12/04

Alves Redol: Uma Fenda na Muralha; reedição apresentada na Nazaré

Miniaturas dos barcos de pesca Nazarenos. O do lado direiro, "Mar Santo ", foi o barco onde Alves Redol viveu uma extraordinária aventura de Medo e de Coragem, na companhia de pescadores da Nazaré.
Talvez que dessa quase-tragédia, tenha resultado o nome do livro "Uma Fenda na Muralha". Segundo algumas interpretações, a do próprio filho que esteve presente na sessão da Biblioteca (ver vídeo abaixo), o título do livro significa precisamente o milagre que foi, o barco em que seguiam, ter conseguido, in extremis,   furar a muralha que eram os enormes vagalhões que assaltavam, nos mares da Nazaré, aquele barco, o "Mar Santo".
O filho do mestre desse barco, o Snr. Diamantino Peixe, contou-nos essa história, que foi o que inspirou a escrita daquele livro durante pouco tempo após o sucedido em alto-mar, quando já toda a Nazaré, se preparava para enfrentar a grande desgraça, que teria sido mais um naufrágio, para cúmulo, com um barco em que Alves Redol se tinha prontificado a viajar para viver na companhia dos próprios pescadores, as suas ansiedades e expectativas da pesca.

Alves Redol, ao seu lado direito, o filho António Mota Redol, que apresentou a reedição do livro, "Uma Fenda na Muralha", na Biblioteca Municipal da Nazaré.


No vídeo que a seguir será aqui colocado poderão ouvir-se outros pormenores da vida de Alves Redol, da ambiência política e social em Portugal, nos anos 60 e dos escritores famosos e de referência da época, particularmente do neorealismo literário, Manuel da Fonseca, Piteira Santos; Cardoso PiresFernando Namora e outros.
 
nota: 
O snr. Diamantino Peixe acima referido, vê-se, neste vídeo, na mesa, ao lado direito de António Mota Redol, enquanto este falava sobre o seu pai, Alves Redol.
@asnunes

2011/12/03

Nazaré e o Centenário do Nascimento de Alves Redol



Estivemos, no passado último feriado do 1 de Dezembro, na Nazaré. Um grupo de amigos, de boa idade, mas sempre alerta. Depois de almoçarmos uma boa caldeirada no "Sete Saias" lá seguimos a pé até à casa do casal Soares Duarte. Pelo caminho, ali na marginal, de braço dado com o mar, as suas inseparáveis gaivotas e o belo areal daquela que é, por muitos, considerada a mais bonita praia de Portugal. 

Claro, dispersei-me do grupo e lá andei, uns momentos, nas asas duma daquelas gaivotas que por ali espreitavam pela sua oportunidade de ver o peixe a saltar...
---
Reedição do Livro “Uma Fenda na Muralha” de Alves Redol apresentada na Nazaré


    A Biblioteca Municipal da Nazaré realiza, no próximo sábado, 3 de Dezembro, às 16h00, uma sessão de apresentação do Livro “Uma Fenda na Muralha”, de Alves Redol, reeditado, que contará com a presença de vários convidados. 
    António Mota Redol, filho do escritor,  pescadores que privaram com Alves Redol e a Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal da Nazaré (que arrancou as suas actividades com a leitura e discussão desta obra), entre outros convidados, são as presenças confirmadas nesta sessão, marcada para o próximo sábado.

    Esta iniciativa surge na sequência do Programa Nacional de Comemoração do Centenário do Nascimento de Alves Redol (1911 – 2011), que tem desenvolvido, ao longo deste ano, inúmeras actividades pelo país, e que já trouxe à Nazaré, ao Centro Cultural, em Setembro, a  Mostra Bibliográfica sobre o escritor, organizada pelo Museu do Neo-Realismo de Vila Franca de Xira.

    A Nazaré acolhe agora mais uma iniciativa dedicada ao escritor com a realização da sessão de apresentação de “Uma Fenda na Muralha”, livro (original lançado em 1959) que retrata o quotidiano nazareno dessa época. 
    in
    http://www.cm-nazare.pt

    Lá estaremos!...
    @as-nunes

    2010/10/07

    Castanheira de Pêra - Centenário da República


    Comemorava-se o Centenário da República com uma Exposição, na «Casa do Tempo», subordinada ao tema "A Cerâmica e a República", de peças das mais representativas de Rafael Bordalo Pinheiro.
    Encontrei e tive oportunidade de trocar algumas palavras com Kalidás Barreto, um velho camarada de lides políticas e sindicais dos tempos do imediatamente pós- 25 de Abril de 1974. Kalidás Barreto, nesses tempos, tinha uma postura sindical muito mais radical do que defendia o seu partido. Por meu turno, acabei por participar do Congresso de Fundação da UGT, em contraposição à CGTP. A talvz imaginária divisão entre Unidade e Unicidade Sindical. Velhas lutas. Jovens entusiastas à procura dum rumo novo para a novel Democracia com a qual se estavam a escrever as primeiras letras da III República.

    Entretanto, não quero deixar de exprimir aqui e agora o meu louvor ao trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Leiria da ASSP (Associação de Solidariedade Social dos Professores), que organizou esta excelente visita-convívio, para vincar também a comemoração do Dia Internacional do Professor.

    Bem gostaria de deixar mais notas sobre este convívio. Muita simpatia, bom convívio, cooperação excelente da Câmara Municipal de Castanheira de Pêra (que nos proporcionou um excelente passeio guiado pela espectacular zona serrana do concelho).

    O espaço dum blogue não me permite, porém, tais veleidades. Pelo menos para já. Fica aqui a promessa de voltar com mais algumas fotos  elucidativas.
    -
    A UGT e a CGTP já formalizaram um acordo de unidade na acção para a "Manifestação Nacional de 24 de Novembro de 2010" contra as medidas de combate ao déficit preconizadas pelo Governo para 2011. (8 OUT 2010 - últimas notícias)
    Posted by Picasa

    2010/09/20

    Leiria no II Centenário de Alexandre Herculano

    Realizou-se no dia 18 de Setembro de 2010, no Arquivo Distrital de Leiria, sob a coordenação do CEPAE e do Arquivo, um colóquio evocativo do II Centenário do Nascimento de Alexandre Herculano.
    Legenda da composição fotográfica:
    - Busto de Alexandre Herculano cinzelado em 1910, por alturas do I Centenário comemorado em Leiria e à guarda do Arquivo Distrital. Em muito bom estado de conservação;
    - Acácio de Sousa, Director do Arquivo Distrital;
    - Carlos Fernandes, jornalista, agrónomo, escritor, grande impulsionador de manifestações culturais em Leiria;
    - Aspecto parcial da mesa do Colóquio, vendo-se o Dr. Joaquim Ruivo, Presidente da Direcção do CEPAE, Prof. Dr. Guilherme d´Oliveira Martins, Director do Instituto Nacional da Cultura e Presidente do Tribunal de Contas e Prof. Dr. Saul Gomes, Catedrático da Universidade de Coimbra, grande dinamizador do levantamento histórico de toda a região da Alta Estremadura;
    - Adélio Amaro, editor, jornalista, Presidente da Fundação da Associação Cultural Açores-Leiria;
    - Amélia Pais, professora reformada, escritora.
    Abriram os trabalhos os Presidentes da Câmara Municipal de Leiria e a Presidente da Junta de Freguesia. 
    Como não podia deixar de ser, o orador convidado e presidente do Colóquio foi o Prof. Dr. Guilherme d´Oliveira Martins.
    Tópicos do que registei da excelente dissertação de Oliveira Martins (Não confundir com o grande historiador com o mesmo nome, ainda que o actual seja seu descendente):
    - A História de Portugal, de Alexandre Herculano, abrange um período de 200 anos, não mais, mas é o primeiro trabalho metódico e muito rigoroso, que foi levado a cabo na área especificamente da História cronológica de Portugal. Este trabalho  abrange o período desde o Nascimento da Nacionalidade até ao reinado de D. Afonso III  e é baseado directamente na fonte da informação documental, pelo que se assume com a devida e justa primazia na área do estudo da História de Portugal.
    O próprio Oliveira Martins, que escreveu uma História completa de Portugal, serviu-se, quase literalmente, deste esforço pioneiro de Alexandre Herculano, para alicerçar o seu brilhante estudo, ainda hoje um dos pilares da moderna Historiografia.
    - Não podemos reflectir sobre Portugal sem lembrarmos Alexandre Herculano.
    - Alexandre Herculano é um símbolo de honradez, cidadania e estudo das fontes das origens do Povo.
    - Alexandre Herculano apoiou os revolucionários Liberais, activamente, acompanhando-os na sua campanha militar, fazendo parte do grupo que desembarcou no Mindelo.
    - Foi um defensor acérrimo do Parlamentarismo, sendo-lhe atribuído o conceito de "Que o País seja governado pelo País".
    - Foi com Alexandre Herculano que o Movimento regenerativo se impôs em Portugal, após a vitória Liberal capitaneada por D. Pedro IV. De qualquer modo recusou-se a fazer parte do I Governo saído desse movimento.
    - O Código Civil de 1867 foi revisto, conceptual e ortograficamente, por Alexandre Herculano, que nele inseriu a figura do casamento civil, o que lhe acarretou graves desavenças com a Igreja Católica.
    - Desenvolveu a concepção de Municipalismo, tendo sintetizado esta ideia numa célebre frase: "somos porque queremos".
    - Um dos seus mais sublimes livros de referência é "A Voz do Profeta".
    - Na narrativa "O Pároco da Aldeia" conseguiu transmitir aos seus leitores a ideia de que se pode viver na maior das Espiritualidades, mas que são de recusar todas as superstições que se lhe possam ser associadas.
    - No que respeita às suas ligações íntimas com o jornalismo há que realçar a célebre "Lei das rolhas" com a qual se pretendeu limitar a escrita exacerbada contra o Governo de Costa Cabral.
    (...) 
    Muito mais foi dito pelo próprio Oliveira Martins.
    -
    Os restantes oradores focaram as vertentes na área da intervenção literária (Dra. Amélia Reis), na da Agricultura (Engº Carlos Fernandes), e na do Jornalismo (Dr. Adélio Amaro).

    Dada a extensão dos trabalhos que foram preparados para efeitos deste colóquio e que aqui só foram aflorados, o Dr. Joaquim Ruivo do CEPAE comunicou que estas intervenções e as conclusões do Colóquio serão proximamente passadas a livro.
    -
    (mais sobre Alexandre Herculano - síntese)

    Posted by Picasa

    2010/09/14

    LEIRIA numa significativa EVOCAÇÃO de ALEXANDRE HERCULANO



    Em diversas oportunidades já aqui ficaram registadas variadas passagens acerca da figura e da obra excepcional de Alexandre Herculano.
    Pode consultar (aqui).
    -
    Os Leirienses comemoraram, da forma como se descreve seguindo o link acima, o Centenário do nascimento do ilustre político e homem das Letras portuguesas, que foi Alexandre Herculano. 
    Veremos o que se irá passar no decorrer deste ano, agora que ocorre o Bicentenário da mesma efeméride!...
    (excerto de um dos apontamentos anteriores... neste blogue)
    -
    De notar, também, que o Dr. Guilherme 
    d´Oliveira Martins, que vai presidir à mesa do Colóquio, é descendente do grande historiador Oliveira Martins, contemporâneo de Alexandre Herculano.
    Posted by Picasa

    2010/07/25

    LEIRIA: ALEXANDRE HERCULANO e o Bicentenário do seu nascimento

    DENTRO DE TI, Ó LEIRIA: ALEXANDRE HERCULANO NO 1º CENTENÁRIO

    Que esta luz no interior do Castelo de Leiria possa contribuir para ajudar a construir as novas caravelas que hão-de guiar Portugal pelos MARES encapelados da actualidade!...



    Os Leirienses comemoraram, da forma como se descreve seguindo o link acima, o Centenário do nascimento do ilustre político e homem das Letras portuguesas, que foi Alexandre Herculano.

    Veremos o que se irá passar no decorrer deste ano, agora que ocorre o Bicentenário da mesma efeméride!...

    Por todos os motivos sobejamente conhecidos e mais os que se prendem com o momento actual que Portugal atravessa - com variadíssimos traços de união com a época de Alexandre Herculano, de decadência do sistema político, económico e social - seria de todo útil, promover acções evocativas e de reflexão profunda e sistemática  sobre o melhor rumo possível que os Portugueses actuais têm o DEVER indeclinável de propor para o nosso País!

    Com toda a urgência!
    Ainda estamos a tempo de evitar a repetição dos nefastos erros do nosso Passado colectivo!...

    2010/05/27

    Alexandre Herculano - Herói nacional e lavrador (bicentenário do seu nascimento)

    Está em curso o ano do bicentenário do nascimento de Alexandre Herculano.
    A capa acima é dum livro de João Medina, Edições Terra Livre, 1977 e a gravura é da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro e dedicada a Alexandre Herculano, a quem um dia chamou "azeiteiro". Foi utilizada na Capa da revista Lanterna Mágica, de 26 de Junho de 1875.
    Durante várias décadas, anos 40 a 60 do século XIX, Herculano dedicou a sua vida à política  e à literatura, tendo atingido a expoência máxima. Era considerado, consensualmente, o «primeiro homem do seu país», tendo participado nos momentos mais importantes que se passaram em Portugal naquele período. Escreveu os livros mais lidos do seu tempo, nomeadamente pelos mais novos, que muito o apreciavam. Foi o inspirador da revolução liberal de 1851(*) e organizou um dos dois partidos liberais da altura. Redigiu o Código Civil com o qual se poderá dizer que se iniciou o processo de separação da Igreja e do Estado com a institucionalização do casamento civil e que haveria de se consumar já em pleno século XX. Esta tomada de posição criou muitas incompreensões e inimizades a Herculano, que passou a ser visto como um ateu convicto o que não correspondia, de todo, à realidade. Privadamente, Alexandre Herculano frequentava a sua capela privativa na sua Quinta de Vale de Lobos. 

    Inesperadamente, no momento em que o país se afundava dramaticamente num caos de valores sociais, políticos e económicos, determinado a não se deixar envolver em confronto com as ideias da nova geração que estava a surgir na ribalta da cena política e literária, retirou-se voluntariamente para a sua Quinta de Vale de Lobos (que comprou com os direitos autorais dos seus livros), transformando-se num verdadeiro e empenhado lavrador. Com esta decisão cortou radicalmente com a vida pública passando a viver duma forma decididamente solitária.


    Repousa na capela tumular do Mosteiro dos Jerónimos.

    Herculano escreveu muitas das mais belas páginas da literatura e da História de Portugal. Pode-se mesmo dar o devido realce à magistral obra Eurico, o Prestíbero. Nesta oportunidade, porém, apetece-me falar duma das suas Cartas Inéditas a Joaquim Filipe de Soure datada de 4 de Julho de 1867(?) a que lhe deu o título: AS TRÊS FAIAS.

    E lembrei-me de deixar aqui, mais uma vez, expressa a minha admiração pela FAIA da Alameda José Lopes Vieira, junto ao Rio Lis e ao Jardim Luís de Camões, em Leiria (v. foto). Esta árvore, enquadrada por outras, também muito bonitas (melia azedarach, liquidambar, padreiro, bordo, tília), compõem um dos recantos mais românticos de Leiria (já aqui publiquei variadíssimas fotografias).

    Porque virá a propósito deste meu parêntesis, e também porque espelha fielmente o espírito monástico de Herculano da altura, permito-me transcrever um pequeno excerto daquela carta: "... Em suma, o canto obscuro da aldeia é hoje o meu único destino nacional, e felizmente a minha única ambição. As minhas três grandes faias dão-me mais prazer ao vê-las que todos os museus, monumentos, praças, teatros, bibliotecas da Europa. Que ia eu lá ver, se não achava lá as minhas três faias? Estou assim: que lhe hei-de eu fazer?"
    Lendo a contra-capa do livro que está a servir de guia deste texto facilmente se deduz que o seu objectivo é transmitir um tributo de homenagem a Alexandre Herculano. Estava-se na altura da sua edição a comemorar o centenário da morte de Herculano.
    Raramente alguém terá inspirado tanta controvérsia à volta da sua vida e da sua obra, na qual se envolveram, a favor e contra tantas figuras conhecidas, como no caso de Herculano. O caso é que se trata de figuras gradas da literatura portuguesa pertencentes a uma geração mais nova, a geração dos anos 70 do séc. XIX. Figuras que conheceram e conviveram com Herculano e que, por isso, lhe estariam mais próximas, emocionalmente.
    Dentre essas figuras cimeiras destacam-se: Antero de Quental, Eça de Queiroz, Guerra Junqueiro, Anselmo de Andrade, Ramalho Ortigão, Teófilo Braga, , Adolfo Coelho e - sobretudo - Oliveira Martins.
    ...
    Muito mais se poderia acrescentar para compor este texto. Simplesmente, o que me motivou a abordar este tema, o de falar de Alexandre Herculano, foi, por um lado, o facto de estarmos em ano de comemoração do bicentenário do seu nascimento e, por outro, o de recapitular informação que já me estava a ficar distante no tempo em que na Escola a tive que estudar por obrigação.
    É que está programado para muito em breve falar-se sobre Alexandre Herculano no seio do Grupo de Poetas e amigos da Literatura da Biblioteca Municipal de Alcanena, do qual já faço parte. Com muito gosto.
    -
    (*) Regeneração
    Período da vida portuguesa, iniciado em 1851 com a insurreição militar que levou à queda de Costa Cabral.

    A regeneração durou 17 anos, neste período decorreu um processo de desenvolvimento económico, social e mental que tentou colmatar atrasos estruturais:
    Estradas
    Caminhos de ferro
    Telégrafo
    Modernização da agricultura, comércio e indústria

    No entanto esse desenvolvimento acarretou alguns custos, só possíveis com o recurso ao aumento da carga fiscal que a população não compreendeu, o que culminou na revolta da Janeirinha(1868). 
    Posted by Picasa