Mostrar mensagens com a etiqueta abate de árvores. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta abate de árvores. Mostrar todas as mensagens

2014/06/25

Largo da Sé de Leiria - uma história para contar


Nestes dias, no Largo da Sé de Leiria. 
Foram muitos anos (1971 a 2012);  aqui casei com a Zaida e passámos a viver e a trabalhar durante este tempo todo, a ocupar o 1º andar do nº 7 da casa "Pharmácia Paiva".
O Centro Histórico de Leiria, no seu fulgor, vários empedrados naquele chão sagrado, por onde caminharam, lutaram e morreram, muçulmanos, cristãos, judeus, onde ainda se sentem os espíritos de mercadores, artesãos, poetas e trovadores ...
D. Afonso Henriques, D. Dinis, Rainha Santa Isabel, Francisco Rodrigues Lobo, Eça de Queiroz, Acácio de Paiva, Afonso Lopes Vieira, Miguel Torga,  são figuras que me ocorrem e que por ali pairam nas memórias que nos legaram ...


Há muitos anos atrás
memória mais recente
anos 70 e oitenta
aqui estavam padreiros*
lar e palco duma das melhores orquestras do mundo
dezenas e dezenas de pequenos pássaros
cantavam inebriadamente
do nascer da aurora ao sol-pôr
ininterruptamente
aqui havia vida para além da noite

a câmara decidiu que estavam velhos
caquéticos
carcomidos pelo tempo

chorámos
em coro com os pássaros
escrevemos nos jornais
reclamámos

Hoje
esta imagem é bela
mas não se fez justiça
mesmo assim

-
* o mesmo que ´acer pseudo-plátanus´
as-nunes14

2013/03/23

Salve-se a alma da cidade de Leiria



Carlos do Carmo - Sou o ferro velho

O Largo da Sé, em Leiria, é um dos icons da zona histórica de Leiria. Uma cidade só se conseguirá impor no contexto turístico e económico se os seus administradores não permitirem que ela perca a sua alma. E isso só será possível com um forte impulso na recuperação da sua zona histórica, a área da cidade que a distingue de todas as outras. Já vai sendo tempo de todos os que querem voltar a ter uma cidade bem definida, com as suas caraterísticas próprias, pugnem pela recuperação dos edifícios, ruas, praças, jardins, árvores e comércio tradicional, única forma de manter a identidade Leiriense.

Leiria transferiu-se, de armas e bagagens, para um campo de concentração a que chamamos "Leiria Shopping".
Vamos aceitar, sem contestação, a degradação a que Leiria, como cidade histórica, está a chegar?

É que, entretanto, começamos a ver sinais preocupantes de que não há interesse em preservar a identidade de Leiria. 
Em vez de uma Praça na zona histórica, constrói-se um "equipamento" com linhas modernaças mas completamente fora da traça original da alma da cidade. Árvores que ainda se podiam e deviam manter em pé, abatem-se às dezenas, decapitando pontos de referência e de vida.

O ferro velho.
É isto que queremos para o Centro Histórico de Leiria?!

2012/02/04

Não se andará a cortar árvores de mais, para vender como lenha?


Comprei 1.000 kg de lenha a O,13€ kg. A carrada vinha com sobreiro, azinho e oliveira. Diz que o azinho faz uma boa chama e dura mais tempo a arder. Assim parece, de facto.

Estive um pouco à conversa com o snr. A..., que me deu uma lição sobre os vários tipos de lenha que se usa nas lareiras de Portugal e a sua origem (indeterminada, que os fornecedores dizem que vem dos sítios mais diversos, muita do Alentejo, e que são provenientes de árvores velhas e carcomidas pelo tempo). Entretanto, vai adiantando que no que respeita às oliveiras, as centenárias - autênticos monumentos vivos, alguns que vamos admirando em rotundas de Leiria e outras cidades - estão a ser arrancadas a esmo e a serem substituídas por espécies próprias para produção intensiva de azeitona para curtir e para azeite (passou a ser todo "extra"?!). 
E com isto tudo o ecossistema desta orla atlântica e mediterrânica vai-se modificando (destruindo, talvez seja o termo mais adequado)  inapelavelmente.

Quanto ao azinho (azinheira), o seu abate está proibido. E o sobreiro (sobro ou chaparro) também é uma árvore protegida.

De modo que se fica com a sensação de que se estão a cortar árvores protegidas, aparentemente em bom estado vegetativo, para vender como lenha...

Que controlo é que se faz, de facto, sobre a forma como se está a gerir a floresta e a boa ordenação das espécies arbóreas existentes em Portugal? 

Bem sabemos a resposta: salve-se quem puder!...
Até quando?!...
-
nota:
azinho: azinheira (Quercus ilex)
sobro: sobreiro (Quercus suber)


@as-nunes  

2011/10/20

Leiria: O Fim da Melia

Perguntei à alameda por onde passo
se sabia da razão deste fim
ela já muda de cansaço
só me disse: a vida é assim



E assim acabou esta bela, sinuosa,
velhinha, Melia Azedarach...
que tantas vezes,
ao longo de muitos anos,
com ela troquei olhares
e murmúrios
e recortes de encantar.
.
.

Há árvores que só deviam morrer de pé!...
.

nb:
a árvore em causa é a do lado direito da 2ª foto de baixo, na montagem. (clicar para melhor admirar);
era companheira do liquidâmbar (na 1ª foto de cima com as folhas vermelhas, do Outono), duma faia púrpura, de dois padreiros e de uma tília e namorada de sempre, do Rio Lis e dos seus barbos e bogas e ...
minha paixão arrebatada, como se pode ver aqui e aqui
@as-nunes
Posted by Picasa

2011/08/02

Assim seja?!

Não posso dizer ámen a tudo, só porque vivo em Leiria e gosto desta cidade!...

Por estes dias, na zona de Leiria. 
Reflorestar adequadamente, é urgente!
@as-nunes
Posted by Picasa

2010/06/04

LEIRIA, a Galp e os choupos

(clic para ampliar)
O avisador de que o combustível do meu carro estava nas lonas soou. Pelas minha contas dá para mais 100 km, à velocidade média a que circulo. Conduzo com muito mais calma, agora que entrei nos sessenta e tal. De modo que quando ouço esse fatídico sinal para as minhas finanças pessoais - apesar de tudo - não entro em transe à procura do primeiro posto de abastecimento que apareça.
Como tinha um talão de desconto que me foi entregue a troco de mais uma boa maquia que ficou no hipermercado - que só pode ser usado em estações da Galp aderentes - acabei por parar nesta, a da foto acima. Entra-se e sai-se pela Av. das Comunidades em Leiria. Pode-se dizer que esta Avenida está a fazer o serviço que, em breve, irá ser feito pelo IC36, isto é, ligar a A8 à A1, aqui nesta cidade. Dá muito jeito para encarreirar os automobilistas a seguirem para a A1.

Ironia do destino. A BP lá anda com problemas bicudos para estancar a colossal maré de petróleo que está a ser derramado aos milhões de litros diários para o Atlântico e a afectar com gravíssimas consequências o Golfo do México e, principalmente, toda a costa da Louisiana e, muito provavelmente, a da Flórida. Ouvi nas notícias que Obama está muito zangado com a BP e já a mandou multar em 69 milhões de dólares. 
Coitadinhos. 69 milhões! Estão feitos!?...E as acções a caírem 30 e tal por cento! Ou muito me engano ou daqui a algum tempo é que vai ser ganhar dinheiro em Mais-Valias!

Nessa estação plantaram-se estes choupos, todos numa fila(*) muito alinhadinha. Por acaso estão muito bonitos nesta altura do ano.
E veja-se a oportunidade da colocação do logotipo da GALP, precisamente a apelar para o seu empenhamento no verde.
Do lado de lá da Avenida, entrevêm-se mais umas árvores. É verdade. É uma zona de terrenos agrícolas, de razoável dimensão, que pertence à Prisão Escola de Leiria. Até quando é que aquela zona ficará preservada como zona agrícola?
Com os projectos grandiosos que se antevêm - e já estão alguns em curso (Shopping Leiria de Belmiro de Azevedo e todas as estruturas rodoviárias em redor, um novo Centro Comercial tipo Fórum, ali perto, o próprio IC 36 que vai encurralar esta zona verde, etc. etc.) - está-se mesmo a ver o que vai ser de toda a zona agrícola e florestal que se situa entre esta Av. das Comunidades e a Mourã (lá se vai a Quinta da Mourã, auguro eu) na freguesia da Barreira. E o problema mais sério é que é precisamente nesta área que corre o Rio Lena, que mais abaixo, casa com o Rio Lis e lá seguem os dois muito unidos num só, até desaguarem de mansinho no Atlântico, na Praia da Vieira.
-
Ainda a propósito de choupos em Leiria. Alguém poderá informar a população porque é que se abateu o majestoso choupo que estava, até há dois dias, a dar o vistoso ar da sua graça no Largo do Tribunal em Leiria? Era um belo espécime de populus nigra.
(*) renque, lembrou-me a "deep". Obrigado, que bem andei à procura da palavra e não me ocorreu na altura. Passei à frente...
Posted by Picasa

2010/01/30

2009/10/24

Mais um ícon de Leiria que desaparece




Vivo em Leiria há 43 anos
Julgava-a imortal
A recordar antanho
Até ao momento final.


Mais uma árvore do Jardim Luís de Camões, Leiria, que desaparece da nossa vista, mas não das nossas recordações…


Nos últimos anos, que me lembre:


Duas tílias monumentais
Uma árvore do ponto (tulipeiro)
Uma Faia púrpura
Agora, um Cedro de muitos anos, quantos nem eu sei.


Espero bem que aquele recanto do jardim seja requalificado sem o descaracterizar. Há que conservar os espaços do núcleo urbano e histórico da cidade. Só assim poderemos afirmar que Leiria é e será uma cidade diferente das outras. Que vale a pena visitar, olhá-la e nela permanecer!
Posted by Picasa

2009/06/29

CHOUPOS E URBANISMO


clic para ampliar - um choupo junto às paredes dum Hotel no Algarve

Vi, admirei os seus minúsculos frutos, aqueles que resultam da polinização que provoca o pairar no ar de flocos como que de algodão fossem, que dizem que provocam alergias e portanto há que os abater, que têm raízes que estragam o alcatrão, que deitam paredes de betão à prova de sismos abaixo, que não são compatíveis com as ideias de certos urbanistas. Portanto, há que os abater.
Mentira. Não são estes os motivos do seu abate quase sistemático em algumas cidades.
Diz-se que vão ABATER DOIS CHOUPOS NO LARGO CÓNEGO MAIA EM LEIRIA. já amanhã.
Por mim e se tiver quem me acompanhe, tudo farei para contrariar essa acção criminosa. Trata-se de dois choupos de referência, bem encorpados, saudáveis, bonitos de se ver e que proporcionam uma sombra agradável para quem passa a pé naquele local.
E não fazem mal a ninguém a não ser a certas mentalidades de gabinete, de régua e esquadro, de falta de sensibilidade para a defesa do ambiente, que é imperioso que se proporcione aos habitantes duma cidade.

Não matem árvores feitas só porque lhes apetece alterar o aspecto visual dum Largo!
NÃO!
Posted by Picasa

2008/08/06

Sem dó nem piedade


(clic para ampliar)

Já devem ter ouvido falar da entrada em funcionamento para breve de mais uns 6 ou 7 novos hipermercados por esse país fora.
Aqui em Leiria, não faltam projectos, sendo que o do "Continente" (ampliação) já está em obras.
Como se pode reparar, as árvores que havia em todo o espaço de estacionamento e na zona junto à fachada principal do edifício foram abatidas sem excepção: choupos como o da foto (alguns já de grande porte), acers vários e pseudo-acácias. Como estas instalações já têm para cima de 15 anos, imagine-se o quão insensível se mostrou a Câmara de Leiria porquanto podia ter imposto, na aprovação do projecto, que todas essas árvores, em vez de cortadas cerce, fossem transplantadas. Claro que essa operação custava algum dinheiro que iria encarecer as obras...

No futuro vamos viver dentro dos Centros Comerciais? Não iremos precisar das árvores? Parece que esta está a transformar-se numa moderna corrente filosófica de vida.

Posted by Picasa

2007/10/07

A Voz das Árvores


"A minha árvore - a árvore com que eu tinha crescido e cuja companhia, pensava eu, me acompanharia ao longo dos anos, a árvore sob a qual, pensava eu, cresceriam os meus filhos - tinha sido arrancada. A sua queda arrastara consigo muitas coisas: o meu sono, a minha alegria, a minha aparente despreocupação."
Enquanto leio, recordo com amargura:
2000 - Abate à falsa-fé, de todas as árvores do Largo da Sé, Leiria. Revolta. Insurreição com artigos nos jornais. Abateram os acer pseudo-plátanos (padreiros), habitat de milhares de pássaros de todas as espécies e chilreios, que nos animavam a alma, ao fim do dia.
2002 - Abate dum Freixo centenário, junto ao Rio Lis, para lá ser colocado um relógio gigante, para se fazer a contagem decrescente do Programa-Polis, em estrutura horrível em ferro, pesadíssima. Para nada. Não serviu para nada.
2005 - Abate duma árvore-do-ponto, centenária, no Jardim Luís de Camões, para que se pudesse seguir à risca o desenho dos paisagistas de gabinete.
2006 - Queda (por negligência criminosa) de duas tílias prateadas (tília tormentosa) de grandes dimensões, companheiras amigas de várias gerações, no jardim Luís de Camões.
(O texto transcrito acima faz parte do livro reproduzido na imagem. Dramático e chocante...)
Posted by Picasa

2007/10/03

Borda d´Água

No Largo 5 de Outubro de 1910 (na zona da estátua do Papa Paulo VI). Um Romeno - disse-mo ele - recentemente operado ao fígado, a vender o "Borda d´Água" para 2008 (Bissexto). Comprei-o e fiquei a saber que este amigo anda à procura de emprego (que não o obrigue a fazer muita força por causa da operação...). A foto foi tirada a pedido...
Se se ampliar a fotografia (clicar) fica-se com uma ideia da desgraceira que vai por este Mundo fora (ao ler o painel), o bicho Homem a dar cabo de tudo onde põe o olhar e as mãos. Eu acrescentaria mais uma desgraça: pelo andar da carruagem, o Centro Histórico de Leiria vai ficar completamente descaracterizado, tendo em conta que se deve entender por Centro Histórico duma urbe, como Leiria, o núcleo histórico e tradicional da comunidade, desde os tempos da sua fundação. Para não ir mais longe, avivando algumas memórias mais distraídas, porque é que se abateram 3 choupos (do tempo dos que são visíveis ao fundo) para, no seu lugar ser feita uma bifurcaçao rodoviária? É que as árvores já lá estavam, faziam parte do património da cidade e, pior ainda, nada justificou o seu abate para os fins em vista.
O trânsito automóvel, com o traçado original ou ligeiramente adaptado, sem necesidade de abater as árvores, funcionava perfeitamente.
As árvores que foram plantadas em todo este Largo, salvo melhor opinião, que ainda ninguém a emitiu, não serão as mais adequadas a um Centro Histórico como o de Leiria.
Posted by Picasa

2007/09/24

Becos sem saída!

As árvores a secarem...mais do que seria normal!...

Para voltar tive que vir de marcha-atrás. Árvores? O ramito que se vê e pouco mais!...

Porquê?...

(Algures perto de Leiria)

Posted by Picasa

2007/09/14

Segurança?!...


O açude das Cortes. Logo a seguir o rio Lis vira à esquerda e entra na zona da Nora. Um sítio de excelência, muito aproveitado pela rapaziada para umas boas banhocas e para a prática de desportos náuticos, nomeadamente canoagem.
Há uns meses atrás, uma árvore (penso que um choupo) partiu-se e caiu sobre o Rio Lis no açude das Cortes. Era, de facto, de grande porte e a sua queda podia ter provocado maiores estragos. De qualquer modo não comungo da mesma opinião que o "Jornal das Cortes" na sua edição de 8 do corrente. Na minha opinião, dado que se trata duma zona ribeirinha, clássica e de grande interesse ambiental, em vez de se ter procedido ao abate a eito de "faias"(*) (segundo o jornal, aliás um dos de maior renome e já com 20 anos de vida influente na comunidade local), conforme se pode ver nas 1ª e 3ª fotos, bem se podia ter apelado ao bom senso e conciliado a segurança com a necessidade premente de se preservar o ambiente e o ecossistema da área, com podas bem orientadas. Além do mais, depois de podadas com critério, as raízes daquelas árvores poderiam ajudar à fixação de terras, protegendo assim, a margem do rio.Mais umas quantas árvores de referência e de nítido interesse ambiental e paisagístico que se abatem, quanto a mim desnecessariamente!...
Justificação do abate, segundo o jornal em referência: "Devido ao seu porte de respeito, mas sobretudo à erosão da margem direita do rio naquele local, há ali mais faias cuja queda se adivinha, com os perigos inerentes em tal circunstância."... Agora aí estão, transformadas em belíssimos troncos de madeira de bom valor comercial. Assim seja!
(*) A caracterização de grupos de árvores como sendo faias nem sempre significa que elas sejam efectivamente faias, na sua classificação científica. Aliás, nesta zona, é frequente denominar-se faias a pequenos bosques de choupos, de freixos e até pinhais. O caso mais típico é o da Cova das Faias. Neste local, no IC2 entre Boa vista e Marrazes, existem/iam somente pinhais e eucaliptos. Perto, observável a partir da variante entre o IC2 e a A1 (entrada nos Pousos), ao longo e no resto do vale da Ribeira do Sirol, existem vários bosques, mas de choupos e de alguns freixos, que não de faias, como é comum ouvir referir.
Para quem tiver algum empenho em informações mais completas sobre as faias (fagus) aconselho uma consulta aqui.
Posted by Picasa

2007/04/12

Cemitério de árvores?

Nos arredores de Leiria. Mais uma urbanização. Estes sobreiros estão cortados, como se tivessem sido guilhotinados.
Qual será a ideia? Será este o primeiro passo para o abate definitivo? Ou será que, como que por milagre, se pretende recuperar este bosque?!...

Desta maneira?!

Posted by Picasa

2007/04/03

Largo da Sé em Leiria - 1974-2007

Venho do "dentro de ti ó leiria" onde acabei de dar entrada duma nota sobre o que era o Largo da Sé em 1974. A fotografia que lá postei é da minha autoria, tirada com a minha velhina Kodak Retina S1 (de 1966) e pretende ser uma referência para se comparar com o que é hoje o mesmo sítio. A minha maior zanga, já remonta ao ano de 2000 e tem a ver com o abate injustificado e brutal das árvores que ornamentavam aquele local. Ainda hoje não me conformo com a arbitrariedade que foi cometida na altura.
Senão veja-se:

Não me vou repetir. A reportagem, o mais sintética que me foi possível, sobre este massacre, está publicada no supradito blogue. Só poderei acrescentar que, na altura, este assunto foi para a imprensa regional, mas contra a força das "autoridades" parece não existirem argumentos!
Toda esta brutalidade para que o Largo ficasse assim:

Modernices, ensaiar o moderno, embrulhando o património cultural duma cidade e que remonta a datas longínquas, em papel atraente mas que dificilmente é compatível com o seu significado histórico incontornável, não me parece constituir uma boa solução. Talvez que se possa mostrar com um desenho bonito à vista actual. Mas, e o ambiente histórico e cultural da época, numa zona carismática do Centro Histórico de Leiria, não conta para nada?
Seguindo esta lógica porque não ir ao castelo de Leiria, arrancar todo o empedrado do tempo em que se andava a cavalo e a pé, quando muito de carroça e substituí-lo por pedrinhas de calcário a fazer desenhos bonitos no chão?

2007/02/10

Continuamos a desflorestar à BRUTA!

Porque não impôr que aquando do abate para efeitos de exploração da madeira, se poupe a vida a uma certa percentagem de árvores, nomeadamente as de porte monumental e em zonas pré-definidas? Na minha opinião, nesta área, no mínimo, este eucalipto poderia ter sido poupado. Aquele local, anteriormente, aprazível à vista, transformou-se num ermo desalentador!
Até quando?