Mostrar mensagens com a etiqueta az-biblioteca. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta az-biblioteca. Mostrar todas as mensagens

2016/09/10

Antologia 1921-26 SEARA NOVA 1971


Hoje, o Facebook lembrou-me o que lá publiquei em 2014:

Os mais velhos lembram-se; o momento mágico de se chegar a casa, pegar no livro acabado de comprar, tomar-lhe o cheiro a recém impresso, e cortar as folhas que vinham juntas em cadernos, como que em conjuntos de folhas A4 dobradas, simplesmente... Hoje mesmo acabadinhos de chegar dum alfarrabista...
Quanto ao cheirinho... só mesmo a mofo (Antologia 1921-26 SEARA NOVA 1971)

2013/11/17

Maçonaria: Raízes e Segredos da sua História

AZ - Biblioteca: Maçonaria: Raízes e Segredos da sua História: 954 Ed. 2002 - W. L. Wilmshurst , ele próprio membro da Maçonaria Inglesa, procurou com esta obra clarificar um pouco a sua histór...



954
Ed. 2002
-
W. L. Wilmshurst, ele próprio membro da Maçonaria Inglesa, procurou com esta obra clarificar um pouco a sua história, propósitos, crenças e rituais, tornando a sua compreensão acessível também aos leigos.

Bem tenho tentado perceber em rigor as diferenças substantivas que existem entre as várias Ordens Maçónicas, ou se devemos, pura e simplesmente, considerar uma Ordem Maçónica, ainda que identificada por várias Grandes Lojas...

À volta desta ideia de maçonaria e dos Maçons ainda subsistem muitos segredos que, aos poucos, mas sem certezas dos intentos dos vários grupos organizados, vão sendo do domínio público.
Pelo que me apercebo só integrando, de facto, uma Loja Maçónica é que se consegue perceber claramente os objetivos pretendidos, para além dos que definem teoricamente toda a "Hierarquia" ,instituída no sentido duma devoção constante relativamente a Deus e às coisas divinas...
-
É imperioso refletir sobre os conteúdos do livro de Eclesiastes, particularmente, Hierarquia, I, 1-3 ...
-
Aplicação Prática: 
Eclesiastes oferece ao Cristão a oportunidade de compreender o vazio e o desespero com os quais aqueles que não conhecem a Deus têm que lidar. Aqueles que não têm uma fé salvadora em Cristo se deparam com uma vida que no fim das contas vai acabar e tornar-se irrelevante. Se não há salvação, e não há Deus, então não existe nenhum sentido, propósito ou direção para a vida. O “mundo debaixo do sol”, longe de Deus, é frustrante, cruel, injusto, breve e total “vaidade”. No entanto, com Cristo a vida é apenas uma sombra das glórias por vir em um paraíso que só é acessível por meio d´Ele.
O QUE É A MAÇONARIA - MAÇONARIA EM PORTUGAL
  

A Maçonaria é uma Ordem iniciática e ritualistica, universal e fraterna, filosófica e pregressista, baseada no livre-pensamento e na tolerância, que tem por objectivo o desenvolvimento espiritual do homem com vista á edificação de uma sociedade mais livre, justa e igualitária.

A Maçonaria não aceita dogmas, combate todas as formas de opressão, luta contra o terror, a miséria, o sectarismo e a ignorância, combate a corrupção, enaltece o mérito, procura a união de todos os homens pela prática de uma Moral Universal e pelo respeito da personalidade de cada um. Considera o trabalho como um direito e um dever,valorizando igualmente o trabalho intelectual e o trabalho manual.

A Maçonaria é uma Ordem de duplo sentido: de instituição perpétua e de associação de pessoas ligadas por determinados valores, que perseguem determinados fins e que estão vinculadas a certas regras.

É Iniciática, porque só pode nela ingressar quem se submeta á cerimónia de iniciação, verdadeiro “baptismo” maçónico, que significa literalmente o começo, e simboliza a passagem das trevas á “Luz”.

É ritualista, porque as suas reuniões obedecem a determinados ritos, que traduzem simbólicamente, sinteses e sabedoria, remontando aos tempos mais recuados.

É universal e fraterna, porque o seu fim ultimo é a fraternidade universal, ou seja, o estabelecimento de uma única familia na face da Terra, em que os Homens sejam, no seio da Ordem, verdadeiramente irmãos, sem qualquer distinção de raça, sexo, religião, ideologia e condição social.

Como escreveu Fernando Pessoa, “a Nação é a escola presente para a Super-Nação futura”. Amar a Pátria e a Humanidade é outro dos deveres dos Maçons.

É filosófica. porque, ultrapassada a fase operativa (coorporações de arquitectos/construtores medievais), transformou-se numa associação de caracter especulativo, procurando responder às mais profundas interrogações do Homem. Conserva contudo, o vocabulário, os utensilios e a simbologia dos pedreiros construtores dos antigos templos.

Afinal, o fim último da Maçonaria é a construção de um Homem novo e de uma Sociedade nova. Por isso, todos os seus ritos assentam na ideia de construção e são baseados na geometria, a mais nobre das artes, porque só ela permite compreender a medida de todas as coisas. Assim se justifica que a régua, o esquadro e o compasso continuem a ser instrumentos previligiados do pensamento maçónico.

É pregressista, porque visa o progresso da Humanidade, no pressuposto de que é possível um homem melhor numa sociedade melhor. Encurtar as desigualdades e reduzir as injustiças sociais é um dos seus objectivos, através da elevação moral e espiritual de cada individuo. Porém a Maçonaria não é uma instituição política e, muito menos, partidária. Está acima de todos os partidos, coexistindo nela pessoas das mais diversas sensibilidades, crenças e ideologias... A Maçonaria é assim um espaço de diálogo e de tolerância. A sua influência na Sociedade não se exerce directamente,... mas apenas indirectamente, através do exemplo, da pedagogia e da influência individual dos seus membros nos locais ondem exercem a sua actividade: no emprego, nos partidos, nas organizações cívicas e sociais...

É livre pensadora, porque não aceita dogmas, pratica a tolerância e respeita a liberdade absoluta de consciência. O Maçon tem o direito de examinar e de criticar todas as opiniões e de discutir todos os problemas, sem quaisquer peias ou limitações. A Maçonaria é anti-dogmática, tanto no aspecto politico como religioso ou filosófico. A política e a religião pertencem ao foro intimo de cada um e não podem ser discutidas, salvo nos termos genéricos acima referios, para não abalar a união do povo maçónico, pois, como se disse, a instituição congrega pessoas de todas as crenças ou sem crença nenhuma, de todas as ideologias não totalitárias.

Assim é rotundamente falsa a acusação que vem dos tempos do “Santo Oficio” e que foi retomada pela ditadura deposta em 25 de Abril de 1974 devque os Maçons, ou pedreiro livre, é contra a religião. Muitos e ilustres membros da Ordem foram e são crentes e , até, bispos e cardeais.

A Maçonaria aceita, aliás, a existência de um princípio superior, simbolozado pelo “Grande Arquitecto do Universo” (G.A.D.U.), que não tem definição e que cada um interpreta segundo a sua sensibilidade ou convicção. Para uns será o Deus em que acredita, para outros o Sol, fonte de vida, a própria natureza, a lei moral ou ainda a resultante de todas as forças que actuam no Universo. Esta ideia implica o respeito por todas as religiões, pois todas são igualmente verdadeiras, sem prejuizo do necessário combate ao fanatismo e à superstição.

Nos tempos remotos e medievais, o Maçon era obrigado a perfilhar a religião do seu País. Mas depois doIluminismo, e das formas modernas, considerou-se mais adequado, apenas lhe impôr a religião sobre a qual todos estão de acordo, e que consiste em amar o próximo, fazer o bem e ser homem bom, de honra e probidade. Deste modo a Maçonaria é uma casa de união entre ateus, agnósticos e pessoas dos mais diversos credos.

Deve porém dizer-se que a Maçonaria Regular, Tradicional ou de Via Sagrada, por oposição ao ramo Liberal ou Laico, impõe, a crença em Deus e na imortalidade da alma, excluindo também as mulheres. No entender de alguns Maçons este facto viola os principios maçónicos e contitucionais de igualdade (art.13º da Constituição da Republica Portuguesa). Ao manter uma velha tradição de 300 anos, que teima em não adequar aos valores ético-humanistas do nosso tempo, o ramo tradicional ou anglo-saxónico exclui da dignidade maçõnica três quartos da Humanidade.

(Texto retirado de “Introdução á Maçonaria” de António Arnaut)

2013/11/04

A Igreja da Misericórdia em Leiria e a Rede de Judiarias de Portugal

 Esperemos bem que seja possível dar um aproveitamento condigno, como poderá ser este o caso, à Igreja da Misericórdia, em Leiria.
Registo 1479
AZ-Biblioteca
Ed. 2010


Índice do livro de Saul António Gomes

"Neste livro apresenta-se, ao leitor interessado, uma história daquela que foi uma das mais prósperas comunidades judaicas do Portugal medieval. O autor, depois de proceder à avaliação da tradição historio-gráfica acerca da memória judaica e cristã-nova leiriense, passa à contextualização da fixação dos primeiros judeus nesta antiga vila extremenha, por finais do século XII e princípios de Duzentos, e avalia pormenorizadamente as particularidades económicas, sociais e culturais da comuna israelita local, na década de 1490, funcionou a tipografia da família Ortas, oficina impressora do célebre Almanaque Perpétuo de Abraão Zacuto. Estabelece-se, de seguida, um amplo corpo documental que elucida, para os séculos XIII a XVI, a presença e a sobrevivência do povo hebraico em Leiria e em toda a sua região."
in contracapa do livro supra-citado.
« consultar também:  www.catedra-alberto-benveniste.org
« ver em Facebook
@as-nunes

2013/07/11

Sobre a história da freguesia da Barreira - Leiria, pode ler-se:
...
António Almeida Santos Nunes
Caminhos Entrelaçados na Freguesia da Barreira - Leiria, Ed. Junta de Freguesia da Barreira, 2005
e outros autores:
- Júlia Moniz e António Rodrigues da Cruz, Tardes de Domingo, Jorlis, 2004;
- António Borges da Cunha, Ed. Folheto 2004

-
ver nota 10, p. 169 de
Saul António Gomes
Notícias e
Memórias Paroquiais
Setecentistas
Livro 8 da Coleção "Província da Estremadura"
Ed. Palimage, 2009
-
Biblioteca AZ-António & Zaida
Reg. nº 1934, 16Jul2013

lINK PARA VER OS REGISTOS EM FORMATO EXCELL : LINK
----
Também se pode consultar http://barreira.no.sapo.pt para se saber do livro "General Oliveira Simões - Poesia e Prosa", ed. 1997 da Junta.

2011/07/22

Tanto livro para ler!...


No último dia que passámos em V.N. de Milfontes abriu lá a "X Feira do Livro de Verão", na Rua Sarmento Rodrigues, na zona histórica.


Fomos visitar esta Feira com a ideia de dar uma vista de olhos. Comprámos quatro carradas de livros: Zaida, eu, a Mafalda e a Carolina.
A foto mostra só a minha carrada.
Esta amostra junta aos muitos livros que tenho por ler na biblioteca cá em casa, pode significar o quê?
Que ando a comprar livros de mais? Que ando a ler pouco?


Estou a ficar preocupado. E ainda mais preocupado fiquei quando li o Prefácio que António Lobo Antunes escreveu no livro "A Consciência de Zeno" de Italo Svevo, integrado na «Biblioteca António Lobo Antunes», edição D. Quixote.


Resmunga ele:
...
Continua a ser espantosa a frescura técnica desta obra, cheia de descobertas formais e de soluções de escrita que ainda hoje se encontram longe de haverem sido exploradas. Talvez o sejam no dia em que aqueles que batem palavras no computador aprenderem a ler - que é coisa que duvido.


Fiquei a remoer, um tanto pretensiosamente, talvez:
Será piada para mim?


E com esta me vou, por ora, mas a cogitar seriamente no tempo que me resta para ler tantos livros que gostava mesmo de ler...
@as-nunes
Posted by Picasa

2009/10/03

Outono da Vida - Leiria

Algures na zona da Ramalheira. Perspectiva do Outono, que vai seco até de mais, mas irrestível, nas suas cores e contrastes...
De cima do viaduto IC2-nó para a A1. Vale da Ribeira do Sirol, um enternecedor princípio duma tarde deste Outubro do ano de 2009...
(clic nas fotos para melhor ver)
-

Como já tive oportunidade de aqui relatar, estive em Alcanena recentemente, num Encontro de Poetas...
Às minhas mãos veio parar um livro de poemas, oferta da Câmara Municipal. "Sonetos e Outras Rimas" de Rafael de Castro.

A páginas tantas...

Duas faces da fantasia

O Outono da vida já me alcança
Da Primavera resta-me a vontade
Um sempre grande amor à liberdade
Com a mesma dose de esperança

E se perdi algures a confiança
Achei sempre o caminho da verdade
Perseguem-me os sonhos da mocidade
E as loucuras do bem, pela lembrança

Agora não me vendo como um santo
E não ando ao sabor das fantasias
No íntimo sei criar algum encanto

Amenizo com visões meus tristes dias
Pois assim, de sensações o mal espanto
Extraindo das mágoas alegrias


(Deixo aqui estes versos, pela substância do tema, em primeiro lugar, talvez.
Mas também porque é de enaltecer e divulgar os poetas que, por motivos vários, só muito aleatoriamente, chegarão à luz do conhecimento geral, reconhecido, badalado com ecos a ressoar por todo o lado.
O Outono da vida já me alcança, diz o poeta. Mas também se declara reconhecido pelas visões que, nesta altura da vida, lhe amenizam os dias e lhe relançarão a esperança de próximas Primaveras... e dum sempre possível remoçar da confiança que, algures, se possa ter perdido neste caminho sinuoso da vida e, porventura, coberto por algum nevoeiro, que, naquele momento, lhe toldava o espírito... )
Posted by Picasa

2009/09/19

TU



...........................................................A Natureza, aqui há uns dias!....

Há dias, num alfarrabista, na feira das velharias, em Leiria. Aquela capa de livro chamou-me a atenção. Nem sei bem porquê. Numa das suas primeiras folhas:

VERSOS DE
:: AMOR ::
: SATIRAS :
:PAISAGENS:

A págs. 13 pode ler-se...

Amor, amor...

Amôr, amôr...
Sonho que zomba
do pensamento...

Folha de flôr,
pena de pomba,
na aza do vento...


...
etc.   No meu jardim, este belo Jacarandá, com aquele azul lilás cacho de flores! Nesta altura do ano?!...
Posted by Picasa

2009/09/08

Chico Buarque - ouvir e ler

Como é facilmente perceptível, o ritmo impressionante a que se estão editar livros, impossibilita-nos ceder à tentação de comprar alguns, que bem gostaríamos de ler. Pelo menos de o comprar, para o levarmos para casa. Depois, logo se há-de arranjar uma oportunidade para os ir lendo...
E lá se vão acumulando nas prateleiras, tempos mais ou menos longos... e na mesinha de cabeceira?...

Deixem-nos gozar este prazer! De dar com um determinado livro nos escaparates duma livraria, de entrar, de o tocar, de o desfolhar, de ler uns bocadinhos, de nos entusiasmarmos... e de nos decidirmos a levá-lo para casa...

É bom ler livros... É uma das coisas boas da vida!

Posted by Picasa