Mostrar mensagens com a etiqueta Zaida Paiva Nunes. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Zaida Paiva Nunes. Mostrar todas as mensagens

2017/07/31

Contar Histórias e Historietas por David Teles e Contos Infantis por Zaida Paiva Nunes

A Biblioteca Municipal de Leiria organizou um Piquenique de Leituras no Jardim de Sto. Agostinho no passado sábado. 

Uma iniciativa muito interessante, que só foi pena que não tivesse tido tanta participação como a que merecia. De qualquer modo, aqui fica o registo com a atuação brilhante de David Teles Ferreira que foi secundada, duma forma espontânea, pela Zaida Paiva Nunes com contos infantis-surpresa.
Algumas fotos do FB da Biblioteca Afonso Lopes Vieira (B.Mun. de Leiria):









Ver mais no Fb acima.

2017/04/20

Zaida Paiva Nunes na apresentação de "Felicidade 100 Idade" - 19abr2017


Este vídeo tem cerca de 7 minutos, mas vale a pena ver/ouvir até ao fim. Particularmente se vive a sua Terceira Primavera da Vida ou se é técnico/a de serviço às IPSS com uma vertente ativa e dinâmica de Apoio à chamada "Terceira Idade" ou aos ditos "Séniores", como outros gostam de dizer.
A Zaida Paiva Nunes intervém dando a conhecer a sua posição relativamente a este candente e premente tema que se nos está a ser colocado com muita veemência na atualidade. 
O grande ator e ilustre homem da Cultura Ruy de Carvalho esteve presente e disse palavras bonitas e muito comovedoras e assertivas, como seria expectável, dada a sua notória simpatia e experiência de vida que tem demonstrado no decurso da sua já longa e dinâmica vida.
-
O ator Ruy de Carvalho marcou presença esta quarta-feira na apresentação do livro “Felicidade 100 Idade”, da autoria de Jorge Gameiro. Organizada pela Município de Leiria, em parceria com a APpeas – Associação Portuguesa de Promoção do Envelhecimento Ativo e Saudável a apresentação vai ao encontro das políticas sociais inclusivas, participativas e saudáveis que têm sido desenvolvidas no concelho. (in FB do Município de Leiria)
-
Algumas fotos:



Jorge Gameiro, Ruy de Carvalho, Gonçalo Lopes e Zaida Paiva Nunes (no uso da palavra). No Auditório do Teatro Miguel Franco, em Leiria.
-

Tínhamos acabado de almoçar no CEO - Jardim e seguíamos para o Auditório Miguel Franco para a sessão de apresentação do livro de Jorge Gameiro, "Felicidade 100 Limites".
Eu, Ana Valentina (vereadora da CML), Ruy de Carvalho (90 anos) e Anabela Graça (vereadora da Cultura da CM Leiria). Uma foto de álbum!...

--- (em edição)

-.....

2017/03/22

Leiria na rota do 4º Aniversário do «Jornal Sem Fronteiras - Brasil e Comunidade de Língua Portuguesa por todo o Mundo.


Obrigado, prezado amigo e Dr. Arménio dos Santos Vasconcelos, por se ter lembrado deste sempre admirador da sua imensa obra em prol da Cultura e da Lusofonia.

Arménio Dos Santos Vasconcelos Antonio Nunes e Esposa, Zaida, cada um por si, irão ser justamente galardoados, no dia 23, pelas 15 horas, no Castelo de Leiria, com o Vereador da Cultura, Dr Gonçalo Lopes, o escritor Vieira da Mota, a artista Clotilde Fava, o homem do Leiria sobre Rodas, Filipe Vasconcelos e outros. Venham ao Castelo assistir !

(p. 8 do Diário de Leiria de 20 de março de 2017)
-
Em modo DISPERSO… (XXXIII)
(António Nunes)

Leiria na rota do 4º Aniversário do «Jornal Sem Fronteiras»
ACLAL, Mosteiro da Batalha, Castelo de Leiria

O que é o “Jornal Sem Fronteiras”, estará o leitor a perguntar? Qual a sua ligação com esta Região que justifique uma crónica no Diário de Leiria?
Antes de mais convém frisar que o «Jornal Sem Fronteiras» é uma iniciativa da escritora e jornalista brasileira Dyandreia Portugal. Enquadra um projeto de Rede Mídia de Comunicação e Editora Sem Fronteiras  de envergadura notável, na medida em que está a conseguir o seu objetivo fundamental, que é a promoção de iniciativas editoriais e de eventos com vista à divulgação da Arte e da Cultura em todos os Estados Brasileiros e em mais 27 países onde se fala a língua portuguesa, predominantemente ou não. Esta iniciativa é fortemente apoiada em Portugal pela ACLAL – Academia de Letras e Artes Lusófonas, cujo Presidente da Direção é o Dr. Arménio Vasconcelos, com ligações íntimas e de longa data a Leiria, como advogado, empresário, escritor e amante das Artes e das Letras em geral. O autor desta crónica ocupa, presentemente, o cargo de Presidente do seu Conselho Fiscal.
O «Jornal Sem Fronteiras» possui tiragem bimestral e a sua presença não tem fronteiras estabelecendo-se por todo o mundo através dos seus colunistas, Galerias de Arte, Museus, Bibliotecas, Associações, Academias, Feiras Literárias, Exposições de Artes, Lançamentos Literários e outros Eventos Culturais.
O seu principal representante em Portugal, a ACLAL, tem sede em Além do Rio - Gafanhão – Castro Daire e foi constituída em 17 de Julho de 2009.  Ficaram registados para a posteridade como sócios fundadores, entre outros, os leirienses (por naturalidade ou por adoção), Arménio Vasconcelos, Adélio Amaro, António Nunes, Soares Duarte (já falecido mas para sempre lembrado), Vieira da Mota, Filipe Vasconcelos…
O «Jornal Sem Fronteiras» comemora este ano o seu 4º Aniversário, em Portugal, com um programa recheado de iniciativas culturais especialmente dirigido à sua numerosa comitiva que vem diretamente do Brasil e que se junta aos elementos que vêm de outros pontos do globo. Esta impressionante jornada Comemorativa e de cultura em Portugal terá, também,  a participação da APP – Associação Portuguesa de Poetas, Universidades de Lisboa e Coimbra, Instituto de Camões, Museus Maria da Fontinha e de Almofala, Mosteiro da Batalha, Castelo de Leiria – Câmara Municipal de Leiria, ABD – Associação Brasileira Desenhos e Artes Visuais, Cia Arte Cultura, ALAIS – Académie de Lettres et Arts Luso Suisse.
O ponto de encontro e início das comemorações é Lisboa. A esta comitiva inicial juntar-se-ão muitos portugueses,  particularmente ligados à ACLAL,  ao longo do percurso das várias atividades que ocorrerão entre Lisboa, Sintra, Cascais, Óbidos, Batalha, Leiria, Almofala, Coimbra, Viseu, Além do Rio, Porto, Braga.
As ações previstas decorrem de 16 a 31 deste mês, começando no Hotel Pestana (Palácio Valle Flor) com uma Festa de Gala de Aniversário e Cerimónia de Homenagens. No dia 17, no Museu da Farmácia, ainda em Lisboa, ocorre um Encontro de Escritores Lusófonos, com palestras, performances e apresentações musicais. Nesta oportunidade o Dr. Arménio Vasconcelos apresenta uma comunicação sobre farmácias, focando-se naquela que foi a mais antiga farmácia de Leiria e que permanece, com a sua vistosa fachada de azulejos azuis, como um dos principais ícones da cidade. A sua ligação íntima ao enredo de “O Crime do Padre Amaro”, ao grande Eça de Queiroz e ao lídimo poeta leiriense Acácio de Paiva, não podia ficar esquecida, evidentemente. Trata-se, como está bem de ver, da «Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva», no Largo da Sé, na qual nasceram várias gerações de Paivas, de Telles e Paiva e de Paiva Nunes.
No dia 23 do corrente mês a caravana tem programadas duas sessões culturais e de entrega de Diplomas, de manhã no Mosteiro da Batalha e da parte da tarde, pelas 15 horas, no Castelo de Leiria. No decorrer desta sessão serão galardoados com Diploma de Reconhecimento ao Mérito, os seguintes ´leirienses`: António Nunes (escritor), Clotilde Fava (artista), Filipe Vasconcelos (Leiria-sobre-Rodas), Gonçalo Lopes (Vereador da CM Leiria), Vieira da Mota (escritor) e Zaida Paiva Nunes (escritora/poeta).
No dia 24, os académicos brasileiros e da ACLAL vão apadrinhar a inauguração e apresentação do Espaço Casablanca, em Almofala (distrito de Leiria), que se destinará à divulgação de produtos agro-silvo-pecuários daquela região e de todos os possíveis aspetos da cultura, v.g. poesia, livros de autores regionais, escritos de académicos da ACLAL, com tertúlias, reuniões e concertos. Um dos palestrantes neste evento será Prates Miguel, advogado, com crónica às segundas feiras no Diário de Leiria e Presidente da Mesa da AG da ACLAL.
-
António AS Nunes

 (nunes.geral@gmail.com)

2017/03/03

Perspetivas dum mês de Março cheio de atividade. A propósito do 98º Aniversário de Eva de Sousa Esteves Paiva.


 Zaida e sua mãe Eva Paiva, no dia do seu 98º Aniversário, no Lar da Adesba - Barreira
 A Edite e a Zaida, primas como se fossem irmãs.

Foto em contraluz. O Álvaro Lucas Pereira, marido da Edite. Primo.
---
Texto originalmente publicado no meu FB
-
Este mês de Março perspetiva-se como um mês cheio... Pois que assim seja!
1- Ainda em fev(27) a minha sogra, Eva Paiva, entrou nos 98 anos de idade com o aspeto que se pode ver na fotografia abaixo, ao lado da sua filha Zaida;
2- Amigos meus vão apresentar um duplo CD com música e poesia;
São eles: Carlos Pires (Poesia) e Pedro Jordão (composição Musical);
3- Idem na organização e participação numa Ronda Poética em Leiria, coordenação de Paulo Costa;
4- O meu pai irá fazer 93 anos de idade;e a Ana Damaso e a Carolina também aniversariam neste mês;
5- O meu blogue "DISPERSAMENTE..." vai entrar no seu 11º ano de atividade;
6- O AQVS(*) vai de vento em popa...
7- A Tertúlia dos "Serões Literários das Cortes" do próximo dia 11 vai aflorar a questão essencial "Que é uma Coisa?";
8- A convite do meu amigo Arménio Dos Santos Vasconcelos e na qualidade de membros da Academia Aclal Letras Artes Lusófonas , eu e a Zaida, vamos participar nas comemorações do 5º aniversário dos Jornal Sem Fronteiras (Brasil e mundo lusófono), com sessões culturais e de homenagens em Lisboa, Mosteiro da Batalha, Castelo de Leiria, Figueiró dos Vinhos (Museu e Casa Cultural de Almofala), Museu Maria da Fontinha (Além-Rio- Castro Daire), etc
9- O meu amigo Carlos Lopes Pires vai lançar aos sete ventos um seu livro de poesia (mais um, mas sempre com a sua verve a fazer prevalecer o seu humanismo e a sua preocupação estética acima de tudo) que será já no dia 1 de abril. Mas é verdade, segundo afiança o autor e o editor (TextiVerso) corrobora.
... E assim vai o mundo ...

(*) movimento clandestino e ultrassecreto.(bolas! na ortografia antes do AO90 era ultra-secreto). Ironia nossa, do núcleo duro dos Serões Literários das Cortes. 

2017/02/18

Rememorando Acácio de Paiva - organização da Biblioteca Municipal de Leiria -11 fevereiro de 2017


Começou-se no Largo da Sé, em Leiria, em frente à casa onde nasceu Acácio de Paiva, a conhecida "Pharmácia de Leonardo da Guarda e Paiva".
David Telles disse poemas de Acácio de Paiva.
Na fotografia do meio podem ver-se: Constância e Filomena Paiva (netas de Acácio de Paiva) e de óculos escuros a Zaida Paiva Nunes (sobrinha neta).
Só um lamento da minha parte: a sra. bibliotecária esqueceu-se do livro que eu escrevi sobre Acácio de Paiva. Pura e simplesmente. E só se falou dele porque a minha prima, Filomena Paiva (Marques da Cruz), chamou a atenção para essa falha. Lamento a desatenção. Ao menos referi-lo...
O livro é este:
Editado com o apoio da então Junta de Freguesia de Leiria, de que era Presidente a Dra. Laura Esperança. Foi em 2013. A reportagem possível sobre a apresentação desse livro pode ser vista seguindo este link.
O livro é de distribuição gratuita. 
-
A reportagem fotográfica deste evento pode ser admirada aqui
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1300836956622059.1073742082.183312168374549&type=3


Uma das fotos da reportagem, na Biblioteca Municipal de Leiria, junto ao mostruário dos livros e documentos que se referiam a Acácio de Paiva. Quase todos.........
Podem-se ver, na parte direita da foto, as netas de Acácio de Paiva: Constância e Filomena Paiva.
-
ps.: Filomena Paiva Marques da Cruz morreu, entretanto, em Setembro 2017 e está sepultada em jazigo de família no cemitério de Sto. António do Carrascal, em Leiria.

2016/12/28

Adelaide Félix a falar de Acácio de Paiva, ´insigne poeta leiriense`. Em 1944

Sempre que me ocorrer e tiver disponibilidade temporal e anímica para isso, aqui vou deixando as minhas notas e Apontamentos do que vou observando e/ou fazendo. 
Que possa servir para quem aqui vier espiolhar...
---

Acácio de Paiva lembrado por Adelaide Félix

-
Notas aquando da recolha de informação sobre
Acácio de Paiva, ´insigne poeta leiriense`.
- António AS Nunes para “Falando de Acácio de Paiva”, ed. Junta de Freguesia de Leiria, 2013.


Composto e impresso na Pap. Veneza. Lisboa. 1944. De 23x18 cm. Com 41 pags. Brochado. Ilustrado pelo Dr. Leonel Cardoso.
Este livro tem 41 páginas .
Nele é publicada uma conferência da autora, pronunciada na noite  de 20 de Março de 1944, na Casa do Distrito de Leiria, e ilustrado por Leonel Cardoso.
Com esta conferência a Dra. Adelaide Félix pretendeu realçar a atividade literária dos escritores que, na sua opinião, mais se teriam, até à data, revelado, ilustrando as terras e as gentes desta área geográfica de portugal:  o Distrito de Leiria.

Adelaide Félix (Santarém 1896 - Lisboa 1971) licenciou-se em Filologia Germânica pela Universidade de Lisboa e estagiou na Alemanha, país que visitava regularmente.
Publica o seu primeiro romance "Hora de instinto" em 1919 a que se segue, em 1921, uma colectânea de contos "Miragens Torvas".
Foi Teófilo Braga, seu mestre de Literatura, quem a incentivou a seguir a vida literária, tendo-lhe prefaciado um ensaio - "Shakespeare e o Othelo".
Exerceu funções docentes no Liceu D. Filipa de Lencastre, em Lisboa e foi também professora no Liceu de Leiria, tal como a própria afirma no "Roteiro de viagens feitas no mar tormentoso das letras por gentes de Leiria e seu termo", conferência que pronunciou na noite de 22.03.1944, na Casa do Distrito de Leiria, em Lisboa.
… "É ainda de Rodrigues Lobo, o liceu onde orgulhosamente eu servi..."


Esta foto foi tirada no decorrer da sessão de encerramento do festival dos jogos florais do Outono de 1965.
É de toda a justiça assinalar que o “Príncipe dos poetas” se chamava José Ribeiro de Sousa, de Maceira Lis (Florão de Louros de Prata).
Uma particularidade interessante deste festival: cada concelho da Região de Turismo de Leiria, teve a representação em palco de uma jovem escolhida a preceito. A representante do concelho de Leiria, foi Zaida Manuela Teles e Paiva, por sinal sobrinha-neta de Acácio de Paiva.

Adelaide Félix foi a presidente do Júri deste certame literário. A dado passo do seu discurso, disse:
(…) ”; e alegram-me, finalmente, a alma, porque cumprindo a sua tarefa, todos os componentes dum júri literário acabam por encontrar, nas produções apresentadas, alguma hora alta, alguma tarde de vento e de sol, que na lida da vida, já bateu à porta de todos nós.”
Não sendo natural de Leiria, aqui viveu vários e interventivos anos, muito contribuindo para a dignificação e divulgação das gentes e das obras literárias de muitos leirienses de alto mérito literário.  Por isso mesmo aqui fica o meu reparo por o seu nome não constar do “Dicionário dos Autores do Distrito de Leiria”, ed. Magno – Leiria – 2004.

-
Voltando mais atrás. Adelaide Félix disse, no seu discurso de 1944, que originou a publicação acima referida,  a propósito de Acácio de Paiva:

“… e não é um mareante, nem dois, nem três, que compõem hoje a tripulação da barca.
Nos cestos das gáveas, ao leme, no tombadilho, trepando aos mastros, ou no comando da nau, vejo gente, da melhor, entre a marinhagem que navega no mar tormentoso das letras contemporâneas.
E entre ela vai esse perdulário de rimas opulentas e do modelo de poesia alegre que é o leiriense Acácio de Paiva. Não cuida, nunca cuidou do seu renome.
Não busca vender livros – pois nem sequer se dá à tarefa de coligir milhares de versos esparsos… .
Dizer «Acácio de Paiva» é o mesmo que dizer insonciance, ou portuguesmente: «… Quanto a glória… tanto se me dá… como se me deu!...»

Ϩ
Notas de António AS Nunes em consulta na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira
Em 2012/3.


2016/11/27

Zaida Nunes apresenta livro de Adélio Amaro - Abraçar uma Estrela


Zaida Paiva Nunes fez a apresentação na Biblioteca Municipal de Alcanena, no dia 26 de novembro de 2016, do livro de poemas de Adélio Amaro, «Abraçar uma Estrela».
A sessão decorreu em ambiente franco e aberto de Encontro do Grupo de Poesia e Cultura da Biblioteca Municipal de Alcanena, alargado. Foi muito participado e, no seu decurso, houve ocasião de falar de Adélio Amaro e da sua versátil e muito preenchida carreira como Escritor, Poeta, Editor, Jornalista e muitas mais facetas, que constituem o espelho de todo o seu trabalho em prol da Cultura, Associativismo e Cidadania. Um Cidadão em pleno, dedicado às causas da sua terra Natal, Leiria, dos Açores, Algarvia, terra do seu pai, da Comunidade Portuguesa espalhada por todo o mundo, particularmente, Europa, Brasil e América do Norte. Enfim, só passando os olhos com atenção e tempo pelo seu curriculum e historial bio-bibliográfico é que se poderá ficar com uma ideia aproximada de toda a riqueza da sua atividade sócio-profissional, apesar de ainda estar no fulgor da sua idade temporal.













.---.

Foto tirada aquando da apresentação acima referida
nota de abertura ao cv abaixo:

ADÉLIO AMARO, Comendador Grande Oficial, nasceu em 1973, em Leiria, onde reside.

É um apaixonado pelos Açores tendo feito os levantamentos fotográfico e histórico das quase 160 freguesias, dos 19 concelhos das 9 ilhas dos Açores.

Entre vários cursos frequentou Design da Comunicação na ESTGAD, Caldas da Rainha, e História de Arte do Século XX, na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.

Foi Jornalista Profissional (1996-2005) e diretor de vários jornais. Atualmente é director executivo do jornal Gazeta Lusófona (Suíça) e colabora na imprensa de Portugal, Suíça, França, Canadá, EUA e Brasil. Tem cerca de 4 mil artigos publicados em mais de 80 jornais e revistas.

É fundador e foi sócio gerente da editora Folheto Edições & Design (2003-2015) e é coordenador cultural da editora Portugal Mag Edições, em Paris (França).

Já participou em mais de duas dezenas de congressos e ações de formação, em outros tantos países, na Europa, Ásia e América.

Com várias intervenções, palestras, prefácios e apresentações, moderou a apresentação de mais de 400 livros.

Fez 14 exposições individuais de pintura e fotografia, em Portugal, Suíça e Japão.

Foi Deputado da Assembleia Municipal de Leiria e presidiu a várias associações, sendo, atualmente, fundador e presidente da Associação de Investigação e Cultura dos Açores/Leiria (Biblioteca com mais de 7 mil volumes entre outra documentação) e vice-presidente do Centro de Património da Estremadura.

Referenciado em vários manuais, é autor de 25 livros e cadernos e coordenador da Antologia de Poetas Lusófonos em 24 países de todos os Continentes, já com 7 volumes e mais de 300 poetas, e da coleção nacional "Etnografia e Tradição" com os Ranchos Folclóricos, as Bandas Filarmónicas e os Grupos Corais.

Autor dos Brasões das Freguesias da Barreira (Leiria) e Algarvia (Açores).

Diversas vezes distinguido onde se destaca:

Medalha Prémio Especial pelo Ministério do Ambiente, Lisboa, 1998;

Troféu de Cultura do Orfeão de Leiria, 2002;

Medalhas e Diplomas Reconhecimento e Honra ao Mérito pelo Museu Maria da Fontinha, Castro Daire, 2004, 2005 e 2007;

Diploma e Medalha Austragésilo de Athayde, pela Academia de Letras e Artes de Paranapuã, Rio de Janeiro, Brasil, 2005;

Diploma de Honra ao Mérito, do Elos Clube de Leiria, 2007;

Grande Colar de Ouro, Diploma Grande Oficial e Comenda das Artes Visuais da Associação Brasileira de Desenho, 2007;

Honra ao Mérito do Elos Clube de Alcanena, 2008;

Medalha de Bronze da Cidade de Leiria (2014);

Título Honorífico de Cavaleiro da Ordem da Associação Brasileira de Desenho, 2014;

Membro de várias Associações e Academias em Portugal, França, Suíça, Brasil e Canadá.


2016/11/11

Ilha de Moçambique 1971


Tempo de rememorar Moçambique...
E aqueles tempos de 1969 a 1971 ...
-

Fundo musical:
Música tradicional Moçambicana

ELISA GOMARA SAIA


Elisa wê, elisa wa

Elisa wê, gomara saia

Ava rapaji ni ma pôpa
Ava menina ni ma rabenta

2016/04/12

CARLOS EUGÉNIO - poema dito por Zaida Paiva Nunes


CARLOS EUGÉNIO: 
poema dito por Zaida Paiva Nunes

Somos Dois Rios 

Somos dois rios: um macho outro fêmea.
Podemos ter nome: Lis e Lena.
Seguimos sorrindo alegres sonhando
Porém, mais aonde, indo adiante,
As águas se encontram em bosque de canas
Unidos partimos, cristal aventura
Clara manhã, paixão delirante.

Vimos dos montes, laranjos calcáreos
De mão atrevida trazendo uma rosa
Grandeza e instante são em nós vida
Em redor dos campos de selva formosa,
Amor te desejo em fonte - beleza
Sou eu, sou eu, que te espero
Seja tarde ou cedo, em flecha doirada,
Panorama solar, em chama te quero
Brotados desejos de goivos turqueza.

O mar aparece e desata a chorar 
De crista sangrenta rompendo a sorte;
Desenha-se a rosa em alga de estrelas
Que vinha nos dedos, singrando na morte.

Somos nós que ficámos de mão levantada
Na fúria das ondas, no verde do mar
Somos nós que ficámos, na sombra encantada,
Da boca que beija e morre a cantar.

===
Ver também crónica completa sobre Carlos Eugénio na próxima segunda feira, 18 de Abril de 2016, no Diário de Leiria.


2016/01/26

David Teles - conversa de café na Trestúlias - Leiria




Realizou-se no dia 23 de Janeiro, pelas 15h15m no Museu Leiria –Convento de Santo Agostinho (Rua Tenente Valadim, junto à Cruz Vermelha) - mais uma sessão de “Café com Livros”
Desta vez damos lugar a “gente da nossa terra” e estaremos à conversa com David Teles.  Este nosso conterrâneo  divide-se entre a escrita e o teatro: tem vestido várias personagens, ensaiado várias escritas, tem dado voz a muitos poetas e escrito a sua própria poesia. David Teles irá certamente enriquecer este nosso espaço de encontro, de conversa, de livros, de poesia e de outras surpresas sempre improváveis… J Não percam!
Agradecemos desde já  que gostem da página e partilharem a informação. 



https://www.facebook.com/Trestulias



Muito obrigada.



Cumprimentos Trestulianos



Trêstúlias com(vida)
        Cristina Barbosa, Lídia Delgado e Rosa Neves
-
Estivemos (eu e a Zaida), presentes. A Zaida participou, como protagonista, na sessão de conversa e homenagem (O David não gostou que eu lhe chamasse assim) mas esta é a verdade, A pretexto duma conversa de café, esta Tertúlia prestou-lhe uma merecida homenagem, que eu, amadoristicamente mas com o meu melhor empenho, aqui deixo,em vídeo.

FOTOS:
 Eu a dizer umas coisas... Florbela Ferreira ao meu lado. Uma boa amiga.

 A minha prima Lurdes (Leiria origem do pai Sr Sousa (padaria Sousa na Rua da Graça, há já muitos anos...), eu e o Dr. Augusto Mota (fomos colegas nos anos 60 na Escola Ind. Com. de Leiria).


A Zaida a dizer um poema do David Teles.

Ver mais fotos em https://www.facebook.com/joaquim.cordeiro.pereira?fref=photo
e a seguir:








2016/01/21

Nampula, Zaida Paiva Nunes, Inês. Moçambique 1970. Enfim: Crónicas de Moçambique





Crónicas de Moçambique 1970 (1-8mm)

Sem mais delongas e pormenores:
A Zaida e a Inês (Paivas e Nunes).

A foto a seguir é uma "frame" (vou ver se descubro uma palavra portuguesa que possa ser usada com este significado) dum filme feito em 8mm. 
Estávamos em 1970, na estrada que saía de Nampula em direção ao interior (Mueda, Tacanha, Praia da Choca (200 km +- no Índico), Ilha de Moçambique, etc. Já não me recordo se íamos a caminho de Tacanha (onde viviam uns primos meus) ou se íamos em direção à Ilha de Moçambique ou à praia. A única estrada alcatroada que havia à volta de Nampula, na altura, eram cerca de 80 km+- talvez 100... Eu estava a cumprir o SMO (Serviço Militar Obrigatório: não meti cunhas para não ir, talvez não conseguisse ou talvez sim, quem sabe; ao fim e ao cabo tinha um outro primo na zona de Lourenço Marques (Maputo) que era afilhado do Governador Geral de Moçambique eheh é verdade... ou são as minhas memórias que já andam a misturar lembranças toldadas no nevoeiro do tempo?!...) Ah, já me estava a passar, eu era Alferes miliciano do SAM (mais tarde posso decifrar esta sigla, se tiverem interesse nisso) e estava colocado num Batalhão de Engenharia, ao lado o Hospital Militar (helicópteros de evacuação de feridos em combate a todo o momento...); a Zaida acabou por arranjar colocação na CELC (depois falamos...) e tinha funções de Alferes (sim, sim...). Bolas. Tenho a impressão que me estou a meter num ´molho de brócolos`... (continuará?!) ...
-
comentários no FB:
-
António Nunes  Claro, é que o pensamento é tramado. Traz-nos lembranças e tanta nostalgia que não há quem resista! E aqueles serões, depois que chegámos, no Largo da Sé? E aqueles dias com o Trygva? Lembra-se, compadre? Aquele radioamador que veio da Noruega e esteve uns dias lá em casa? Aquelas batatas com bacalhau que ele comeu com uma satisfação inaudita, que não sabia que se comia bacalhau sem ser em papa/moído, sei lá. E aquelas guitarradas? Tenho mesmo que escrever uma crónica de todo esse tempo fantástico!
Jorge Viegas Claro que me lembro disso tudo!... E apesar da vida ter dado muitas voltas, o sentimento, apesar de não ser cultivado, continua o mesmo, e tenho por vocês uma grande estima, acreditem!...
Carlos Alberto Porque não te expões e passas para o papel as memórias boas e más dessa vergonhosa guerra, pensa nisso e avança, grande abraço
Aurora Simões de Matos Memórias bonitas que ficaram... São elas o lastro de um viver. Abraço meu...
António Nunes  Ó Carlos, meu amigo. Hoje emocionei-me de mais com este fragmento/instantâneo dum filme de 1970. Esse filme daquela parte da minha vida passou-me pela mente como se fosse um flash que conseguiu sobrepor todos os seus instantâneos. Vou mesmo começar a escrever "Crónicas de vida em Moçambique nos anos 70".
É verdade, cara amiga Aurora Simões de Matos.
Afinal, fui mobilizado para um teatro de guerra, tinha 21 anos, meteram-me num avião porque ia em rendição individual, tinha casado uns meses antes, a minha mulher 1 mês depois vai ter comigo, grávida de 7 meses e tal (contra tudo e todas as opiniões) Lourenço Marques-Beira-Nampula, a minha filha nasce em Nampula (um Hospital Civil de primeira qualidade, improvável para aquele tempo), encontro lá três primos na sua vida civil... Uma história que à medida que os anos passam me parece cada vez mais um sonho inverosímel. Retribuo o abraço com amizade...

Tanta coisa para nada, caro António Nunes. Por lá morreram 3 amigos meus. Sem proveito e sem glória... A sua história é algo parecida com a de outros que testemunhei. Na Beira ( Mueda) nasceu-me uma sobrinha... entre mato e água insalubre... filha do comandante da Companhia. E tudo já passou. Abraço para os três heróis Paiva e Nunes.
-

2015/10/24

Óbidos no restaurante Pretensioso e no FOLIO - Festival Literário Internacional de Óbidos

No dia 24 de Outubro de 2015 fomos ao FOLIO - Festival Literário Internacional de Óbidos
Almoçámos no restaurante pretensioso. Os donos e que estavam de serviço, Joaquim Belo e Adélia Belo, foram de uma simpatia extrema e ficámos amigos. Ver também o FB de Joaquim Belo.
Aqui partilhou fotografias do restaurante.





A Zaida ofereceu o seu último livro de poemas. O sr. Joaquim Belo partilhou no seu FB fotografias nossas e de dois escritores famosos, José Eduardo Agualusa e Mia Couto, que também lá almoçaram. 



José Eduardo Agualusa, Adélia Belo e Mia Couto.

2015/10/19

SONHOS - Um novo livro de Poesia da Zaida (Fotografias e montagem vídeo)

Apresentação do livro "SONHOS" de Zaida Paiva Nunes
18 de Outubro de 2015
Associação Cultural "SEMPRAUDAZ", ao Centro Cívico Espaço Eça - em Leiria

























































Norberto Santos, Isabel Santos (irmã), Vitor Nunes (irmão), Zaida Paiva Nunes (autora do livro), António Nunes (eu), Teresa Nunes, Maria de Lurdes (irmã).

O Miguel Reis (sobrinho) e Ana Duarte (namorada)
Paulo Rodrigues (marido da Inês)  e Maria Inês (filha)
---
https://drive.google.com/file/d/0BxQSPO7qWKkbLXRJc2xVYUZ5NWs/view?usp=sharing

(Índice orientador:) - Muito Obrigado/a a todos os amigos presentes -
até 1,56 min (Beatriz Sá Vieira em guitarra clássica)
1,57 min Isabel Soares a declamar "Quantos sonhos, os meus"
3,12 min David Teles Ferreira a declamar "O meu sonho" p. 14
4,18 min Zaida P Nunes inicia a sua exposição
11,33 m (ref à Mafalda Moura )
12,00 m (ref particular aos cunhados/meus irmãos e sobrinhos de Viseu e do Porto)
12,16 m (Ref à mãe Eva Paiva - entrega flores)
14,13 m (intervenção de Bea Sá Vieira a finalizar. Obrigado Beatriz...)

-
Vídeo-resumo conforme está publicado no Facebook 
https://youtu.be/dtCHllPLkok